Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Dores e falta de vontade

Há 2 anos namoro com um rapaz e há 8 meses tivemos relações sexuais pela primeira vez. Correu bem e com muita cautela, fui ao medico antes, receitou-me exames e orientou-me sobre as sensações que possivelmente iria ter...
Eu já tomava anticoncepcional desde os meus 14 anos, porque a minha menstruação tem um fluxo muito forte. O meu namorado entretanto fez uma cirurgia e passamos mais de dezoito dias sem ter relações e quando o médico dele o permitiu de novo,  eu não sinto vontade nenhuma, nenhum desejo. Quando tentei forçar senti muitas dores e continuo a sentir e sinto que a minha vagina está com um odor diferente, com muito corrimento.
É normal eu sentir essa falta de interesse por ele? Gosto de ficar juntinhos, beijar abraçar, mas quando passa para a parte mais quente peço que pare e tenho vontade de chorar. Tenho medo que seja alguma infecção.
Luísa
 
Cara Luísa,
O seu caso apresenta tantas coisas que deve mesmo falar abertamente com o seu médico para melhor o esclarecer.
O facto de fazer contracepção é positivo, para ficar descansada quanto a possíveis gravidezes indesejadas, mas não a protege de contrair infecções sexualmente transmissíveis e isso pode ainda preocupá-la.
Não sei como reagiu às suas primeiras relações sexuais, se gostou, se se sentiu confortável, como ficaram depois. Não sei a causa da cirurgia do seu namorado e se pode relacionar-se com a sua falta de desejo. Também não sei se a vossa relação sofreu alguma mudança nesses dias em que não tiveram relações. Qualquer um destes factores pode influenciar o seu desejo sexual e a sua vontade de ter sexo.
Reflicta um pouco, sozinha ou acompanhada, sobre o que poderá estar a ter impacto nos seus sentimentos em relação à sexualidade.
No que toca a dores, odores e corrimento tem mesmo de fazer um diagnóstico presencial com um médico, pois pode ter desenvolvido apenas algumas bactérias vaginais (a vagina como mucosa tem uma flora vaginal que pode desequilibrar-se e dar tais sintomas), como pode ter sido infectada com uma infecção sexualmente transmissível e estar a reagir negativamente ao sexo por lhe causar dores.

Leia mais sobre desejo sexual feminino aqui: http://consultoriosexologia.blogs.sapo.pt/tag/desejo+sexual+feminino

Disfunções sexuais

 

 

 

Não existem dúvidas, o seu prazer sexual pode ser afectado por diversas disfunções sexuais , que podem causar dor ou algum sofrimento psicológico. Muitas mulheres, passam uma vida inteira a pensar que o seu desempenho na intimidade é fraco ou diferente, mas aquilo que não entendem
é que as suas respostas aos estímulos sexuais podem não ser mais melhores, simplesmente porque sofrem de um problema físico ou psicológico, que pode ser perfeitamente tratado. Vaginismo, dispareunia, anorgasmia ou desejo sexual hipoactivo são alguns dos problemas que se podem manifestar na mulher. Para resolvê-los basta que procure a resolução para eles, junto de algum terapeuta sexual ou do seu ginecologista.

Os mais usuais:

Desejo sexual hipoactivo (falta de prazer no acto sexual): Não existe ou diminui o desejo e as fantasias sexuais.

Aversão sexual (fobia no acto sexual): Existem sentimentos de repulsa pelo parceiro, na intimidade, acompanhados de alguma ansiedade e medo.

Transtorno de excitação (Frigidez): Existe uma capacidade quase permanente de manter a lubrificação vaginal até ao final do acto sexual.
A mulher tem também falta de excitação.

Anorgasmia (Inibição do orgasmo): Mesmo após um estímulo sexual adequado, a mulher pode não conseguir atingir o orgasmo.

Dispareunia: É a dor genital que a mulher sente durante um acto sexual, desde que não existam outros factores como nódulos ou infecções.

Vaginismo: Quando existe uma contracção permanente dos músculos da vagina que impedem a penetração pelo pénis.

Disfunção sexual devido a uma condição
médica:
Quando existem outras doenças, como por exemplo a Diabetes que fazem com que o desejo
sexual diminua.

