Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Dificuldade em engravidar

Eu tenho 18 anos, o meu marido 22 e estamos a planear ter o nosso 1º filho. Há mais de um ano e meio que deixei de tomar a pílula que tomei durante quase dois anos... e nada. Já fui à minha medica, fiz exames, e ela diz que está tudo bem. O meu marido também vai fazer os exames. Será que os problemas que ele tem de asma, alergias ou talvez os respectivos tratamentos, possam estar a causar esta dificuldade em engravidar?

Aguardo resposta, obrigada

 

Vanessa

 

 

Cara Vanessa,

 

Compreendo a sua angústia por não perceber porque não consegue engravidar. Tente não se preocupar demasiado, pois a sua ansiedade pode também contribuir para esta situação. Do que me conta está a tomar as medidas necessárias: fez exames médicos, não utiliza métodos contraceptivos e mantém uma vida sexual activa.

As possíveis causas que aponta não são suficientes para vos causar problemas (ter tomado a pílula dois anos e o seu marido ter asma e alergias em tratamento), por isso não precisa de se preocupar com elas.

Se o seu parceiro também quer engravidar e está disposto a fazer os exames necessários recomendados pelo médico, então estão ambos no bom caminho e precisam de esperar, ser pacientes e ficar unidos neste percurso. Se os exames do seu marido não forem igualmente conclusivos, recomendo-lhe que marque uma consulta da especialidade de problemas de fertilidade, pois as filas de espera podem ser longas, mas saiba que na sua idade há muitas opções a explorar.

 

Boa sorte!

 

 

Posso ser infértil?

Há relativamente 6 meses, em consulta ginecológica de rotina, através de ecografia endovaginal, o meu médico descobriu um quisto no útero, disse que não seria nada de grave, mas fica sempre algum receio, principalmente no que diz respeito a saber se poderá influenciar uma gravidez ou não. Há algum tempo que não tomo a pílula. Mas não engravido. Será que o facto de não tomar a pílula pode agravar o quisto? Posso ser infértil?

 

Cátia Dias

 

Cara Cátia,

 

A existência de quistos pode sempre causar problemas na concepção, tanto ao nível da implantação do embrião no útero como em permitir que os espermatozóides cheguem ao óvulo. Uma vez que tem tentado engravidar sem sucesso, aconselho que consulte novamente um médico, talvez um médico diferente para que possa ter uma segunda opinião.

Boa Sorte!

 

“Como é que se pode fazer o teste de infertilidade masculina?”

 

“Gostaria de saber o nome do teste de infertilidade masculina e como fazê-lo. É apenas por mera curiosidade, mas considero importante ter acesso a determinado tipo de informação.”

Óscar, Rio Maior

Caro Leitor,

A infertilidade masculina acontece quando o homem não ejacula ou não produz a quantidade necessária de espermatozóide ou estes não se movimentam da forma adequada para que se dê a penetração do óvulo.

O exame que é feito com maior regularidade para testar a infertilidade masculina é o chamado espermograma, onde o objetivo principal é analisar o sémen. Através deste exame é possível medir a quantidade, a mobilidade e o formato dos espermatozóides. Este é um dos mais solicitados à partida para realizar qualquer diagnóstico, contudo este pode e deve ser suportado por outros exames. Porém, o teste não deve ser feito apenas por um membro do casal, é importante que ambos façam os testes necessários de modo a averiguar de onde podem advir os problemas. Se de facto se constatar que o problema se reporta ao membro masculino para além do espermograma é importante que se façam exames complementares.

É importante que se tenha em conta que quanto maior for o estado de ansiedade maior será a tensão vivida durante o processo de fertilização. Neste caso, é necessário bastante equilíbrio, paciência e determinação. Note-se que os problemas que mais potencializam a infertilidade masculina são: problemas hormonais (redução de testosterona), acumulação de sangue nos testículos (varizes escrotais), consumo de álcool, drogas e anabolizantes, doenças genéticas, tratamentos de radioterapia e quimioterapia e obstrução dos canais que transportam os espermatozóides dos testículos à uretra.