Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Clítoris inchado”

Tenho 18 anos e cada vez que eu e o meu namorado curtimos ele toca-me no clítoris, mas eu nunca atinjo o orgasmo, o problema é que passados alguns dias este ainda está inchado e dói-me. O que será que devo fazer?

 

Margarida, Alcácer
do Sal

 

Cara leitora,

Quando as mulheres estão sexualmente excitadas dá-se um aumento da circulação sanguínea na zona genital, e algumas mulheres atingem o orgasmo e outras não. No seu caso, a leitora fica excitada mas acaba por não atingir o orgasmo, o que se deve à sua pouca idade e inexperiência sexual. Por isso não se preocupe pois uma vez que conheça melhor o seu corpo, vai ver que se tornará mais fácil sentir prazer sexual. Quanto ao inchaço do seu clítoris este deve ser devido a um excesso de estimulação por parte do seu namorado, por isso fale com ele para que a estimule de forma mais gentil e durante menos tempo. Experimente também utilizar um gel lubrificante durante a masturbação mutua, ou experimente guiar a mão do seu namorado, para que ele saiba onde e de que forma a deve tocar sem causar desconforto.

 

“Tenho muita dificuldade em ficar lubrificada!”

“Tenho 50 anos e sou casada há 25. A minha vida sexual continua a ser activa, mas de há algum tempo para cá demoro muito tempo a lubrificar, parece que a minha vagina perdeu a elasticidade…”

 

Sandra, Porto

 

Cara Leitora,

 

Com o evoluir da idade ocorrem inúmeras alterações no nosso organismo, e também se dão alterações a nível físico no domínio da sexualidade, por isso não se preocupe porque se trata de uma questão perfeitamente normal. A partir dos 40 anos de idade ocorrem algumas alterações, lentas e progressivas, no corpo dos homens e das mulheres que podem afectar a sexualidade. A vagina diminui de tamanho, torna-se mais estreita e perde elasticidade, a lubrificação da vagina torna-se mais lenta e surge em menor quantidade, há uma diminuição da intensidade e da frequência das contracções da zona pélvica durante o acto sexual. Mas todas estas alterações não significam que não exista desejo, nem que não pode continuar a viver a sua sexualidade de uma forma perfeitamente normal. Pelo contrário, a dois poderão encontrar um ponto de equilíbrio e novas formas de obter prazer, como por exemplo a utilização de um gel lubrificante durante o acto sexual, o que vai tornar a penetração bastante mais confortável.

“O meu pénis é muito grande!”

“ Tenho 25 anos e sou um pouco complexado devido ao tamanho do meu pénis, este é muito grande. A minha namorada já se queixou que a penetração é muito dolorosa e que mesmo durante o
acto sexual lhe dói. Que medidas hei-de adoptar para não magoar a minha
namorada?”

 

 

Caro Leitor:

Em primeiro lugar tem que se assegurar que a sua namorada está verdadeiramente lubrificada, por isso se calhar não será mal pensado dar uma importância especial aos preliminares e prolongá-los um pouco mais do que o normal. Pode também usar lubrificante o que torna a penetração bastante mais confortável.

Devem também adoptar uma posição que seja confortável para ambos, pois a profundidade da
penetração varia de acordo com a posição escolhida, e deixe que também a sua namorada possa comandar no decorrer da acção, pois assim terá menos probabilidade de a magoar na penetração.

Dor na penetração

Tenho 27 anos e sinto dores durante a penetração. Não é aquela dor de queimadura de quando não estamos com lubrificação suficiente. Sinto a dor com a penetração mais profunda, parece que o pénis bate na parede interna e é aí que eu sinto a dor. O que pode ser isto?
Rita
 
Cara Rita,
 
A dor que sente parece ser o pénis a tocar no colo do útero, o que incomoda algumas mulheres, enquanto não incomoda outras e pode até dar prazer. Experimente posições sexuais em que penetração não seja tão profunda como a que lhe dá essa dor, veja em livros como o Kamasutra ou em sites da internet de sugestões de posições (por exemplo: http://mulher.sapo.pt/articles/sexualidade/sexo_sem_tabus/)
Se a dor não melhorar com o lubrificante e estes conselhos não deixe de tentar esclarecer com um médico numa consulta presencial ou de planeamento familiar.

