Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Posso ter relações sexuais com o meu marido sem prejudicar o meu bebé?”

Tenho 29 anos e estou grávida de 10 semanas. Gostaria de saber se posso ter relações sexuais, pois sinto imensa vontade e não consigo imaginar passar tantos meses sem ter sexo! É seguro para mim e para o bebé? Quais as posições mais indicadas?

Cátia, Vila Real

 

Cara leitora,

Se a sua gravidez está a decorrer dentro da normalidade, ou seja, se não está a ter quaisquer problemas de saúde que possam colocar em risco o feto, então não deve haver qualquer problema em ter relações sexuais com o seu marido. No entanto, recomendo que tenha relações sexuais de forma mais cuidadosa e sem grandes acrobacias, e que consulte o seu obstetra para ter a certeza que não há quaisquer objecções a que tenha uma vida sexual activa. Quanto a posições, por agora, pode ter relações sexuais na maioria das posições uma vez que a sua barriga não está ainda muito grande; quando a sua barriga começar a crescer, então deve ter mais cuidado e escolher posições que sejam mais confortáveis para si, tais como ficar deitada de lado. Se em qualquer altura sentir dores fortes páre imediatamente e consulte um médico se esse desconforto persistir durante algum tempo.

Pílula e Preservativo

Tenho uma pequena dúvida relacionada com gravidez. Eu faço contracepção e o meu namorado usa quase sempre preservativo. Acabei a caixa da pílula no domingo e a minha menstruação costuma vir na quarta feira seguinte e dura 4 a 5 dias.

Mas uma colega minha engravidou e disse que a sua menstruação veio normalmente ate ao 4º mês.Tenho medo de engravidar ou até mesmo de estar grávida... Será possível continuar a menstruar normalmente e estar grávida?
 

 

Alexia

 

Cara Alexia,
 
Como toma anticoncepcional e utiliza preservativo NÃO tem razões para se preocupar. Tem de fazer as tomas cuidadosamente: à mesma hora diariamente, não tomar medicamentos sem confirmar se interferem com a pílula, se vomitar ou tiver diarreias use sempre o preservativo. Reveja a colocação correcta do preservativo (http://consultoriosexologia.blogs.sapo.pt/tag/coloca%C3%A7%C3%A3o+correcta+preservativo) e não se preocupe demasiado com a gravidez indesejada, pois tal irá prejudicar o seu prazer com a sua sexualidade.
Em resposta à sua questão: é possível ter ligeiras perdas de sangue e já estar grávida, mas é muito raro e haverá outros sintomas da gravidez que a alertarão para a possibilidade de gravidez (seios sensíveis, apetite alterado, sono); por isso não deve dar demasiada importância a tal.
Repare que para calcular o seu período fértil não importa quantos dias tem de menstruação, mas sim o primeiro dia, para saber quantos dias dura é o seu ciclo. Anote durante uns meses num calendário ou numa agenda e faça as contas de quando será o seu intervalo fértil. Neste site pode fazer facilmente as contas: www.sexualidades.com
Poderá utilizar sempre preservativo nesses dias, para ficar mais segura. A protecção dupla (contracepção hormonal e preservativo) é extremamente eficaz e deve deixá-la segura e livre para sentir o prazer.

“Faz mal ter relações sexuais na gravidez?”

 

 “Tenho 31 anos e sou muito feliz com o meu marido. Sempre quisemos ter um filho e há um mês descobri que estou grávida. Deixei de ter sexo com o meu marido, porque tenho medo que as relações sexuais prejudiquem o bebé ou a gravidez. Estou a fazer bem?”

Susana, Mafra

 

Cara leitora:

Ter relações sexuais em si não prejudica a gravidez, mas é necessário ter alguns cuidados e evitar determinadas posições que a farão sentir desconfortável, dado que o seu corpo irá sofrer alterações. Fale abertamente com o seu marido sobre o que lhe agrada, e descubram juntos as posições mais confortáveis para fazer amor. Sabia que algumas mulheres sentem maior desejo sexual durante a gravidez, porque o acréscimo de hormonas provoca um aumento da libido? Não faça nada que a incomode, sendo também aconselhável consultar o seu obstetra se alguma coisa a fizer sentir desconfortável durante as relações sexuais.

