Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Gostaria que o meu namorado me algemasse à cama”

Tenho um fetiche recorrente e gostaria de o experimentar com o meu namorado. Queria que ele me algemasse à cama durante a relação sexual. Como fazer para lhe dizer?

Sara – Alfragide

 

Cara Leitora,

Realmente este assunto é bastante delicado e um pouco difícil de ser abordado, mas a melhor forma de conseguir realizar a sua fantasia será conversar com o seu namorado sobre esta questão. Considera-se este tipo de jogos como fazendo parte do chamado Sadismo, no qual a pessoa que controla tem prazer através do sofrimento do outro, embora o Sadismo faça parte integrante das relações humanas mais elementares e seja vivido consoante os
preconceitos de cada indivíduo. Nos jogos Sadomasoquistas, de acordo mútuo, a cada sádico corresponde uma vítima, o masoquista, e é necessário existir por parte de ambos um acordo. É necessário que tenham atenção aos instrumentos utilizados, para que os actos não provoquem dor. Como tal, em vez de utilizar as algemas que poderão provocar ferimentos, usem gravatas ou lenços em que os nós sejam fáceis de desapertar, se por qualquer razão for necessário. Deve responder de forma calma e serena a todas as dúvidas que ele lhe colocar, e se por qualquer motivo ele não aceitar, seja compreensiva e tente entender as suas razões. Terão ambos que acordar para que, assim que um de vós se sinta desconfortável, o jogo termine, de modo a que não provoque qualquer tipo de dor.

 

“Disse-me que o maior desejo dele era fazer sexo em grupo!”

“Pensava que tinha uma vida sexual bastante satisfatória com o meu namorado, mas há pouco tempo ele confessou que o que mais gostaria de fazer a nível sexual seria ter relações em grupo. Sinceramente não tenho grande vontade de lhe satisfazer o desejo, mas não quero perdê-lo.”

 

Carla, Paços de
Ferreira

Cara leitora,

A prática de sexo em grupo é uma das fantasias mais comuns no mundo masculino. Segundo alguns teóricos, através desta prática o homem consegue mais facilmente provar a sua masculinidade, a sua virilidade e o seu poder. Mas pelo que me dá a entender, a leitora não se encontra muito receptiva a ceder ao pedido do seu namorado. Porém, isto é algo que deve ser debatido entre o casal, pois apenas devem fazer aquilo que ambos têm vontade de fazer. A sexualidade não deve ser vista como algo obrigatório, antes pelo contrário, deve ser algo vivido através da cumplicidade. Esta prática geralmente não é tão empolgante ou excitante quanto os indivíduos inicialmente imaginam que seja, e pode causar bastantes conflitos a nível do relacionamento do casal, pois os ciúmes e desconfiança após o acto sexual são bastante comuns e podem destruir uma relação a pouco e pouco. Converse de uma forma objectiva com o seu namorado, mostre-lhe que respeita as suas fantasias mas peça-lhe também que respeite a sua vontade. Para que tudo dê certo na vida a dois é necessário respeito, compreensão e tolerância. Não ceda a nada que não deseja fazer, apenas com a intenção de não perder quem ama. Se ele também gosta de si, então certamente respeitará a sua vontade.

“O Swing é seguro?”

“Tenho 36 anos e estou casado há quatro. Sempre fui feliz com a minha companheira, ambos gostamos de experimentar, a nível sexual, tudo o que nos passa pela cabeça. Agora estou indeciso em aderir ao Swing, talvez por desconhecimento ou receio. Já ouvi falar nesse tipo de prática e estou muito curioso, mas preocupa-me o facto de não saber ser é seguro, não só a nível de saúde, como também para a relação. Será que não vai por em risco o relacionamento?”

 

Alexandre, Odivelas

 

Caro Leitor,

 

O swing ou troca de casais obedece a inúmeras regras estabelecidas desde o início da relação por todos os intervenientes. Existem bares e clubes exclusivamente para conhecimento de parceiros de swing, havendo no entanto os riscos inerentes a qualquer relação sexual com parceiros que não se conhecem bem. Assim, é importante fazer sexo seguro e procurar conhecer bem o casal com quem se vão relacionar. O swinger encara a sexualidade desprovida de preconceitos, havendo uma libertação de tabus, e as fantasias ganham vida com outros casais, aceitando que o parceiro tenha relações sexuais com outras pessoas. Há um envolvimento físico e nunca deve tornar-se sentimental. Os swingers encaram o casamento como um partilhar em pleno de uma vida a dois, valorizando a fidelidade emocional em detrimento da física. Por isso, o que tem de perceber e discutir com a sua parceira é o que pretendem enquanto casal. A introdução desta nova prática sexual na vida do casal pode provocar profundas mudanças na forma de viver a vossa relação de casal e a vossa sexualidade. Procure, em conjunto com a sua parceira, ponderar os prós e os contras na adesão a esta prática, equacionando o que será melhor e mais proveitoso para ambos.

