Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“O preservativo protege contra o herpes genital?”

 

 
“Tenho uma dúvida que me tem deixado inquieta. O meu namorado teve herpes genital há dois meses. Evitámos durante esse período ter relações sexuais. Todavia, houve uma vez em que não resistimos e fizemos amor, mas utilizámos o preservativo. É possível transmitir o vírus mesmo usando o preservativo?
Carla, Sesimbra
 
 
 
Cara leitora,
 
O herpes genital é uma das doenças sexualmente transmissíveis mais comuns e é causada por um vírus. Embora a probabilidade de a sua transmissão usando o preservativo ser reduzida, o contágio do parceiro não está fora de questão, porque durante o contacto sexual (vaginal, anal ou oral) as áreas que se encontram desprotegidas estarão em contacto directo com a pele de ambos. Todavia, para que seja possível a transmissão é necessário que o vírus esteja activo. Os sintomas mais salientes são bolhas, ardor, comichão e dor. É importante ter em conta que este vírus pode voltar a reaparecer no corpo do seu portador, uma vez que o herpes não tem uma cura definitiva. Assim, é essencial ter bastante cuidado na coordenação da vida sexual e seguir escrupulosamente as indicações médicas de forma a salvaguardar o bem-estar de quem é portador do vírus e a integridade física do parceiro. Como curiosidade, informo-a que as mulheres são mais susceptíveis a este tipo de doenças.

“Terei herpes genital?”

 

Há algum tempo que tenho uma vermelhidão e sinto ardor no pénis. Será que tenho Herpes Genital?"

Alexandre, Coimbra

 

Caro leitor,

É possível que se trate de Herpes Genital, pois esta doença causa os sintomas que descreve. Herpes provoca também febre e dor muscular, principalmente na primeira vez que se manifesta. Ao contrário de outras doenças transmitidas sexualmente a Herpes não tem cura, podendo o aparecimento de sintomas ser controlado através de medicação, mas o vírus permanece para sempre no organismo. Por isso é fundamental que use um preservativo “sempre” que tiver relações sexuais, caso contrário contagiará a sua parceira ou parceiro. É melhor consultar o seu médico o mais rápido possível para ter certeza do que se trata.

 

Tenho Herpes Genital e não sei se posso ter relações sexuais novamente

“Tenho 26 anos e uma vida sexual activa. No entanto, recentemente comecei a ter sintomas estranhos e fui ao médico, que me diagnosticou herpes genital. Estou com receio de contagiar uma parceira, apesar de não ter namorada envolvo-me regularmente com raparigas que conheço. Tendo herpes genital posso ter relações sexuais novamente? Agradeço que me esclareça pois não me imagino a viver sem ter relações sexuais.”

 

Paulo, Vila Franca de Xira

 

Caro leitor,

O facto de ter contraído o vírus da Herpes Genital é uma situação bastante desconfortável, mas não faz com que a sua vida sexual tenha chegado ao fim. Compreendo que não seja fácil falar com outras pessoas a respeito deste problema, e muito menos com uma possível parceira, mas é essencial que o faça para preservar a saúde das pessoas com quem se envolve a nível sexual e a sua própria saúde. Existem alguns cuidados que deve ter assim que decida recomeçar a sua vida sexual. Deve utilizar sempre um preservativo, mesmo com uma parceira que conheça bem, pois dessa forma diminui as probabilidades de passar o vírus. É também muito importante que cesse qualquer tipo de contacto sexual assim que note que tem feridas, pois é nesse período que você está mais contagioso. O médico pode (se ainda não o fez) prescrever-lhe medicação que lhe permita reduzir a frequência de incidência do vírus, diminuindo as probabilidades de contágio. Desde que tenha em atenção estes cuidados, não há nada que o impeça de ter uma vida sexual activa e normal.

“Será que mesmo com o uso do preservativo se transmite o herpes genital?”

“Tive herpes genital há algum tempo e comecei um novo relacionamento agora, e não queria que o meu companheiro contraísse herpes. Será que é suficiente o uso do preservativo?”