 

 

 

Periodo fértil

Após o fim da minha menstruação, um dia depois, fiz amor com o meu namorado e não usámos preservativo. Gostaria de saber as hipóteses de estar grávida, já que li um artigo em que dizia que os espermatozóides sobrevivem 3 dias no corpo da mulher...e que poderá haver já um óvulo por fecundar nessa altura... eu sei que não é o período fértil e que a ovulação só se inicia 15 dias depois do inicio do período, mas fiquei na duvida, porque já li que as hipóteses são muito poucas ou quase nulas e também que há hipóteses...
Posso estar grávida? Eu não estou a tomar a pílula agora e por isso preocupo-me, mas vou voltar a tomar.
Soraia
 
Cara Soraia,
 
A probabilidade de estar grávida é pequena, mas existe. Deve começar o quanto antes a tomar a pílula para evitar esta preocupação constante, que a afasta de sentir o prazer das relações sexuais.
A ovulação surge 15 dias depois do primeiro dia de menstruação, em ciclos menstruais de 30 dias, o que pode não ser o seu caso. Os espermatozóides podem sobreviver dentro da mulher entre 3 a 5 dias, dependendo do homem, mas não é fácil saber tais pormenores sobre o seu namorado. Durante alguns meses, anote num pequeno calendário ou numa agenda o primeiro dia de cada ciclo para compreender melhor o seu caso particular. Veja neste site em que intervalo é o seu período fértil: www.sexualidades.com
Marque rapidamente uma consulta de planeamento familiar ou num ginecologista para fazer uma contracepção adequada e aproveitar as relações sexuais e a sua relação. Se até lá não tiver o período, sentir os seios sensíveis, o sono alterado e excessivo, enjoos ou ânsias de vomitar (os enjoos podem ocorrer não apenas de manhã mas o dia inteiro, e podem ser agravados pela ingestão de determinados alimentos), tonturas e dores de cabeça que apesar de serem menos comuns podem também acontecer e são normais, faça um teste de gravidez comprado numa farmácia.

Posso ser infértil?

Há relativamente 6 meses, em consulta ginecológica de rotina, através de ecografia endovaginal, o meu médico descobriu um quisto no útero, disse que não seria nada de grave, mas fica sempre algum receio, principalmente no que diz respeito a saber se poderá influenciar uma gravidez ou não. Há algum tempo que não tomo a pílula. Mas não engravido. Será que o facto de não tomar a pílula pode agravar o quisto? Posso ser infértil?

 

Cátia Dias

 

Cara Cátia,

 

A existência de quistos pode sempre causar problemas na concepção, tanto ao nível da implantação do embrião no útero como em permitir que os espermatozóides cheguem ao óvulo. Uma vez que tem tentado engravidar sem sucesso, aconselho que consulte novamente um médico, talvez um médico diferente para que possa ter uma segunda opinião.

Boa Sorte!

 

“O líquido pré-ejaculatório engravida?”

“Às vezes faço amor com o meu namorado sem preservativo, e ele tira o pénis antes de ejacular para evitar uma gravidez. No entanto, já por algumas vezes aconteceu reparar num líquido que o pénis dele liberta antes da ejaculação, e tenho medo que possa engravidar por causa dele. Isso pode acontecer?”

 

Carina, Braga

 

Cara leitora,

Embora não seja provável, existe a possibilidade de engravidar pelo líquido pré-ejaculatório. Este líquido em si não contém esperma, mas pode haver restos de esperma que tenha ficado da ejaculação anterior e que seja expelido com este líquido. Este líquido pré-ejaculatório é um fluido alcalino libertado por glândulas existentes no topo da uretra, por baixo da próstata, e tem como função proteger o esperma que passa pela uretra durante a ejaculação. Depois da ejaculação pode haver resíduos de esperma na uretra, por onde o sémen circula, e quando se pratica sexo sem proteção, mesmo no líquido pré-ejaculatório pode haver alguns destes resíduos, que podem fertilizar o óvulo mesmo que o coito seja interrompido. Assim, e até pela necessidade de se protegerem contra infeções, devem usar sempre preservativo.

“Estou grávida e tenho mais desejo”

“Desde que fiquei grávida que tenho mais vontade de ter relações sexuais. A vontade é tanta que me sinta estranha e até com vergonha… O que se passa comigo?”