Disfunção sexual induzida por substâncias: Quando existe
diminuição do desejo sexual devido à ingestão de algumas substâncias orgânicas,
como por exemplo, anti-depressivos.

Terapia hormonal

reposição hormonal.jpg

 

"Tenho 30 anos e sou saudável, mas nunca senti muito desejo sexual. Uma amiga falou-me de terapia hormonal, e eu gostaria de saber do que se trata."

Anita, Lisboa

 

Cara Leitora,

A falta de desejo sexual é bastante comum entre as mulheres, principalmente quando o stress do dia a dia se torna excessivo. Existem hormonas, como por exemplo a testosterona, que quando tomadas em forma de suplementos podem fazer aumentar o desejo sexual. A Deidropiandrosterona, uma substância química que causa o aumento de testosterona nos homens e progesterona e estrogénio nas mulheres, é por vezes receitada por médicos com o objectivo de aumentar o nível de energia e bem-estar, em ambos os sexos. Os resultados deste tipo de terapia não estão totalmente provados e ela acarreta alguns efeitos secundários, por isso um médico especializado em sexualidade será a pessoa mais indicada para decidir se este tipo de terapia é aconselhável para si.  

Relação e Desejo

Tenho 22 anos e a minha mulher 25.. Estou com minha mulher há 3 anos e há mais ou menos 1 mês, ela quis terminar comigo pois não sentia mais desejo por mim. Ainda moramos juntos e amamo-nos muito , ela disse-me isto. Não quero perdê-la. O que devo fazer para que volte a desejar-me e que voltemos a estar juntos?
Francisco
 
 
 
Caro Francisco,
 
A sua dúvida é difícil de responder. É importante que tomem a decisão de estar juntos ou de se separarem com segurança e invistam nesse caminho – a incerteza poderá afastar-vos em vez de vos unir na procura de soluções para os vossos problemas.
Os problemas do desejo sexual são muitas vezes influenciados por factores externos ao casal: problemas, cansaço, trabalho, horários desintonizados, etc… é importante que falem se alguma coisa vos está a perturbar a vontade de ter sexo.
Depois há os factores internos, como o casal se excitar com diferentes estímulos (o homem geralmente mais visuais e espontâneos e a mulher mais contextuais e de relação), sentir a vontade em diferentes momentos não compatíveis, não se encontrar “o momento certo”.
Se escolherem ficar juntos e apostar na vossa relação, tente perceber onde ela precisa mais de si: nas tarefas de casa, no romantismo, nos desabafos de trabalho…Surpreenda-a com pequenas coisas que lhe agradem: banhos de imersão de surpresa, jantares feitos por si, ofertas eróticas para experimentarem os dois…estas são algumas sugestões minhas, mas confio muito mais na sua imaginação e no facto de conhecer intimamente a sua parceira para descobrir e criar novas ideias para a vossa relação – dê largas à sua imaginação e ao seu amor!

"O stress mata o prazer?"

 
"Sou um homem ainda jovem, tenho 39 anos e sou um comercial bem sucedido. Sempre tive mulheres à minha volta, porque sou charmoso, mas cada vez tenho maiores dificuldades a nível de desempenho sexual. Estou preocupado, e quero saber se a razão para este problema será o stress em que vivo…”
Jaime
 
 
Caro Leitor,
O estilo de vida acelerado em que se vive hoje em dia despoleta nos indivíduos diversas reacções, entre as quais, constrangimentos no que diz respeito ao seu desempenho sexual. De modo a verificar as causas que justificam a mudança gradual do seu desempenho sexual, deverá recorrer à ajuda de um urologista para que possa saber os seus níveis de testosterona. Caso os níveis estejam normais, possivelmente, essa sua dificuldade em ter uma vida sexual saudável e activa deve-se a um problema de ordem psicológica. No seu caso, o facto de ter uma vida social bastante agitada pode contribuir para essa incapacidade. No entanto, é muito importante que consulte o seu médico assistente para que passe de hipóteses a causas concretas para essa dificuldade no desempenho sexual que o leva a pensar na possibilidade de ficar impotente. Caso não sejam encontradas quaisquer razões físicas para isso, trata-se de um problema psicológico causado pelo stress ou ansiedade que o afectam fisicamente. Tente levar um estilo de vida mais moderado, pois neste momento o stress com certeza não é o seu melhor aliado.
 