“Desejo que a minha namorada me domine!”

 

 

 
 
“Namoro há um ano e sempre quis que a minha namorada me dominasse na cama. Gostaria que ela fosse mais agressiva, mas não sei como pedir-lhe que faça isso, tenho medo que ela me ache depravado.”2011-09-13
 
Miguel, Seixal
 
Caro leitor
Não existe mal algum em gostar de ser dominado quando faz amor com a sua namorada desde que a prática seja inofensiva. Existem milhares de homens e mulheres que partilham da sua preferência, o que pode até ser o caso da sua namorada. Pessoas que optam pela prática sexual sadomasoquista estabelecem regras bem claras para que nenhum dos intervenientes se magoe. Qualquer prática sadomasoquista deve ser consensual, segura, e deve ser terminada assim que um dos intervenientes o deseje. Seja ousado e provoque a sua namorada, leve um lenço de seda para a cama e peça que ela lhe vende os olhos, ou lhe ate as mãos enquanto fazem amor. Fale durante o acto sexual e diga à sua namorada como quer que o toque, isso pode ser bastante excitante para ambos. Dessa forma com certeza que ela vai realizar os seus desejos.
 
 
Tire todas as suas dúvidas em sexologia@sapo.pt

“Ela gosta de usar a minha roupa interior suja!”

“Namoro há uns anos e só recentemente descobrir que quando não estou em casa a minha namorada usa a minha roupa interior já usada. Será que há algum problema com ela?...”

 

 

Caro leitor:

Talvez a sua namorada tenha algum fetiche de usar a roupa intima do namorado. Se for esse o caso não há problema nenhum desde que tomem as devidas medidas de higiene. Como sabe o odores sexuais são fortes afrodisíacos, dai a grande atracão que despertam. Se esta atitude o incomoda partilhe os seus sentimentos com a sua namorada, seja franco.

 

“Ela quer fazer um ménage à trois!”

 

“(…)Namoro há três anos e sempre tive uma vida sexual bastante activa e divertida. Ultimamente tenho-me surpreendido com a vontade da minha namorada em fazermos amor com mais um homem. ”

Diogo, Santiago do Cacém

 

Caro leitor,

Existem inúmeras práticas sexuais que podem trazer novidade para a vida sexual do casal, sendo o sexo a três uma delas. Pelo que parece a sua namorada quer expandir as vossas práticas sexuais mas o leitor não está perfeitamente à vontade para arriscar no tipo de aventuras sexuais sugeridas pela sua namorada. Converse com ela pois ninguém deve participar em práticas sexuais com as quais não concorda ou que o façam sentir-se desconfortável. É importante que, em conjunto com a sua parceira, explore outras perspectivas que sejam de comum acordo, para que nenhum dos dois
fique constrangido com as escolhas que fizerem. É relevante que respeitem o espaço e a vontade de cada um, pois fazer o que quer que seja para agradar ao parceiro não é a melhor solução para uma vida a dois. Seja sincero, converse com a sua namorada e explique-lhe que não se sente bem ao ter de partilhar os seus momentos de intimidade com uma outra pessoa. Pondo a vossa imaginação a funcionar podem surpreender-se um ao outro e viver momentos bastante proveitosos para ambos. 

 

Delírios e fantasias

s&m.jpg

 

Experimente vestir a pele de uma dominatrix por um dia, por uma semana, por um mês ou de vez em quando. Sem entrar em brincadeiras demasiado extremas, surpreenda o seu par com uma personagem assertiva, dominadora, com uma presença forte e que não o deixa escapar. No mais íntimo do seu ser, quase todos os homens sonham ver-se à mercê de uma mulher que os subjuga ao seu domínio entre lençóis.

 

* Crie a sua personagem

Vista-se a rigor: um corpete de látex, um top bem justo com um decote extrageneroso, umas leggings coladas às pernas, uma microssaia de cabedal. Conjugue a roupa com botas altas ou com sapatos de salto agulha e com acessórios que emitam poder, com correntes de metal. A sua maquilhagem deve ser também carregada, com bastante eyeliner e lábios bem vermelhos, ou pretos. Tudo em si deve causar sensação.

 

* Use e abuse dos acessórios

Recorra ao uso de algemas, chicotes, uma régua, ou qualquer outro objeto que tenha à mão. O objetivo é dominar e disciplinar o seu "submisso". Não deve magoá-lo efetivamente, mas deve usar e abusar do seu poder sobre ele. Jogue com ele, provoque-o para o excitar e proíba-o de ter prazer logo a seguir.

 

* A chefe manda

Passe a tarde toda, o dia inteiro, ou o tempo que quiser a dar-lhe ordens. Estabeleça com ele um sistema de troca: se te portares bem e fizeres isto, recebes istose te portares mal, estás proibido de… ou serás castigado através de… Lembra-se de quando era criança e brincava aos adultos, e fingia que dava ordens aos seus "empregados"? Jogue o mesmo jogo, mas agora a sério, e com um condimento muito mais picante!

