Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Relação e Desejo

Tenho 22 anos e a minha mulher 25.. Estou com minha mulher há 3 anos e há mais ou menos 1 mês, ela quis terminar comigo pois não sentia mais desejo por mim. Ainda moramos juntos e amamo-nos muito , ela disse-me isto. Não quero perdê-la. O que devo fazer para que volte a desejar-me e que voltemos a estar juntos?
Francisco
 
 
 
Caro Francisco,
 
A sua dúvida é difícil de responder. É importante que tomem a decisão de estar juntos ou de se separarem com segurança e invistam nesse caminho – a incerteza poderá afastar-vos em vez de vos unir na procura de soluções para os vossos problemas.
Os problemas do desejo sexual são muitas vezes influenciados por factores externos ao casal: problemas, cansaço, trabalho, horários desintonizados, etc… é importante que falem se alguma coisa vos está a perturbar a vontade de ter sexo.
Depois há os factores internos, como o casal se excitar com diferentes estímulos (o homem geralmente mais visuais e espontâneos e a mulher mais contextuais e de relação), sentir a vontade em diferentes momentos não compatíveis, não se encontrar “o momento certo”.
Se escolherem ficar juntos e apostar na vossa relação, tente perceber onde ela precisa mais de si: nas tarefas de casa, no romantismo, nos desabafos de trabalho…Surpreenda-a com pequenas coisas que lhe agradem: banhos de imersão de surpresa, jantares feitos por si, ofertas eróticas para experimentarem os dois…estas são algumas sugestões minhas, mas confio muito mais na sua imaginação e no facto de conhecer intimamente a sua parceira para descobrir e criar novas ideias para a vossa relação – dê largas à sua imaginação e ao seu amor!

"O stress mata o prazer?"

 
"Sou um homem ainda jovem, tenho 39 anos e sou um comercial bem sucedido. Sempre tive mulheres à minha volta, porque sou charmoso, mas cada vez tenho maiores dificuldades a nível de desempenho sexual. Estou preocupado, e quero saber se a razão para este problema será o stress em que vivo…”
Jaime
 
 
Caro Leitor,
O estilo de vida acelerado em que se vive hoje em dia despoleta nos indivíduos diversas reacções, entre as quais, constrangimentos no que diz respeito ao seu desempenho sexual. De modo a verificar as causas que justificam a mudança gradual do seu desempenho sexual, deverá recorrer à ajuda de um urologista para que possa saber os seus níveis de testosterona. Caso os níveis estejam normais, possivelmente, essa sua dificuldade em ter uma vida sexual saudável e activa deve-se a um problema de ordem psicológica. No seu caso, o facto de ter uma vida social bastante agitada pode contribuir para essa incapacidade. No entanto, é muito importante que consulte o seu médico assistente para que passe de hipóteses a causas concretas para essa dificuldade no desempenho sexual que o leva a pensar na possibilidade de ficar impotente. Caso não sejam encontradas quaisquer razões físicas para isso, trata-se de um problema psicológico causado pelo stress ou ansiedade que o afectam fisicamente. Tente levar um estilo de vida mais moderado, pois neste momento o stress com certeza não é o seu melhor aliado.
 

Será que ela é frígida?

 

“Tenho notado que a minha esposa inventa cada vez mais desculpas para não fazermos amor. A verdade é que somos casados há já seis anos e nunca tivemos uma vida sexual muito activa, por isso gostaria de saber se ela sofre de frigidez.
César, Coimbra
 
Caro Leitor,
É normal que o desejo sexual da mulher diminua devido a diversas condicionantes físicas e psicológicas, por exemplo o nascimento de filhos, o stress causado pelo trabalho ou a entrada na menopausa. A frigidez é uma disfunção sexual que afecta as mulheres, fazendo com não sintam prazer durante o acto sexual e, consequentemente, não consigam atingir o orgasmo. Em termos práticos, tanto as mulheres que sofrem de frigidez como as que sofrem de falta de desejo sexual raramente procuram o parceiro, e quando este as procura a tendência é para rejeitá-lo. Esta situação causa constrangimentos e tensão no ambiente familiar, pois o facto de a esposa não estar muito receptiva a participar do acto sexual muitas vezes pode gerar incompreensão por parte do marido. Aconselho a que fale abertamente com a sua esposa, pois através do diálogo e da compreensão esta situação pode ser ultrapassada.