Será que ela é frígida?

 

“Tenho notado que a minha esposa inventa cada vez mais desculpas para não fazermos amor. A verdade é que somos casados há já seis anos e nunca tivemos uma vida sexual muito activa, por isso gostaria de saber se ela sofre de frigidez.
César, Coimbra
 
Caro Leitor,
É normal que o desejo sexual da mulher diminua devido a diversas condicionantes físicas e psicológicas, por exemplo o nascimento de filhos, o stress causado pelo trabalho ou a entrada na menopausa. A frigidez é uma disfunção sexual que afecta as mulheres, fazendo com não sintam prazer durante o acto sexual e, consequentemente, não consigam atingir o orgasmo. Em termos práticos, tanto as mulheres que sofrem de frigidez como as que sofrem de falta de desejo sexual raramente procuram o parceiro, e quando este as procura a tendência é para rejeitá-lo. Esta situação causa constrangimentos e tensão no ambiente familiar, pois o facto de a esposa não estar muito receptiva a participar do acto sexual muitas vezes pode gerar incompreensão por parte do marido. Aconselho a que fale abertamente com a sua esposa, pois através do diálogo e da compreensão esta situação pode ser ultrapassada.

“Ele não faz amor comigo!”

“Tenho 45 anos e o meu marido 50. Há 5 anos que me esforço para seduzir o meu marido para fazer amor, mas ele esquiva-se sempre. Portanto, há 5 anos que sofro com esta rejeição, e já não sei o que fazer. Que me aconselha e o que tem para me dizer?

Susana, Guimaraes

 

Cara leitora,

De facto algo se passa, pois esse não é o comportamento “típico” de um homem de 50 anos. Algumas questões que deve colocar são as seguintes: houve alguma mudança na vossa relação há 5 anos atrás? Algum problema de saúde ou deficiência? Infidelidade? Problemas conjugais? Abuso de bebida ou drogas? Alguma medicação nova? Depressão? Algum stress na vossa vida? Todos estes fatores podem influenciar o desejo sexual de um indivíduo. Sem saber mais a respeito do seu marido e da sua relação é difícil determinar a causa do comportamento do seu marido. Uma vez que a leitora gostaria de compreender o porquê da sua situação aconselho que tenha uma conversa franca com o seu marido e que tente descobrir o que está por detrás do seu comportamento. Se achar apropriado, consulte um psicólogo de casais para que este vos possa ajudar a comunicar melhor, pois apenas assim vão melhorar a situação.

 

Apetite sexual

 

Tenho 18 anos e já iniciei a minha vida sexual há algum tempo com o meu parceiro. O que se passa é que não tenho apetite sexual. Ele por vezes queixa-se, mas eu não tenho culpa de não me apetecer. Gostaria de saber se algo de errado se passa comigo, uma vez que ainda sou muito nova. Agradeço que a publicação desta mensagem seja feita sem qualquer nome identificativo.

 

 

Cara leitora,

é ainda bastante jovem e por isso está ainda numa fase de descoberta sexual. Aconselho que converse com o seu parceiro e que em conjunto explorem com mais calma e atenção todas as suas áreas erógenas. Dessa forma tanto a leitora como o seu namorado vão descobrir o que lhe dá prazer, o que vai ajudar a aumentar o seu desejo sexual. Aconselho também que a leitora experimente a masturbação em privado, e que depois partilhe com o seu namorado o que aprendeu.

“Não sou capaz de chegar ao orgasmo…”

 

 “Tenho 21 anos e desde os 16 que iniciei a minha vida sexual. Já tive 3 parceiros e actualmente estou com o mesmo parceiro há mais de 5 anos.

O que acontece é que nunca consegui atingir o orgasmo, primeiro pensámos que era por ainda ser inexperiente, mas passado tanto tempo e de tentarmos tantas posições, contactos, e novas maneiras de prazer, confesso que estou muito preocupada, uma vez que quando estou quase a atingir o orgasmo, sinto uma dor que me dá vontade de parar, e essa situação acaba por me frustrar a mim e ao meu marido, já não sei o que fazer...”


