Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Estou interessado numa colega, será que sou correspondido?”


 

“Sou um homem muito tímido e não tenho muita experiência com mulheres, no entanto sinto uma forte atracção por uma colega de trabalho que também é solteira. Tenho dúvidas se devo avançar porque não sei se ela gosta de mim ou é só simpática porque trabalhamos juntos. O que devo fazer para saber se ela também se sente atraída por mim?”

José, Aveiro

 

 

 

Caro leitor

Existem algumas formas de reconhecer se uma mulher está interessada em si ou se apenas quer ser sua amiga. Comece por prestar atenção à linguagem física dela quando estão a conversar, por exemplo se ela copiar os seus gestos é indicador de que ela gosta de si. Este tipo de comportamento é comum entre vários animais e faz parte do ritual de “corte”, pois biologicamente temos tendência a imitar aquilo que consideramos atraente. Ao copiar os seus gestos, a sua colega está dizer-lhe que está a prestar atenção a si e que o acha atraente. Por exemplo, se ela cruzar as pernas depois de você cruzar as pernas, ou ela se levantar depois de você se ter levantado é sinal de que a sua colega quer algo mais do que apenas uma amizade. Esteja atento à forma como ela se movimenta quando está perto de si. Ela toca-lhe? Cruza as pernas de forma provocadora? Brinca com o cabelo? Ou inclina-se par a frente para que possa estar mais próximo de si? Se a resposta a estas questões for positiva, então seja mais confiante, pois ela está “definitivamente” interessada em si.

 

“Sexo na banheira de Jacuzzi!”

sexo_no_jacuzzi_3431_orig

“Durante uma festa na casa de uns amigos, tentei ter relações com o meu namorado na banheira de Jacuzzi. No inicio ele estava interessado, mas de repente ele ficou muito nervoso e não quis continuar. Porque será que ele fez isso?”

Neusa, Vila Nova de Gaia

 

Cara leitora

Os motivos para o comportamento do seu namorado podem ser os mais variados. Pode dar-se o caso dele ter ficado nervoso e com medo que alguém os apanhasse uma vez que não estavam na vossa casa mas sim na casa de amigos. Pode também dar-se o caso dele ter ficado tão excitado com a situação e ter ejaculado rápido de mais e ter vergonha de lhe dizer e dai ter optado por não continuar. Outra explicação possível é ele não ter achado muito confortável ter relações dentro de água, pois a água faz com que a mulher fique menos lubrificada o que juntamente com o cloro da água pode tornar a penetração um pouco dolorosa. A melhor forma de saber é conversar com ele sobre o assunto e perguntar!!

 

É normal gostar muito de sexo aos 40 anos?

canstockphoto4679714.jpg

 

Tenho 40 anos e gosto muito de sexo. Penso mais do que faço. Gostaria de saber se há alguma indicação ou estudo sobre a quantidade de relações por mês num casal pela minha idade. Será normal de três em três meses? Outro dia, quando estava a iniciar, durante os preliminares, quando beijava e tocava, ejaculei em poucos segundos. Terei algum problema? Fiquei de rastos, apesar da compreensão da minha mulher.
Bento Aguiar - Maia

 

Caro leitor,

De uma forma geral casais entre os 20 e 50 anos de idade têm relações sexuais em média entre 1 e 3 vezes por semana, com estudos diferentes indicando valores diferentes. É difícil determinar o que é muito ou pouco sexo entre um casal, pois cada caso é um caso, e cada casal tem a sua frequência ideal, ou seja, o que é considerado normal e satisfatório para si, pode não o ser para outro casal e vice-versa. Dessa forma, se tanto você como a sua esposa estão satisfeitos em ter relações sexuais de 3 em 3 meses, então, não existe nenhum motivo para preocupação. No entanto, uma vez que não tem relações sexuais com bastante frequência vai ter o problema da ejaculação precoce, ou seja a sua sensibilidade vai estar bastante elevada e por isso vai ejacular mais cedo do que deseja. Por isso aconselho que tente ter relações sexuais com um pouco mais de frequência se deseja resolver o problema da ejaculação precoce, ou tente masturbar-se com mais frequência, e dessa forma não vai estar tão excitado quando tiver relações com a sua esposa.

“Não sei o que a minha mulher gosta que eu faça na cama”


“A minha mulher não me diz o que gosta que eu faça na cama, por isso tenho medo de experimentar coisas novas porque não sei se ela vai gostar.”

