Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

A minha mulher tem um desejo sexual insaciável

 

Estou casado há 10 anos e ultimamente a minha mulher tem tido um desejo sexual insaciável, e eu já não sei o que fazer. Será que esta tudo bem com ela?

Simão, Tavira,

 

Caro leitor,

 

A libido tanto dos homens como o das mulheres passam por várias alterações durante a vida de cada indivíduo, e pode ser afectada quer por factores internos como externos. Ou seja, pode ser afectado por factores internos tais como a como a medicação, gravidez, ou estados de doença, como por factores externos como situações do dia a dia ou estímulos visuais, auditivos ou gustativos. Tente ver o que mudou na vida da sua mulher nos últimos tempos de forma a identificar o porque desse interesse sexual mais elevado por parte dela. Entretanto vá aproveitando esse desejo desenfreado que ela sente por si.

 

 

“Devo fazer terapia sexual?”

“Tenho 46 anos, sou casado há 17, mas de há uns três anos para cá eu e a minha esposa deixámos de nos dar bem a nível sexual. Embora tivéssemos recorrido ao apoio de um
Psicólogo, continuámos com o mesmo problema. Será que consultar um especialista
em sexualidade poderá ajudar?”

Tiago, Seixal

 

Caro leitor,

Sem dúvida que sim, um sexólogo credenciado tem a formação e o treino necessário para saber lidar com qualquer tipo de problema do foro sexual. Se tem tido dificuldades a nível sexual com a sua esposa, definitivamente aconselho-o a procurar um especialista. Além disso, é bastante
importante que ambos sejam sinceros durante a terapia tanto um com o outro como
com o vosso terapeuta, e que ambos participem activamente na terapia indo às
sessões, fazendo os exercícios recomendados em casa e demonstrando empenho e
vontade de melhorar, pois apenas com o empenho de ambos verão resultados.

Fantasias sexuais

0SDhEO7NCFlCTkE-7brE8NiU_.jpg

 

Há alguns anos atrás este assunto era um tabu na nossa sociedade. Não quer dizer que muitos homens e mulheres não tivessem inúmeras fantasias sexuais, mas na verdade, estes pensamentos libidinosos eram considerados pecado e, na maior parte das vezes, jamais eram revelados e poucas vezes concretizados.

 

Hoje em dia, a mente está mais aberta a estas situações e, a verdade é que, muitas vezes, a realização destas fantasias pode salvar casamentos, que desta forma conseguem fugir à rotina.

 

A fantasia sexual é descrita como um desejo que um determinado indivíduo tem, de fazer algo diferente do habitual a nível sexual, que só de imaginar lhe dá um enorme prazer. É claro que existem algumas fantasias que são condenáveis, porém outras podem tornar a nossa intimidade cada vez mais saudável.

 

As fantasias sexuais mais comuns entre os homens revelam-se na vontade que estes têm de fazer amor com uma enfermeira, uma professora ou uma empregada doméstica.

 

No caso das mulheres, elas fantasiam com homens de farda e também com um professor, por exemplo. Os ambientes onde se possa ter uma relação sexual com alguém, são também muito fantasiados, sendo que locais perigosos, onde haja hipótese de se ser apanhado, são os mais usuais. Falamos, por exemplo, de elevadores, em piscinas ou dentro do carro.

 

Não se envergonhe de realizar as suas fantasias sexuais, desde que não se coloque em perigos reais e não prejudique ninguém.

“Sofro de ejaculação precoce, o que posso fazer?”

 

“Tenho 26 anos e sou extremamente ansioso e nervoso. Tenho constantemente ejaculações precoces o que tem dificultado a minha actividade sexual. Gostaria então de saber o que é aconselhável no meu caso. Gostaria que me indicasse onde poderei ser tratado, já que não conheço clínicas para o efeito.”
 