Alexandra, Vila Nova de Mil Fontes

Cara leitora,

O herpes genital é uma das doenças sexualmente transmissíveis mais conhecidas e é causada por um vírus. Embora a probabilidade da sua transmissão com o uso do preservativo seja mais reduzida do que na ausência do preservativo, o contágio do parceiro não está fora de questão. Isto deve-se ao facto de que durante o contacto sexual, seja este vaginal, anal ou oral, as áreas que se encontram desprotegidas estarão em contacto directo com a pele de ambos. Contudo, para que seja possível a transmissão do vírus do herpes é necessário que o vírus esteja activo. Os sintomas mais evidentes são o surgimento de bolhas, ardor, comichão e dor. É importante ressaltar que este vírus pode reaparecer no corpo do seu portador, uma vez que o herpes não tem uma cura definitiva. Assim, é essencial ter bastante cuidado na coordenação da vida sexual e seguir escrupulosamente as indicações do seu médico ginecologista de forma a salvaguardar o bem-estar de quem é portador do vírus e a integridade física do parceiro.

“O Herpes genital transmite-se mesmo com preservativo?”


 

“Tenho uma dúvida que me tem deixado inquieta. O meu namorado teve herpes genital há dois meses. Evitámos durante esse período ter relações sexuais. Todavia, houve uma vez em que não resistimos e fizemos amor, mas utilizámos o preservativo. É possível transmitir o vírus mesmo usando o preservativo?

 

Carla, Sesimbra

 

 

 

Cara leitora,

O herpes genital é uma das doenças sexualmente transmissíveis mais comuns e é causada por um vírus. Embora a probabilidade de a sua transmissão usando o preservativo ser reduzida, o contágio do parceiro não está fora de questão, porque durante o contacto sexual (vaginal, anal ou oral) as áreas que se encontram desprotegidas estarão em contacto directo com a pele de ambos. Todavia, para que seja possível a transmissão é necessário que o vírus esteja activo. Os sintomas mais salientes são bolhas, ardor, comichão e dor. É importante ter em conta que este vírus pode voltar a reaparecer no corpo do seu portador, uma vez que o herpes não tem uma cura definitiva. Assim, é essencial ter bastante cuidado na coordenação da vida sexual e seguir escrupulosamente as indicações médicas de forma a salvaguardar o bem-estar de quem é portador do vírus e a integridade física do parceiro. Como curiosidade, informo-a que as mulheres são mais susceptíveis a este tipo de doenças.

 

“O Herpes genital transmite-se mesmo com preservativo?”

 

 “Tenho uma dúvida que me tem deixado inquieta. O meu namorado teve herpes genital há dois meses. Evitámos durante esse período ter relações sexuais. Todavia, houve uma vez em que não resistimos e fizemos amor, mas utilizámos o preservativo. É possível transmitir o vírus mesmo usando o preservativo?

Carla, Sesimbra

 

 

 

Cara leitora,

O herpes genital é uma das doenças sexualmente transmissíveis mais comuns e é causada por um vírus. Embora a probabilidade de a sua transmissão usando o preservativo ser reduzida, o contágio do parceiro não está fora de questão, porque durante o contacto sexual (vaginal, anal ou oral) as áreas que se encontram desprotegidas estarão em contacto directo com a pele de ambos. Todavia, para que seja possível a transmissão é necessário que o vírus esteja activo. Os sintomas mais salientes são bolhas, ardor, comichão e dor. É importante ter em conta que este vírus pode voltar a reaparecer no corpo do seu portador, uma vez que o herpes não tem uma cura definitiva. Assim, é essencial ter bastante cuidado na coordenação da vida sexual e seguir escrupulosamente as indicações médicas de forma a salvaguardar o bem-estar de quem é portador do vírus e a integridade física do parceiro. Como curiosidade, informo-a que as mulheres são mais susceptíveis a este tipo de doenças.

