Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“O que é a Terapia Hormonal?”

 

“Sou uma mulher de 32 anos sexualmente activa. Embora ame o meu namorado, a verdade é que nunca senti muito desejo sexual, com qualquer dos parceiros que já tive. Através de pesquisas feitas na Internet descobri que existe um tratamento chamado terapia hormonal, e gostaria de saber melhor do que se trata.
Vânia, Sesimbra
 
Cara Leitora,
A falta de desejo sexual é bastante comum entre as mulheres, principalmente quando o stress do dia-a-dia se torna excessivo. Existem hormonas, como por exemplo a testosterona, que quando tomadas em forma de suplementos podem fazer aumentar o desejo sexual. A Deidropiandrosterona, uma substância química que causa o aumento de testosterona nos homens e progesterona e estrogénio nas mulheres, é por vezes receitada por médicos com o objectivo de aumentar o nível de energia e bem-estar, em ambos os sexos. Os resultados deste tipo de terapia não estão totalmente provados e ela acarreta alguns efeitos secundários, por isso uma consulta pessoal com um médico especializado em sexualidade será o mais indicado para decidir se este tipo de terapia é aconselhável para si.  
 

“Quais são as consequências da andropausa?”

 

“Desde que fiz 55 anos que já noto algumas diferenças no que respeita à minha vida sexual. Sei que estou a entrar na andropausa mas preocupa-me que efeitos esta nova fase virá a ter na minha vida sexual.”
Jerónimo
 
 
Caro Leitor,
A andropausa ou climatério masculino pode causar a diminuição dos testículos e a redução da produção das hormonas masculinas, a testosterona, bem como a falta de desejo sexual. Com a entrada na andropausa o homem pode ficar mais susceptível a ter problemas de erecção, falta de apetite sexual, diminuição da massa muscular, alterações de humor e doenças cardiovasculares. Esta é mais uma das etapas pelas quais os homens passam naturalmente, assim, o melhor que tem a fazer é procurar encarar esta situação da melhor maneira possível. É inevitável que note algumas alterações físicas e comportamentais relacionadas com a Andropausa, mas de modo a certificar-se que realmente já entrou nesta fase pode realizar testes de sangue para que possa verificar o índice de testosterona. 
 

“Não quero ficar impotente!”

 

“Tenho tido algumas dificuldades em manter a erecção quando estou a fazer amor com a minha mulher. Estamos casados há 20 anos, será por isso?”

 

António, Santarém

 

Caro Leitor,

A dificuldade em manter a erecção por si só não significa que esteja a ficar impotente. As explicações para que tal aconteça podem ter origem em vários factores, sendo os mais frequentes o cansaço, o stress, a monotonia, problemas de saúde como os de coração ou diabetes, e os efeitos secundários de medicamentos. Aconselho-o a consultar um médico para determinar a causa da dificuldade em ter erecções. Não faça do sucedido um bicho-de-sete-cabeças, peça o apoio da sua esposa nesta fase difícil da sua vida. É também normal que, passados alguns anos de casados, as coisas comecem a esfriar resultando em falta de desejo sexual, o que faz com que a erecção não aconteça. Deste modo, cabe a si e à sua esposa fazer os possíveis para que o sexo não deixe de ser novidade. Como deve calcular, com o avançar da idade poderá tornar-se mais difícil para si ter uma erecção, mas isso não é regra geral sinónimo de impotência. 

“A diabetes influencia a sexualidade?”

 

 

 

 

 

 

 

 

“Tenho 49 anos e sou diabética, e como tal tomo medicação bastante rígida prescrita pelo médico. Gostava de saber se a doença pode condicionar a minha sexualidade, pois já ouvi falar em algumas coisas a esse respeito que me deixaram alarmada.”

Luísa, Fátima

 

Cara Leitora,

Estudos feitos têm demonstrado que algumas mulheres com diabetes têm tendência a ter certas dificuldades no que respeita ao seu desempenho sexual. Os problemas mais diagnosticados são: diminuição do desejo sexual, redução da lubrificação vaginal e dor durante a penetração sexual.