Pedro, Braga
 
 
Caro leitor,
não se auto-diagnostique sem consultar um especialista – isso é muito duro para si mesmo, e pode simplesmente ter dificuldades em manter a erecção tanto tempo como desejaria ou imagina ser necessário para uma relação sexual satisfatória. Seja realista na sua apreciação do tempo de ejaculação: uma relação sexual de penetração não dura tanto como se diz. Um estudo recente (da equipa de Eric Corty da Universidade de Penn State, que saiu no Journal of Sexual Medicine) refere que uma relação sexual ideal dura entre 3 e 13 minutos. Claro que se se sente insatisfeito com o tempo que dura a sua ejaculação, tem razões para procurar ajuda.
Se é uma pessoa ansiosa por natureza, tente abstrair-se de problemas, relaxar, não partir logo para a penetração mas demorar-se nas carícias, em sentir o corpo da outra pessoa e o prazer e satisfação que lhe pode oferecer, em descobrir as suas zonas erógenas preferidas…
Experimente um produto retardante em pomada, que pode ser comprado numa sex-shop, para colocar na glande e fazê-lo perder um pouco a sensibilidade peniana. Pode também colocar um preservativo e tentar a masturbação com ele, antes de o colocar na relação sexual (pode inibi-lo e assim tem tempo de treinar sozinho até se sentir à vontade).
Se estas sugestões não funcionarem, tente a técnica dos terapeutas sexuais – o squeeze – que consiste em parar a estimulação sexual e apertar a base ou freio do pénis com três dedos (polegar, indicador e dedo médio) antes da ejaculação e por 3 a 4 segundos, o que parará a ejaculação e causará uma redução da erecção. Continue a estimulação e excitação mútua para voltar a recuperar a erecção. Esta técnica deve ser repetida 3 vezes ate permitir a ejaculação. E normal que nas primeiras vezes não seja bem sucedido em conseguir parar a estimulação antes de ejacular, mas deve continuar a tentar. Demora em média 3 semanas, fazendo o exercício 3 ou 4 vezes por dia até que se notem os resultados. Esta técnica pode parecer difícil de executar, pelo que a ajuda de um técnico especializado em sexologia pode ser útil. Não deve ter medo de recuperar a erecção, como refere, pois esse medo em antecipação é que o deve estar a impedir de a recuperar. É ter tranquilidade e não ser observador da sua relação, mas estar presente a sentir todo o prazer possível. Pode ainda masturbar-se até atingir o orgasmo e a ejaculação umas horas antes da relação sexual (ou na própria relação sexual), para que na próxima penetração o tempo desta seja mais duradouro.
Apesar destas sugestões úteis, penso que deveria consultar um especialista, que lhe esclareça esta questão e lhe dê um apoio presencial, pois pode prevenir que este problema continue e o faça sentir-se cada vez pior consigo próprio e nas suas relações sexuais. Não tenha vergonha, a ejaculação precoce ou prematura é muito frequente em homens de muitas idades e tem tratamento.

“Não me apetece fazer sexo!”

“Sempre me dei bem com a minha esposa a nível sexual, mas desde que ela teve o nosso filho, há uns meses, já não tenho vontade de fazer amor com ela…”

António, Monte da Caparica

 

Caro leitor,

por melhor que seja a vida sexual de um casal, o nascimento de uma criança é sempre um período de desorganização a nível sexual. Alterações hormonais, depressão pós-parto ou cansaço são muitas vezes associados a diminuição de desejo, mas estas não são as únicas razões. Deixar de ter relações depois de ter um filho é bastante comum para vários casais. É perfeitamente seguro ter relações após o nascimento do bebé, desde que a mulher se sinta fisicamente preparada para tal. Aconselho-o a tentar criar novos cenários e fantasias, passe uns dias fora com a sua esposa…isto irá ajudá-lo a aumentar a libido.