Herpes genital

Gostaria de saber se o herpes genital pode ser provocado por stress, e quanto tempo depois do 1º aparecimento pode ser mantida relação sexual sem risco de contágio do parceiro e quanto tempo a herpes demora para cicatrizar?
Daniela
Cara Daniela,
Os surtos de herpes genital podem surgir efectivamente em fase de maior stress emocional, mas também durante a menstruação, quando o organismo está debilitado pela ocorrência de outras infecções, se a pessoa está mais cansada, ou por traumatismo da área genital nas relações sexuais. Em situações de herpes genital recorrente (o que é diferente do primeiro surto) e com tratamento, as lesões ou vesículas costumam desaparecer em 8 a 10 dias. Durante este período não se aconselham as relações sexuais pois o risco de infectar é maior. Note-se que por vezes o surto começa e a pessoa não se apercebe, podendo transmitir ao seu parceiro inadvertidamente.
Fale com um médico sobre este assunto, pode ser também numa consulta de planeamento familiar, e esclareça as suas dúvidas a fundo – não há razões para se manter preocupada, o herpes é uma infecção sexualmente transmissível muito comum e os parceiros são compreensivos sobre os cuidados a ter – o preservativo é um deles e devem evitar-se os contactos entre as peles ou mucosas infectadas, como as genitais.

Herpes labial e genital

 

Preciso tirar uma grande dúvida que está me consumindo. Meu namorado contraiu herpes labial nessa última semana, já estamos sem nos beijar há quase duas semanas. Antes dele contrair herpes, há duas semanas, eu ainda fiz sexo oral nele sem camisinha, e cheguei a ficar com um pouco de esperma na boca, mas depois cuspi. Queria saber se depois da crise dele passar, eu poderei continuar a fazer sexo oral nele sem camisinha, e a ficar com esperma na boca, sem ter o perigo de contrair a herpes labial. Há possibilidade de pegar caso eu faça isso? Tem alguma técnica para fazer sexo oral com camisinha tão bem quanto sem?
Iolanda
 
Cara Iolanda,
 
O herpes labial pode infectar os genitais efectivamente, mas se a pessoa que tiver o herpes labial fizer sexo oral nos genitais da outra. O seu caso não é este, mas sim uma pessoa sem herpes que faz sexo oral. Quando o seu namorado tiver crises labiais, principalmente quando as borbulhas surgem e há comichões ele NÃO deve fazer-lhe a si sexo oral, para além de não a beijar.
Vão juntos a uma consulta de planeamento familiar, normalmente gratuitas nos centros de saúde, e esclareçam estas e outras dúvidas com os técnicos de saúde.
Fazer sexo oral a um homem com ou sem preservativo não é a mesma coisa, varia um pouco as sensações, mas pode comprar preservativos com aromas e sabores que lhe agradem para sentir mais prazer.
Veja aqui modos de fazer sexo oral, que podem melhorar a vossa vida sexual: http://consultoriosexologia.blogs.sapo.pt/tag/sexo+oral e que podem sempre ser feitos com o preservativo, para melhor proteger a vossa saúde.

O herpes genital é transmissível, mesmo usando preservativo?

doenças

Tenho uma dúvida que me tem deixado inquieto. A minha namorada, há dois meses, teve herpes genital. Evitámos durante esse período ter relações sexuais. Todavia houve uma vez que não resistimos e fizemos amor, mas utilizámos o preservativo. É possível transmitir o vírus mesmo usando o preservativo?

Pedro, Guimarães

Caro leitor,

O herpes genital é uma das doenças sexualmente transmissíveis mais comuns e é causada por um vírus. Embora a probabilidade da sua transmissão usando o preservativo ser reduzida, o contágio do parceiro não está fora de questão. Isto porque durante o contacto sexual (vaginal, anal ou oral) as áreas que se encontram desprotegidas estarão em contacto directo com a pele de ambos. Todavia, para que seja possível a transmissão é necessário que o vírus esteja activo. Os sintomas mais salientes são bolhas, ardor, comichão e dor. É importante ter em conta que este vírus pode voltar a reaparecer no corpo do seu portador, uma vez que o herpes não tem uma cura definitiva. Assim, é essencial ter bastante cuidado na coordenação da vida sexual e seguir escrupulosamente as indicações médicas de forma a salvaguardar o bem-estar de quem é portador do vírus e a integridade física do parceiro. Como curiosidade, informo-o que as mulheres são mais susceptíveis a este tipo de doenças.