Porém, se considera que o facto de ter diabetes e de ter uma medicação rígida de alguma forma pode condicionar a sua vida sexual, é importante que fale com o seu médico assistente ou solicite a ajuda dos membros da sua equipa de aconselhamento da diabetes para que juntos possam encontrar alternativas para ultrapassar esta questão. Muitas medicações para a diabetes têm como efeito secundário a redução da libido que é responsável pelo desejo sexual. Mas tenha em consideração que cada pessoa é um caso e a diabetes tem diferentes repercussões de pessoa para pessoa. Não encare a doença como um entrave à sua vida sexual. Tente ter uma postura mais descontraída e se necessário peça ajuda ou uma orientação médica.

 

 

“O apetite sexual aumenta com a menstruação?”

 

“Tenho reparado que nos dias em que estou com o período sinto maior vontade de fazer amor. Será que existe uma explicação científica para isto, ou é apenas impressão minha?"

 

Mariana, Castelo Branco

 

Cara leitora,

 

Ocorrem várias alterações hormonais no corpo da mulher durante o mês. Cada mulher tem um ciclo de desejo sexual diferente. O facto de sentir maior vontade de fazer amor durante a menstruação é frequente nas mulheres, isto porque durante essa fase não existe o risco de uma gravidez indesejada, o que faz aumentar a libido de muitas mulheres. Se não lhe incomoda fazer amor durante esse período nem a si nem ao seu companheiro, aproveite e dê largas à imaginação. Contudo, devem tomar as devidas precauções, usando sempre um preservativo, pois apesar de as probabilidades de uma gravidez serem muito pequenas, mais vale prevenir do que remediar.

 

 

 

“Gostaria de saber o que são afrodisíacos.”

“Eu e os meus amigos por vezes falamos de sexo, e eles falam muito sobre afrodisíacos. Como não sei bem o que são, fico calado e não comento nada. Será que me pode explicar o que são e para que servem os afrodisíacos?”

Márcio, Lousada

Caro leitor,

Os afrodisíacos são um dos elementos mais utilizados para estimular a vida sexual ou para despertar o interesse sexual. Estes são agentes químicos ou naturais que impulsionam o desejo sexual. Dentro dos afrodisíacos podem incluir-se alimentos e cheiros e o seu objectivo é estimular o apetite sexual, manter ou prolongar a excitação. Em termos alimentares a aparência, o gosto e as cores dos alimentos são indispensáveis para produzir o efeito desejado. Dentro dos alimentos considerados afrodisíacos encontram-se os morangos, o pepino, a pimenta, a canela, as ostras e também o álcool se ingerido em pequenas doses, visto que é um desinibidor de comportamentos. Alguns aromas provocados por incensos, velas, perfumes ou loções, tais como o cheiro da abóbora ou do mentol, também exercem uma grande influência no estímulo do apetite sexual. Existem do mesmo modo agentes químicos, prescritos por especialistas, que despertam e intensificam a vida sexual, estimulando a erecção. Porém, neste último caso é importante ter em conta os efeitos secundários quer ao nível cardíaco quer ao nível da erecção dolorosa e prolongada sem qualquer estímulo sexual.

 

Estou a atravessar a menopausa e o sexo é doloroso

1394127412254.jpg

 

"Tenho 45 anos e estou casada há 20. A nossa vida sexual sempre foi satisfatória, mas desde que entrei na menopausa sinto menos apetite sexual, e quando tenho relações com o meu marido sofro muito com as dores. É normal?"

Teresa - Viana do Castelo

 

Cara leitora,

O que está a sentir é algo bastante comum. Durante a menopausa o seu corpo passa por várias alterações hormonais que podem causar redução do desejo sexual e da lubrificação vaginal, daí o motivo do seu desconforto. Sugiro-lhe que consulte o seu ginecologista para averiguar melhor o seu caso e ter a certeza de que tudo está bem a nível físico. Depois consulte um endocrinologista que seja especializado em questões relacionadas com a menopausa, pois hoje em dia existem vários tratamentos para reduzir os seus efeitos. Mas se se decidir por algum tratamento informe-se muito bem dos efeitos secundários da medicação antes de tomar qualquer decisão. Entretanto use lubrificante durante as relações sexuais para evitar o desconforto.