Lubrificação e excitação

Gostaria de perceber porque é que sempre que não atinjo o orgasmo, isto é, não fico lubrificada, fico com infecção urinaria...porque será??
Paula Cristina
 
Cara Paula Cristina,
 
Vou primeiro esclarecer alguns conceitos, para não lhe dar uma informação errada. A resposta sexual humana tem várias fases: desejo, excitação, planalto, orgasmo e resolução. O desejo é a fase da vontade, do apetecer, que pode variar muito as situações em que surge. Na fase da excitação, na mulher, há um aumento do ritmo respiratório e de tensão muscular e surge a lubrificação vaginal produz-se um aumento das dimensões dos pequenos lábios e os grandes lábios ficam menos visíveis. A parte externa da vagina separa-se, o útero encolhe e a vagina torna-se maior. O clítoris aumenta de volume e fica erecto. Também os mamilos ficam erectos e produz-se um aumento de volume dos seios. Na fase seguinte, de planalto, estas mudanças fisiológicas intensificam-se. Na fase de orgasmo há uma libertação da tensão sexual acumulada e sentem-se intensas sensações de prazer. Nem todas as mulheres atingem esta fase, mesmo tendo muita excitação e prazer. Na fase de resolução, o retorno ao estado de repouso produz uma sensação de relaxamento por todo o corpo.
 
Assim, a lubrificação vaginal está associada à excitação e o orgasmo a um certo culminar da excitação. Quando não fica lubrificada, pode significar que está pouco excitada, a sua vagina está mais apertada e os lábios vaginais menos preparados para a relação sexual. Se tentar a penetração, a fricção pode magoar a mucosa vaginal, pode levar ao desenvolvimento de bactérias da urina (presentes no pénis ou na sua vagina, se não se limparem com cuidado depois de urinar) – o que facilita uma infecção urinária.
Aconselho-a a falar com o seu parceiro sobre ele se limpar cuidadosamente; utilize roupa interior de algodão e roupa pouco apertada; não use sabões vaginais agressivos, apenas de PH neutro. Antes de cada relação sexual beba água e logo depois do orgasmo, da ejaculação e da penetração, urine e lave com água os seus genitais – pode reduzir o aparecimento de infecções urinárias.
Se tem dificuldades de lubrificação, apesar de se sentir excitada, compre lubrificante artificial, em farmácias, sexshops ou supermercados e resolva esse problema.

Uma noite ardente

Beautiful-Couple--Man-and-Women--11.jpg

 

Planeie a sua noite de sedução começando pelo menos duas horas antes da chegada do seu parceiro. Prepare um menu delicioso, selecione a sua música favorita, ponha a mesa, e relaxe. Apague as luzes e acenda muitas velas. Crie uma iluminação exótica, adornando as lâmpadas com tecidos. A lareira acesa aquece as emoções no inverno, assim como uma brisa balançando as cortinas numa noite quente de verão encanta o ambiente. Prepare uma mesa elegante com um arranjo floral para criar um ambiente romântico.

 

Mas não se limite! Um sofá com almofadas macias e uma mesa baixa com um buffet de entradas afrodisíacas pode ser confortavelmente sensual. Ou, melhor ainda, salte da mesa de jantar para o quarto de dormir, preparando uma mesa revestida com pétalas de rosa na sua cama, de forma a poder explorar os prazeres da comida. Renda-se à magia dos aromas usando velas aromáticas de baunilha (relaxante), ou canela (hilariante) ou abóbora (estimulante). O cheiro da culinária também excita.

 

Alho cozinhado, pimenta, cebola, especiarias… um quarto com aromas evoca excitação sensual. O que beber com o seu menu sedutor? Pode preparar cocktails e bebidas exóticas, mas não exagere no álcool pois o álcool provoca desejo, mas prejudica o desempenho sexual.

Disfunção Erétil

De todos os problemas sexuais que os homens enfrentam, a disfunção erétil é a mais comum, e inclui vários problemas, desde a capacidade de manter a ereção por um curto período até conseguir obtê-la de todo. É muito normal que os homens passem por isto em algum período das suas vidas.

Uma das causas mais comuns da disfunção erétil é uma condição na qual embora o sangue aflua ao pénis da forma habitual durante a ereção, volta de novo para trás e o pénis fica flácido. Isto acontece devido ao sistema de bloqueio, que normalmente mantém o sangue dentro do pénis, deixar de funcionar convenientemente. Este problema pode ser ultrapassado utilizando um anel concebido medicamente que encaixa à volta da base do pénis.