“Ele não faz amor comigo!”

“Tenho 45 anos e o meu marido 50. Há 5 anos que me esforço para seduzir o meu marido para fazer amor, mas ele esquiva-se sempre. Portanto, há 5 anos que sofro com esta rejeição, e já não sei o que fazer. Que me aconselha e o que tem para me dizer?

Susana, Guimaraes

 

Cara leitora,

De facto algo se passa, pois esse não é o comportamento “típico” de um homem de 50 anos. Algumas questões que deve colocar são as seguintes: houve alguma mudança na vossa relação há 5 anos atrás? Algum problema de saúde ou deficiência? Infidelidade? Problemas conjugais? Abuso de bebida ou drogas? Alguma medicação nova? Depressão? Algum stress na vossa vida? Todos estes fatores podem influenciar o desejo sexual de um indivíduo. Sem saber mais a respeito do seu marido e da sua relação é difícil determinar a causa do comportamento do seu marido. Uma vez que a leitora gostaria de compreender o porquê da sua situação aconselho que tenha uma conversa franca com o seu marido e que tente descobrir o que está por detrás do seu comportamento. Se achar apropriado, consulte um psicólogo de casais para que este vos possa ajudar a comunicar melhor, pois apenas assim vão melhorar a situação.

 

Apetite sexual

 

Tenho 18 anos e já iniciei a minha vida sexual há algum tempo com o meu parceiro. O que se passa é que não tenho apetite sexual. Ele por vezes queixa-se, mas eu não tenho culpa de não me apetecer. Gostaria de saber se algo de errado se passa comigo, uma vez que ainda sou muito nova. Agradeço que a publicação desta mensagem seja feita sem qualquer nome identificativo.

 

 

Cara leitora,

é ainda bastante jovem e por isso está ainda numa fase de descoberta sexual. Aconselho que converse com o seu parceiro e que em conjunto explorem com mais calma e atenção todas as suas áreas erógenas. Dessa forma tanto a leitora como o seu namorado vão descobrir o que lhe dá prazer, o que vai ajudar a aumentar o seu desejo sexual. Aconselho também que a leitora experimente a masturbação em privado, e que depois partilhe com o seu namorado o que aprendeu.

“Não sou capaz de chegar ao orgasmo…”

 

 “Tenho 21 anos e desde os 16 que iniciei a minha vida sexual. Já tive 3 parceiros e actualmente estou com o mesmo parceiro há mais de 5 anos.

O que acontece é que nunca consegui atingir o orgasmo, primeiro pensámos que era por ainda ser inexperiente, mas passado tanto tempo e de tentarmos tantas posições, contactos, e novas maneiras de prazer, confesso que estou muito preocupada, uma vez que quando estou quase a atingir o orgasmo, sinto uma dor que me dá vontade de parar, e essa situação acaba por me frustrar a mim e ao meu marido, já não sei o que fazer...”


Ana, Matosinhos

 

Cara leitora,

 

É importante saber se conseguiu atingir o orgasmo com outros parceiros antes do seu actual. E sozinha, na masturbação? Não tenha vergonha de descobrir como prefere a estimulação na sua intimidade pessoal – tal é essencial para a descobrir numa relação íntima posteriormente. Apenas neste sentido a experiência é importante: o orgasmo feminino é aprendido, encenado num contexto de erotismo e romantismo, muitas vezes diferente do masculino.

Não tenha vergonha de pedir ao seu parceiro para a ajudar nesta encenação: faça jantares à luz da vela, banhos de imersão com aromas de que goste, conversas apaixonadas sobre o vosso amor…qualquer coisa que a estimule a sentir-se à vontade, apaixonada e liberta de preconceitos com a sua sexualidade.