Disfunções sexuais

 

 

 

Não existem dúvidas, o seu prazer sexual pode ser afectado por diversas disfunções sexuais , que podem causar dor ou algum sofrimento psicológico. Muitas mulheres, passam uma vida inteira a pensar que o seu desempenho na intimidade é fraco ou diferente, mas aquilo que não entendem
é que as suas respostas aos estímulos sexuais podem não ser mais melhores, simplesmente porque sofrem de um problema físico ou psicológico, que pode ser perfeitamente tratado. Vaginismo, dispareunia, anorgasmia ou desejo sexual hipoactivo são alguns dos problemas que se podem manifestar na mulher. Para resolvê-los basta que procure a resolução para eles, junto de algum terapeuta sexual ou do seu ginecologista.

Os mais usuais:

Desejo sexual hipoactivo (falta de prazer no acto sexual): Não existe ou diminui o desejo e as fantasias sexuais.

Aversão sexual (fobia no acto sexual): Existem sentimentos de repulsa pelo parceiro, na intimidade, acompanhados de alguma ansiedade e medo.

Transtorno de excitação (Frigidez): Existe uma capacidade quase permanente de manter a lubrificação vaginal até ao final do acto sexual.
A mulher tem também falta de excitação.

Anorgasmia (Inibição do orgasmo): Mesmo após um estímulo sexual adequado, a mulher pode não conseguir atingir o orgasmo.

Dispareunia: É a dor genital que a mulher sente durante um acto sexual, desde que não existam outros factores como nódulos ou infecções.

Vaginismo: Quando existe uma contracção permanente dos músculos da vagina que impedem a penetração pelo pénis.

Disfunção sexual devido a uma condição
médica:
Quando existem outras doenças, como por exemplo a Diabetes que fazem com que o desejo
sexual diminua.

Disfunção sexual induzida por substâncias: Quando existe
diminuição do desejo sexual devido à ingestão de algumas substâncias orgânicas,
como por exemplo, anti-depressivos.

“O meu marido tem erecção todas as manhãs!”

 

 

Casei há dois meses, e o meu marido acorda com uma erecção todas as manhãs mesmo depois de termos tido relações sexuais na noite anterior. Será que isso significa que ele aida está excitado?”

Suzana, Coimbra

 

Cara leitora,

Muitos homens têm erecção matinal devido ao contacto com os cobertores ou devido à pressão na área genital resultante de terem a bexiga cheia. Muitos homens e mulheres acreditam que só porque o homem tem uma erecção significa que ele está excitado e quer ter relações sexuais, mas a realidade não é bem assim. O homem pode ter uma erecção mesmo sem estar sujeito a qualquer tipo de estímulo sexual e sem o intuito de ter relações. Por isso, o facto do seu marido acordar todos os dias com uma erecção não significa, obrigatoriamente, que ele queira ter relações mas sim que ele precisa de urinar. No entanto, existem pessoas que preferem ter relações de manhã devido a sentirem-se mais descansadas e com mais energia. Observe o comportamento do seu marido e veja o que ele faz. Se ele a procurar com mais frequência de manhã significa que prefere ter relações a essa hora, mas por opção pessoal e não porque tem de ter relações só porque acordou com uma erecção!

Fantasias Sexuais

 

Todas as pessoas têm fantasias sexuais, sejam elas de que tipo forem. Quando somos transportados para o mundo da fantasia, tudo é possível e não existe qualquer tipo de regras
ou responsabilidades, apenas satisfazemos todos os nossos desejos, sem que
ninguém nos acuse. As fantasias são situações idealizadas que temos liberdade
de inventar e que, na realidade, são quase sempre impraticáveis ou difíceis de
atingir. No entanto, os efeitos que elas provocam no nosso pensamento é estrondoso e a nossa vida sexual fica ao rubro. Existe uma ligação directa entre as fantasias sexuais e o aumento do desejo, ou seja, a Libido. Quantas mais fantasias sexuais tiver maior será o seu desejo de as ver realizadas. É, por assim dizer, um acessório sexual que, além de ser muito eficaz, não tem custos adicionais, os
pensamentos são seus e não existem regras. Deste modo, a maioria dos indivíduos tem uma fantasia sexual que lhes garante a satisfação sexual, isto é, o atingir do orgasmo, seja ele por relação sexual com o parceiro ou por masturbação. Por onde quer que os seus pensamentos voem, um dos seus destinos é, quase sempre, um lugar onde possa dar asas a um sexo escaldante.