Os problemas de ereção podem ter uma origem psicológica. Por exemplo, se estiver preocupado com o seu desempenho sexual, ou com sentimentos de inadequação, culpa, ou ressentimento, estes podem manifestar-se como uma incapacidade de ter ou manter a ereção. Esta forma pode ser muito fácil de diagnosticar porque será capaz de ter uma ereção por vezes, mas não com uma parceira. A terapia sexual é geralmente a melhor forma de tratamento deste problema.

 

 

Tema de hoje: masturbação

 

Boa noite Profª Helena Juergens

Tenho 23 anos e uma dúvida que me preocupa desde há 3 meses. Não sei se é um problema, mas preciso de uma explicação. Nunca tive nenhuma relação sexual, mas há cerca de 4 meses que ando a sair com uma rapariga. Sempre que estamos juntos e sempre que existem toques íntimos (carinhos, encostos, beijos, etc), involuntariamente sinto o pénis a estimular-se (erecção) por breves momentos (10/20seg) e depois volta ao normal… Quase sempre que isto acontece há uma pequena libertação de um líquido (penso que não seja esperma pois é incolor/transparente) através da uretra. Isto é muito embaraçoso para mim pois tenho receio de avançar com a relação para algo mais sério devido a esta situação.

Paulo
 
Caro Paulo,
 
A resposta sexual humana tem várias fases: desejo, excitação, planalto, orgasmo e resolução. Nas situações sexuais podemos passar por algumas ou por todas estas fases: o que descreve são situações em que se sente excitado e, como tal, é muito natural que sinta pequenas erecções e libertação de lubrificante masculino, que não é bem sémen, mas contém já alguns espermatozóides. Não há razão para se sentir preocupado nem com vergonha – a sua namorada e amiga compreenderá que a resposta sexual masculina é diferente da feminina e que na vossa sexualidade há muito a descobrir!
Experimente ter relações sexuais, levem o tempo que for necessário para se sentirem confortáveis e íntimos um com o outro, não se trata só de penetração, mas de dar e de receber prazer e consultem uma consulta de planeamento familiar antes para utilizarem um método contraceptivo adequado a vocês e não terem a preocupação das gravidezes indesejadas a invadir o vosso prazer. Se quiser utilizar preservativo, que vos protege igualmente das infecções sexualmente transmissíveis, tente usá-lo sozinho na masturbação primeiro, para que se habitue a ele e seja mais fácil a sua utilização posterior na relação sexual.

Masturbação

(Auguste Rodin)

 

Escrevo para me esclarecer uma dúvida, não é que não saiba mas parece que as coisas mudaram… Estive noutro dia numa sessão de conversa de mulheres e como é de esperar o assunto foi homens e sexo e fiquei um bocado intrigada quando todas me afirmaram que se pode engravidar com a masturbação, claro que sempre li o contrário, mas com tantas opiniões diferentes não sei o que pensar, e esta é a minha dúvida – pode-se engravidar com a masturbação?
 
Maria de Fátima
 
 
Cara Maria de Fátima,
 
Penso que todas terão razão: por um lado a masturbação não leva à gravidez, pois há carícias mútuas nos órgãos genitais, que não permitem por si só o encontro de espermatozóides com um óvulo; no entanto, por outro lado, se não houver o cuidado de evitar os contactos genitais, tal encontro pode mesmo acontecer, se o pénis tocar nos lábios vaginais (sem qualquer roupa ou outra protecção) e ejacular, os espermatozóides podem subir o canal vaginal e fecundar um óvulo, embora com menos probabilidades. Há ainda a possibilidade, de o homem se masturbar e, com a ajuda de uma seringa, se fazer a entrada do sémen no canal vaginal (para não sobrecarregar o casal com problemas de fertilidade com relações sexuais à hora marcada) e se tal for feito rapidamente os espermatozóides estão ainda vivos e com boa mobilidade. Portanto, as probabilidades de se engravidar com masturbação são pequenas, mas existem em casos especiais.