Ana, Matosinhos

 

Cara leitora,

 

É importante saber se conseguiu atingir o orgasmo com outros parceiros antes do seu actual. E sozinha, na masturbação? Não tenha vergonha de descobrir como prefere a estimulação na sua intimidade pessoal – tal é essencial para a descobrir numa relação íntima posteriormente. Apenas neste sentido a experiência é importante: o orgasmo feminino é aprendido, encenado num contexto de erotismo e romantismo, muitas vezes diferente do masculino.

Não tenha vergonha de pedir ao seu parceiro para a ajudar nesta encenação: faça jantares à luz da vela, banhos de imersão com aromas de que goste, conversas apaixonadas sobre o vosso amor…qualquer coisa que a estimule a sentir-se à vontade, apaixonada e liberta de preconceitos com a sua sexualidade.

As experiências que fez (de posições, contactos, etc.) podem falhar o objectivo do orgasmo por estar a pensar demasiado nele. A atenção focada no que está a acontecer pode influenciar que a sua resposta sexual seja interrompida e desviada do prazer, para focar essa preocupação de não estar a sentir a satisfação do orgasmo. Isto é um ciclo vicioso que deve tentar contrariar através de pensamentos positivos, fantasias sexuais que lhe agradem, pensar no prazer do que está a sentir sem racionalizar demasiado. Este ciclo é ainda reforçado pela ansiedade de antecipação e pela frustração que vos afasta depois do sexo, em vez de se aproximarem.

Note bem que a maioria das mulheres atinge o orgasmo mais facilmente com outras estimulações sexuais, sem penetração vaginal. As carícias no clítoris, o sexo oral, a masturbação recíproca são modos que pode explorar na sua relação e que têm bons resultados.

A terapia sexual pode ser adequada para si e o seu parceiro, poderão explorar mais sugestões que vos agradem e evoluir juntos na descoberta da vossa sexualidade.

 

O desejo normal do casal

Eu estou com a minha parceira há 10 anos  e tínhamos uma vida sexual activa. Nos últimos 3 anos mudou tudo e é raro termos sexo, já lhe perguntei a razão e diz que é só cansaço. Esta situação é normal?
 
Rogério
 
Caro Rogério,
 
O cansaço influencia realmente a sexualidade, no geral, e o desejo, no particular. Algumas pessoas conseguem lidar com o cansaço de forma a que o casal funcione harmoniosamente a nível sexual, apesar de o sentirem e diminuírem o seu desejo espontâneo, aquele que “surge do nada”. Para outras é mais difícil contrariar os pedidos da fadiga de descanso, pouca actividade ou conversa. Não posso dizer-lhe se é ou não normal, pois tudo depende de cada pessoa e de cada casal – os números da frequência das relações sexuais variam muito em cada pessoa e ao longo do tempo. Têm os dois de encontrar o meio-termo que vos satisfaz melhor, que vos deixa próximos e felizes na vossa relação.
Há uma coisa que pode fazer para ajudar a sua namorada: se vivem juntos, pode oferecer-se para partilhar tarefas em casa, que costumam fazer o “segundo emprego” das mulheres, que até nem sabem pedir ajuda aos parceiros para ficarem menos “cansadas”.
Por vezes não é só o cansaço que leva à redução do desejo de ter relações sexuais, mas outros problemas e preocupações, no trabalho, na família, na própria relação, por exemplo, que deixam a sua marca na sexualidade e no prazer.
Tente conversa com a sua namorada, perceber o que a preocupa e como a pode ajudar. Mostre-lhe tranquilamente como é importante para si ter relações sexuais mais frequentes e encontrem entre vós actividades que vos dêem prazer, independentemente do sexo: tomar banhos de imersão juntos, ir ao cinema, jantares românticos, passeios de fim-de-semana – verá que esta partilha de tempo de qualidade pode aumentar o desejo da sua parceira.
Se perdurar a falta de desejo sexual podem consultar ainda um especialista em sexologia, que vos ajude mais especificamente no tratamento desta dificuldade.