Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Clamídia e vibradores”

Resultado de imagem para vibrador

 “Fui ao médico e ele diagnosticou-me Clamídia. Já estou a fazer o tratamento que o médico prescreveu, mas como costumo usar vibradores de vez em quando surgiu-me uma dúvida: devo deitá-los fora? Posso voltar a ter uma infeção por usar vibradores “contaminados”, mesmo tendo-os lavado e desinfetado? Obrigada!”

 Gabriela, Lisboa

 

Cara leitora,

É possível que os seus vibradores, ou outro brinquedo sexual que tenha utilizado, contenham bactérias da Clamídia presentes na sua superfície, mas não precisa de os deitar fora. Tem de os limpar cuidadosamente e não deve usá-los durante pelo menos 48 horas depois de os limpar, mas a bactéria, chamada Chlamydia Trachomatis, não consegue viver muito tempo fora do corpo humano. A Clamídia transmite-se geralmente através do contacto sexual direto e da troca de fluidos sexuais, como fluidos vaginais, sémen ou líquido pré-ejaculatório, que contenham a bactéria. Através do sexo vaginal, anal ou oral, estes fluidos sexuais infetados podem entrar diretamente em contacto com membranas mucosas dentro da vagina, do reto ou da uretra e propagar a bactéria. Por esse motivo a probabilidade de a doença se propagar através de brinquedos sexuais é reduzida, embora exista esse risco, especialmente se a superfície do brinquedo sexual for algo porosa, propiciando a permanência da bactéria nela. Utilizar brinquedos sexuais entre parceiros sem os limpar também favorece o contágio. É essencial limpar bem os brinquedos sexuais antes e depois de cada uso, e também depois de cada uso entre parceiros.

 

“ A SIDA é uma doença sexualmente transmissível. Que outras doenças desse tipo existem?”

Tenho algumas dúvidas sobre as Doenças Sexualmente Transmissíveis, isto porque a que mais é divulgada é a SIDA. Quantas existem e quais são as que se manifestam com maior frequência?

 

Anabela, Barreiro

 

 

Cara leitora,

 

Efectivamente a SIDA é considerada a mais dominante de todas as DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis) no momento, como antes tinha
sido a Sífilis. Qualquer DST, quando diagnosticada e tratada em tempo útil, pode evitar o contágio a outras pessoas / parceiros, e consequentes problemasde saúde. Os sintomas das DST são, em alguns casos, difíceis de detectar e por esta razão deverá ser efectuado sempre o rastreio ao nível da saúde sexual, mesmo se não evidenciar qualquer sintoma. Se achar, por qualquer razão, que foi infectada, o melhor será dirigir-se ao médico, pois não deverá deixar uma infecção destas por tratar, correndo o risco de originar mais problemas e complicações. As DST que se verificam com maior frequência são: o HIV, que conduz à SIDA; as Verrugas Genitais, pequenos e duros inchaços que aparecem junto aos órgãos genitais; o Herpes Genital, semelhante ao cieiro habitual da boca e dos lábios; a Gonorreia que, tanto em homens como em mulheres, poderá ser evidenciada por sensação de ardor ao urinar, sendo unicamente tratada com penicilina; a Sífilis, a qual deverá ser detectada logo na fase inicial, pois poderá afectar a saúde de todo o organismo podendo até mesmo levar à morte; a Clamídia ou Uretite não específica, em que os sintomas são semelhantes aos da Gonorreia; a Tricomoníase, causada por um parasita e que provoca infecções do tracto urinário; a Pediculose Púbica que é causada por piolhos, os quais provocam uma comichão intensa na zona púbica; a Vaginite que, geralmente, é causada por uma bactéria devido à falta de higiene adequada da mulher. Como tal, deverá estar atenta a quaisquer sinais fora do normal, tanto em si como no seu parceiro, de modo a que sejam tratados na fase inicial. Claro está que a melhor técnica a adoptar será o sexo seguro, isto é, cada vez que tiver relações sexuais, o melhor caminho para a prevenção será o uso regular do preservativo.