As experiências que fez (de posições, contactos, etc.) podem falhar o objectivo do orgasmo por estar a pensar demasiado nele. A atenção focada no que está a acontecer pode influenciar que a sua resposta sexual seja interrompida e desviada do prazer, para focar essa preocupação de não estar a sentir a satisfação do orgasmo. Isto é um ciclo vicioso que deve tentar contrariar através de pensamentos positivos, fantasias sexuais que lhe agradem, pensar no prazer do que está a sentir sem racionalizar demasiado. Este ciclo é ainda reforçado pela ansiedade de antecipação e pela frustração que vos afasta depois do sexo, em vez de se aproximarem.

Note bem que a maioria das mulheres atinge o orgasmo mais facilmente com outras estimulações sexuais, sem penetração vaginal. As carícias no clítoris, o sexo oral, a masturbação recíproca são modos que pode explorar na sua relação e que têm bons resultados.

A terapia sexual pode ser adequada para si e o seu parceiro, poderão explorar mais sugestões que vos agradem e evoluir juntos na descoberta da vossa sexualidade.

 

O desejo normal do casal

Eu estou com a minha parceira há 10 anos  e tínhamos uma vida sexual activa. Nos últimos 3 anos mudou tudo e é raro termos sexo, já lhe perguntei a razão e diz que é só cansaço. Esta situação é normal?
 
Rogério
 
Caro Rogério,
 
O cansaço influencia realmente a sexualidade, no geral, e o desejo, no particular. Algumas pessoas conseguem lidar com o cansaço de forma a que o casal funcione harmoniosamente a nível sexual, apesar de o sentirem e diminuírem o seu desejo espontâneo, aquele que “surge do nada”. Para outras é mais difícil contrariar os pedidos da fadiga de descanso, pouca actividade ou conversa. Não posso dizer-lhe se é ou não normal, pois tudo depende de cada pessoa e de cada casal – os números da frequência das relações sexuais variam muito em cada pessoa e ao longo do tempo. Têm os dois de encontrar o meio-termo que vos satisfaz melhor, que vos deixa próximos e felizes na vossa relação.
Há uma coisa que pode fazer para ajudar a sua namorada: se vivem juntos, pode oferecer-se para partilhar tarefas em casa, que costumam fazer o “segundo emprego” das mulheres, que até nem sabem pedir ajuda aos parceiros para ficarem menos “cansadas”.
Por vezes não é só o cansaço que leva à redução do desejo de ter relações sexuais, mas outros problemas e preocupações, no trabalho, na família, na própria relação, por exemplo, que deixam a sua marca na sexualidade e no prazer.
Tente conversa com a sua namorada, perceber o que a preocupa e como a pode ajudar. Mostre-lhe tranquilamente como é importante para si ter relações sexuais mais frequentes e encontrem entre vós actividades que vos dêem prazer, independentemente do sexo: tomar banhos de imersão juntos, ir ao cinema, jantares românticos, passeios de fim-de-semana – verá que esta partilha de tempo de qualidade pode aumentar o desejo da sua parceira.
Se perdurar a falta de desejo sexual podem consultar ainda um especialista em sexologia, que vos ajude mais especificamente no tratamento desta dificuldade.

Dores e falta de vontade

Há 2 anos namoro com um rapaz e há 8 meses tivemos relações sexuais pela primeira vez. Correu bem e com muita cautela, fui ao medico antes, receitou-me exames e orientou-me sobre as sensações que possivelmente iria ter...
Eu já tomava anticoncepcional desde os meus 14 anos, porque a minha menstruação tem um fluxo muito forte. O meu namorado entretanto fez uma cirurgia e passamos mais de dezoito dias sem ter relações e quando o médico dele o permitiu de novo,  eu não sinto vontade nenhuma, nenhum desejo. Quando tentei forçar senti muitas dores e continuo a sentir e sinto que a minha vagina está com um odor diferente, com muito corrimento.
É normal eu sentir essa falta de interesse por ele? Gosto de ficar juntinhos, beijar abraçar, mas quando passa para a parte mais quente peço que pare e tenho vontade de chorar. Tenho medo que seja alguma infecção.
Luísa
 