Luís, Matosinhos

 

Caro leitor

Algumas mulheres são mais tímidas do que outras sentindo-se pouco à vontade em falar sobre sexo. Talvez a sua mulher tenha tido uma educação bastante conservadora fazendo com que ela tenha dificuldade em comunicar-lhe os seus desejos. Alguns homens têm bastante dificuldade em lidar com comentários das suas parceiras quando estes são menos positivos por isso pode dar-se o caso de ela ter receio de o magoar. Talvez ela tenha tido uma experiência no passado na qual o seu parceiro teve uma reacção negativa quando ela falou de sexo, fazendo com que ela sinta que a sua opinião não é importante, tendo receio que o leitor tenha a mesma reacção. Converse com a sua mulher e pergunte-lhe o que ela mais gosta e o que ela gostaria que fizesse diferente. Assegure-a de que ela pode falar abertamente sobre sexo e que não vai ficar chateado com o que ela lhe disser, e que fará os possíveis para realizar as suas fantasias. Verá que desta forma fortificará a vossa relação atingindo um novo grau de intimidade.

“ O meu namorado não me satisfaz!”

 

“ Namoro há um ano e há pouco mais de 3 meses iniciei a vida sexual com o meu namorado, acontece que ele não me satisfaz como eu gostava… Como hei-de fazer para que ele perceba isso sem o magoar? Apesar de ele não me satisfazer na cama eu amo-o muito!”

 

 

 

Cara Leitora:

Se não disser ao seu namorado aquilo que gosta que ele lhe faça, ele provavelmente nunca o irá perceber, e continuará na ilusão de que tem desempenhado o seu papel na perfeição. Também pode adoptar outra estratégia que é fazer-lhe a ele o que gostaria que ele lhe fizesse a si. Fazer comentários durante o acto sexual também pode resultar. Verbalize as suas preferências e reforce os comportamentos que quer que ele continue a ter dizendo-lhe o quão bem ele os faz. Faça sugestões de uma forma sedutora, não tenha medo nem receio de falar com o seu namorado acerca de sexo, mas faça-o de uma forma calma, sem lhe dar ordens ou fazendo-o sentir-se um fracasso. O diálogo aberto e sem tabus é fundamental entre um casal.

 

“ Sinto-me insatisfeita…”

 

 

“Tenho 45 anos, sou casada há 15, e ultimamente tenho-me sentido insatisfeita sexualmente. Como devo lidar com a situação?”

 

Carla, Coimbra

 

 

Cara Leitora,

Uma vez que já está com o seu marido há 15 anos pode fazer com que a vossa relação tenha caído na rotina. Reflicta um pouco para que possa averiguar o que gostaria de alterar no vosso relacionamento, e converse com o seu marido para que juntos possam delinear estratégias que devolvam alguma diversidade à vossa vida sexual. Tenha imaginação e tente descobrir, juntamente com o seu marido, novas formas de sentir prazer e de estimular a vossa imaginação, não deixe que a vossa relação caia na rotina.

 

“Ela magoa-me os testículos”

 

“A minha namorada quando está no auge da excitação aperta-me os testículos. O problema é que ela magoa-me imenso e não se apercebe disso… Tenho dores terríveis! O que devo fazer?

Luís, Leiria

 

 

Caro Leitor,

Se esse facto não é do seu agrado a melhor solução será ter uma conversa com a sua companheira no sentido de lhe mostrar o seu desagrado. O que não deve continuar a fazer é permitir que isso aconteça temendo a reacção dela e julgando que ela não irá compreendê-lo. Se não conversar com ela sobre o que se está a suceder, continuará a sentir-se mal com a situação e esse desconforto vai ensombrar a vossa relação. Além de ser algo que lhe causa mal-estar (as dores insuportáveis que referiu), também poderá originar lesões. Mostre-lhe que existem outras formas de explorarem a vossa vida sexual, bem mais agradáveis para ambos.

No entanto, se tocar nos testículos é um fetiche muito apreciado pela sua companheira, peça-lhe que o faça de forma mais cuidadosa e que ela tenha em conta que os testículos são algo bastante sensível. Durante uma relação sexual é importante que se perceba a linguagem que cada um partilha. Nesse sentido, deve haver uma forte cumplicidade entre o casal para que entendam quando estão a proporcionar sofrimento ou prazer.

“Discutimos todos os dias.”

 

“Sinceramente já não sei o que fazer, a minha esposa está sempre sem paciência e arranja sempre motivo para discutirmos. Já não sei o que fazer, mas tenho a certeza de que já não tenho paciência para isto.”