 

Retrato de uma dominatrix:

- Seja firme e assertiva: as suas ordens são para ser cumpridas.

- Tenha uma presença forte e que cause impacto no submisso: quem manda é você.

- Pratique desporto com regularidade e faça uma alimentação saudável: precisará de ter força, em alguns casos, para exercer maior controlo sobre o submisso.

- Castigue sempre qualquer transgressão a uma regra que impôs: é seu dever obrigar o submisso a obedecer.

- Não ceda nem vacile perante as súplicas do submisso: nesta relação, quem sabe o que é melhor para o submisso é você, e a não ser que ele invoque a palavra de segurança, previamente definida, você não pode nem vai parar.

- O tom da sua voz e os seus gestos devem transmitir firmeza e deixar claro que não pode ser desobedecida.

- Escolha vestuário e calçado que contribua para criar uma imagem de força e imponência: o seu submisso deverá estremecer perante a sua presença.

- Seja "malvada": termine sempre antes de o submisso estar satisfeito. Dessa forma, deixá-lo-á sempre sedento por mais.

- Respeite o seu submisso, preocupe-se em providenciar o seu bem-estar e assegure-se que se alimenta bem e que descansa o suficiente para melhor a servir.

"O que é a Hipnose sexual?"

"Descobri em pesquisas feitas na Internet que existe uma prática chamada hipnose sexual, e que muitas pessoas a têm como uma espécie de fetiche. Pode explicar-me de que se trata? Como é que eu e o meu marido a podemos experimentar?"

 

Eduarda, Beja

Cara leitora,

A hipnose erótica utiliza as práticas da hipnose para fins sensuais ou sexuais. Ao contrário da hipnoterapia, que usa a hipnose num contexto terapêutico, para ajudar o paciente, a hipnose erótica visa estimular o prazer, sendo recreativa e não terapêutica. A hipnoterapia ou hipnose clínica pode, contudo, ser utilizada para tratar disfunções sexuais, por exemplo, com ótimos resultados. Esta técnica induz o paciente a uma espécie de estado de transe, relaxado, mais descontraído, mas no qual o livre arbítrio se mantém. Quando é levada a cabo por um terapeuta especializado é muito eficaz no tratamento, ajudando a eliminar hábitos nocivos e a vencer receios, entre outras coisas. A hipnose erótica, que nunca deve ser feita por alguém que não seja especializado e exige confiança total na pessoa com quem é feita, ajuda a libertar-se de inibições, sedo por isso apreciada por algumas pessoas. Através dela, a pessoa torna-se mais desinibida, aumenta a sua sensualidade e capacidade de sentir excitação, correspondendo ainda à fantasia de estar "submetido" à vontade do outro, num contexto de jogo de casal. Um terapeuta sexual pode acompanhar o vosso caso específico e avaliar se pode ou não fazê-lo com o seu marido. Em sites e fóruns de grupos associados a fetiches poderá, também, conhecer outros casais que pratiquem a hipnose erótica e que possam orientá-los. Lembre-se sempre que nunca nada deve ser feito contra a sua vontade.

“Ele quer tirar fotos de mim nua”

fantasia

 

O meu namorado faz muitas viagens de negócios, e ultimamente ele tem-me pedido para tirar fotos de mim nua para levar quando for viajar durante uns meses. Será que este comportamento é normal?…”

 

Cristina, Lagos

 

Cara leitora,

É natural e até positivo que ele queira levar recordações de si quando vai de viagem, pois dessa forma não vai recorrer a outros tipos de fantasias. Se se sente à vontade para deixar que lhe tirem fotos despida, vá em frente, mas antes de decidir, avalie o quão sólida é a vossa relação e o quanto confia no seu namorado, pois hoje em dia as fotos podem facilmente acabar por ir parar a uma página do Facebook, onde o mundo inteiro as pode ver. Pondere bem, pois um dia esta sua relação poderá acabar e estas fotos poderão vir a comprometê-la. 

“Ela tem um fetiche e quer que eu a penetre quando está vestida!”

A minha namorada um dia lembrou-se de termos relações sexuais vestidos. O problema é que agora ela só quer que eu a penetre quando estamos vestidos, e não quer ter relações de mais forma nenhuma.”

José, Linda-Velha

 

Caro leitor,

Fantasias e variedade a nível sexual são geralmente algo positivo. No entanto, por vezes é difícil perceber quando certos comportamentos deixam de ser fantasia e começam a ser um fetiche, sem o qual o homem ou a mulher não se conseguem excitar, o que parece ser o caso da sua namorada. Tentem atingir um entendimento em que os dois possam desfrutar das maravilhas do sexo, por isso, fale com a sua namorada acerca deste assunto, e tentem chegar a um meio-termo, talvez fazer amor vestidos apenas algumas vezes em vez de sempre, podendo dessa forma também realizar algumas das suas fantasias.