Cara Luísa,
O seu caso apresenta tantas coisas que deve mesmo falar abertamente com o seu médico para melhor o esclarecer.
O facto de fazer contracepção é positivo, para ficar descansada quanto a possíveis gravidezes indesejadas, mas não a protege de contrair infecções sexualmente transmissíveis e isso pode ainda preocupá-la.
Não sei como reagiu às suas primeiras relações sexuais, se gostou, se se sentiu confortável, como ficaram depois. Não sei a causa da cirurgia do seu namorado e se pode relacionar-se com a sua falta de desejo. Também não sei se a vossa relação sofreu alguma mudança nesses dias em que não tiveram relações. Qualquer um destes factores pode influenciar o seu desejo sexual e a sua vontade de ter sexo.
Reflicta um pouco, sozinha ou acompanhada, sobre o que poderá estar a ter impacto nos seus sentimentos em relação à sexualidade.
No que toca a dores, odores e corrimento tem mesmo de fazer um diagnóstico presencial com um médico, pois pode ter desenvolvido apenas algumas bactérias vaginais (a vagina como mucosa tem uma flora vaginal que pode desequilibrar-se e dar tais sintomas), como pode ter sido infectada com uma infecção sexualmente transmissível e estar a reagir negativamente ao sexo por lhe causar dores.

Leia mais sobre desejo sexual feminino aqui: http://consultoriosexologia.blogs.sapo.pt/tag/desejo+sexual+feminino

“Os anti-depressivos acabam com o prazer?”

 

 

“Tenho 38 anos e embora a minha vida sexual sempre tenha sido boa noto algumas alterações ultimamente que me estão a deixar preocupada. Passei por uma depressão há pouco tempo e como ainda estou a tomar anti-depressivos gostava de saber se são eles os responsáveis pela diminuição do prazer que sinto.”

 

Cátia, Lisboa

 


 

Cara Leitora,

 

Alguns anti-depressivos, bem como medicamentos para a redução da ansiedade, têm como efeito secundário a diminuição do interesse sexual e dificuldade em atingir o orgasmo. Medicamentos como o Prozac ou Zoloft são notórios neste âmbito. O anti-depressivo que está no mercado e que tem tido menos efeitos secundários a nível sexual e o Welbutrim. É bem provável que pelo facto de estar a ser medicada com anti-depressivos o seu desempenho sexual tenha sido afectado. Converse com o seu médico a respeito do que tem sentido, e se achar necessário peça que lhe receite outro anti-depressivo que tenha menos efeitos secundários, ou que altere a dose da medicação que está a tomar.

 

“Não tenho vontade de fazer amor…”

 
“Estou casada há já alguns anos e o meu apetite sexual tem vindo a diminuir drasticamente. Às vezes penso que é por trabalhar demais e chegar a casa cansada.”
 
Manuela, Lisboa
Cara Leitora,
 
A diminuição do apetite sexual é bastante comum entre casais após alguns anos de casamento. Existem três factores que contribuem para este fenómeno, sendo estes a fadiga, monotonia, e a toma de medicamentos. O cansaço resultante de um estilo de vida acelerado, em que os casais têm de gerir trabalho, filho, e romance, pode causar diminuição do desejo sexual tanto em homens como em mulheres. A monotonia a nível sexual também causa diminuição do desejo sexual, uma vez que passados alguns anos de relacionamento a relação sexual não traz nada de novo. Outro factor que causa diminuição do desejo sexual é o consumo de medicamentos tais como antidepressivos ou ansiolíticos. Para tentar mudar esta situação que tanto a está a preocupar, o melhor será evitar alguns factores como o stress, o consumo de tabaco e bebidas alcoólicas, verificar a medicação que está a tomar, praticar exercício físico, e tentar diversificar as vossas práticas sexuais para quebrar a rotina.