 

Filipe, Torres Novas

 

 

Caro Leitor,

Por vezes, por mais anos que passemos ao lado da pessoa que amamos, parece que os anos nunca serão suficientes para conhecermos o nosso parceiro. Se as relações fossem todas fáceis, as discussões e as incompatibilidades não fariam parte do dia-a-dia dos casais. Neste sentido, é importante que ambos adoptem um comportamento mais compreensivo e tolerante com o objectivo de evitar tantos conflitos que coloquem a relação na corda bamba. Quando a sua esposa se exalta, procure não responder de imediato, pois isso apenas servirá de rastilho para fazer surgir uma cena desagradável. Deixe-a falar tudo até ao fim e só no final faça-a entender o seu ponto de vista. Assim, quando os dois estiverem mais calmos, poderão resolver as vossas divergências, pois as discussões permanentemente não levarão a lado nenhum, senão na dissolução do casamento por saturação de tanta incompreensão. Não embarque nas discussões e tente, posteriormente, com calma chamar a sua esposa à razão.

“Ele perde a erecção sempre que pomos o preservativo!”

 

“Cada vez que eu e o meu namorado vamos ter relações sexuais, ele chega ao  momento e nunca consegue. Antes de colocarmos o preservativo ele está sempre erecto mas quando ponho o preservativo lá se vai a erecção...já é a terceira vez...será que não lhe dou excitação suficiente ou terá algum problema?”


Soraia, Coimbra

 

Cara leitora,

Não interprete as dificuldades do seu namorado como um defeito seu. A prova de que a leitora o excita muito é a de que ele tem erecção antes de tentarem a penetração. A ansiedade de lhe querer agradar e dar prazer, e outros factores que desconheço (medo de falhar, falta de experiência sexual, medo de uma gravidez indesejada, entre outras possibilidades) levam a que sinta ansiedade em vez de prazer, ao tentar a penetração e, como tal, entra num ciclo vicioso e perde a erecção.

Aconselhe-o a colocar o preservativo sozinho, fora das relações sexuais, na masturbação, para que se habitue a ele. Como a colocação requer algum cuidado pode ser isso que o está a inibir no momento da penetração, e todos os homens precisam de prática. Não deixem de utilizar um método contraceptivo, pois a ansiedade não é amiga da excitação e do prazer, pelo que essa preocupação deve estar para trás das costas.

Tente acompanhá-lo a sair desse ciclo vicioso voltando à estimulação, não o deixando sozinho nem a parar de fazer amor por não terem conseguido a penetração, voltar a tentar sem o fazer sentir-se pressionado. Seja criativa no modo de lhe mostrar que a erecção não é o mais importante para o prazer que vocês podem tirar da sexualidade um do outro.

Jogo de Máscaras: o Role Play

antifaz-de-bandido-para-adulto-foto-737353.jpg

 

A rotina é, talvez, o inimigo número um dos casais. À medida que os anos passam a novidade pode perder-se, pois cada um sabe de forma quase mecanizada aquilo de que o outro gosta e, se não houver um esforço mútuo para manter a chama do romance bem acesa, esta pode esmorecer e até apagar-se.

 

Ainda se lembra dos primeiros tempos de namoro, em que tudo era excitante e provocava "borboletas no estômago"? Uma boa forma de retomar esse fulgor inicial consiste em aderir ao "role play", uma espécie de jogo de máscaras em que cada um passa a ser, por algumas horas, uma personagem nova, pronta a seduzir o parceiro.

 

Todos nós, no mais secreto do nosso ser, alimentamos secretas fantasias sexuais. Quem nunca desejou ter uma sessão de sexo tórrido com aquele galã dos filmes, ser arrebatada por um desconhecido, conhecer um príncipe encantado dos tempos modernos ou, pelo contrário, redescobrir os caminhos do prazer ao lado de um verdadeiro vilão?

 

Quando parece que a vida de casal já não tem nada para descobrir, experimente surpreender o seu par com uma brincadeira ousada e provocante. O "role play", que em inglês significa "representar papéis", é uma brincadeira saudável que consiste em encarnar personagens para criar cenários sexualmente excitantes, revitalizando uma relação em que já nada havia de novo. Por outro lado, o facto de proporcionar um novo “segredo” partilhado pelo casal aumenta a cumplicidade e reforça os laços de união entre os dois.

 

Regras básicas:

- Não exagere, para não cair no ridículo. Pode escolher uma indumentária a rigor, mas lembre-se que o essencial é despertar desejo, não fazer com que ele se desmanche a rir ao olhar para si – embora umas boas gargalhadas sejam algo muito positivo para dinamizar a relação a dois!

 

- Encarne a personagem com seriedade, do princípio ao fim. Por mais que tenha vontade de rir ou que se sinta inibida, arrume a vergonha atrás do sofá e pense: "Não sou eu, é a personagem!" Se, contudo, em algum ponto não se sentir à vontade, descontraia, esqueça a personagem e siga simplesmente aquilo que tem vontade de fazer.

 

- Aproveite para fazer aquilo que sempre desejou, mas que nunca teve coragem de fazer. Sob esta "capa" poderá dar azo às suas fantasias mais ousadas e atrevidas, sem qualquer pudor ou tabu.