 

Sara, Estremoz

Cara Leitora,

 

É comum no universo feminino algumas mulheres apresentarem um maior interesse pela vida sexual durante o segundo trimestre da gravidez. Assim sendo, viva esta nova fase com naturalidade e sem preocupações. Deixe as coisas fluírem e faça, a nível sexual o que desejar, pois a penetração apenas deverá ser cessada caso ocorram hemorragias uterinas, dores vaginais ou abdominais.

Procure estar relaxada e não deixe que o preconceito interfira na forma como deseja viver a sua vida sexual. Manter a sexualidade ativa é bastante saudável e recomenda-se. Transmita esta ideia ao seu marido, pois para muitos homens existe sempre o medo de magoar o bebé, o que não é verdade. Caso considere necessário converse abertamente com o médico que a está a acompanhar.

Masturbação

(Auguste Rodin)

 

Escrevo para me esclarecer uma dúvida, não é que não saiba mas parece que as coisas mudaram… Estive noutro dia numa sessão de conversa de mulheres e como é de esperar o assunto foi homens e sexo e fiquei um bocado intrigada quando todas me afirmaram que se pode engravidar com a masturbação, claro que sempre li o contrário, mas com tantas opiniões diferentes não sei o que pensar, e esta é a minha dúvida – pode-se engravidar com a masturbação?
 
Maria de Fátima
 
 
Cara Maria de Fátima,
 
Penso que todas terão razão: por um lado a masturbação não leva à gravidez, pois há carícias mútuas nos órgãos genitais, que não permitem por si só o encontro de espermatozóides com um óvulo; no entanto, por outro lado, se não houver o cuidado de evitar os contactos genitais, tal encontro pode mesmo acontecer, se o pénis tocar nos lábios vaginais (sem qualquer roupa ou outra protecção) e ejacular, os espermatozóides podem subir o canal vaginal e fecundar um óvulo, embora com menos probabilidades. Há ainda a possibilidade, de o homem se masturbar e, com a ajuda de uma seringa, se fazer a entrada do sémen no canal vaginal (para não sobrecarregar o casal com problemas de fertilidade com relações sexuais à hora marcada) e se tal for feito rapidamente os espermatozóides estão ainda vivos e com boa mobilidade. Portanto, as probabilidades de se engravidar com masturbação são pequenas, mas existem em casos especiais.

“Serei infértil?”

“Sou casado e temos tentado engravidar mas nao conseguimos, por isso eu gostaria de fazer um teste de infertilidade masculina, mas não sei como fazê-lo. ”
Simão, Fundão
Caro Leitor,
A infertilidade masculina resultar do facto de o homem não ejacular, não produzir a quantidade necessária de espermatozóides quando ejacula, ou de os espermatozóides não se movimentarem da forma adequada para que se dê a penetração do óvulo. O exame que é feito com maior regularidade para testar a infertilidade masculina é o chamado espermograma, onde o objectivo principal é analisar o sémen. Através deste exame é possível medir a quantidade, a mobilidade e o formato dos espermatozóides, contudo deve ser complementado por outros exames. Porém, o teste não deve ser feito apenas por um membro do casal, é importante que ambos façam os testes necessários de modo a averiguar de onde podem advir os problemas.
 

“Sexo na gravidez!?”

 

 

“Estou grávida de 5 meses e desde que soubemos que eu estou grávida temos evitado fazer amor. O médico diz que não faz mal, mas nós temos receio.”
 
Teresa, Portimão
 
 
Cara Leitora,
 
Pelo que parece já tiveram um parecer médico que não colocou qualquer entrave às relações sexuais, por isso tranquilize-se. Se a gravidez estiver a decorrer dentro da normalidade não existe qualquer problema em ter relações sexuais. Obviamente, o acto sexual deve ser interrompido caso ocorram perdas de sangue, dores abdominais ou outros sintomas e aí devem solicitar de imediato a intervenção médica. Tanto o leitor como a sua esposa devem agir com tranquilidade e se as dúvidas persistirem não hesitem em conversar com o vosso médico assistente. O facto de estar grávida não quer dizer que não possa viver a sua sexualidade de forma plena e satisfatória.