Tema de hoje: Ejaculação Retardada

 
Tenho 28 anos e gostaria de saber se é normal no momento das relações sexuais a ejaculação demorar muito a vir. Acontece-me de vez em quando: às vezes ejaculo no momento certo, mas outras vezes demoro muito e minha esposa incomoda-se, pois a vagina dela até perde a lubrificação com a minha demora.
 
Hugo
 
Caro Hugo,
 
O tempo da ejaculação depende de homem para homem e da pessoa com quem está a ter relações sexuais – lento e demorado para uns pode ser curto e rápido para outros. Saiba que uma relação sexual, desde o momento da penetração até à ejaculação e sem contar com os preliminares, dura para a maioria dos casais de 3 a 13 minutos (num estudo recente da Society for Sex Therapy and Research, publicado em Maio no Journal of Sexual Medicine). Conversas públicas muitas vezes criam-nos expectativas irrealistas e podem deixar-nos insatisfeitos com situações perfeitamente normais.
No entanto, se o Hugo e a sua mulher sentem que estão a perder lubrificação durante a relação, podem comprar lubrificante numa sex-shop ou super mercado e juntá-lo à penetração quando necessitarem. Pode ser uma questão de idade, das circunstâncias que a sua mulher se sinta assim, mesmo que mantenha o desejo de continuar a relação sexual.
 
Existe uma perturbação sexual chamada ejaculação retardada, em que o homem sente bastantes dificuldades em ejacular, mas tal deve ser diagnosticado em consultas presenciais e por especialistas em sexologia. 
No entanto, algumas causas desta perturbação podem ser medicamentos que esteja a tomar (como por exemplo alguns anti-depressivos), por isso se for esse o seu caso, consulte o seu médico e explorem a possibilidade de alterar a medicacao ou a sua dose.
 
Por enquanto podem experimentar novas formas de viver a relação sexual: juntar lubrificante (há de vários tipos, que aumentam a circulação sanguínea, líquidos, pomadas, com diferentes aromas…), ter o orgasmo com masturbação em vez da penetração vaginal, sexo oral, e mesmo a utilização de um vibrador para ajudar a estimular e atingir o orgasmo mais rapidamente - falem um com o outro sobre questões que vos preocupem e possam interferir com sentirem o prazer de estar juntos.

Estou a atravessar a menopausa e o sexo é doloroso

1394127412254.jpg

 

"Tenho 45 anos e estou casada há 20. A nossa vida sexual sempre foi satisfatória, mas desde que entrei na menopausa sinto menos apetite sexual, e quando tenho relações com o meu marido sofro muito com as dores. É normal?"

Teresa - Viana do Castelo

 

Cara leitora,

O que está a sentir é algo bastante comum. Durante a menopausa o seu corpo passa por várias alterações hormonais que podem causar redução do desejo sexual e da lubrificação vaginal, daí o motivo do seu desconforto. Sugiro-lhe que consulte o seu ginecologista para averiguar melhor o seu caso e ter a certeza de que tudo está bem a nível físico. Depois consulte um endocrinologista que seja especializado em questões relacionadas com a menopausa, pois hoje em dia existem vários tratamentos para reduzir os seus efeitos. Mas se se decidir por algum tratamento informe-se muito bem dos efeitos secundários da medicação antes de tomar qualquer decisão. Entretanto use lubrificante durante as relações sexuais para evitar o desconforto.

O que é o "fisting"?

top Kissing wallpaper hd 2013.jpg

 

"Sou lésbica e não tive muitas experiências sexuais, mas gostaria de vir a ter. Tenho procurado informação na Internet e em revistas e ouvi falar sobre o fisting, mas não sei exatamente de que se trata ou como seu faz. Pode esclarecer-me?"

Filipa - Sacavém

 

Cara leitora,

A técnica do fisting, que tanto pode ser utilizada entre mulheres como numa relação heterossexual, não é geralmente explicada mesmo quando se abordam as questões relativas às técnicas sexuais. O fisting consiste em introduzir toda a mão dentro da vagina ou do ânus da parceira/(o), e aqueles que são adeptos desta técnica consideram que traz sensações de prazer muito intensas para ambos os parceiros. Há que ter em conta, contudo, que existem riscos envolvidos, pois embora possa proporcionar um prazer muito intenso também causa dor e pode danificar os tecidos da pele. Nesta técnica é fundamental que haja comunicação e confiança mútua, descontração e muito lubrificante. As unhas devem estar cortadas e limpas, sendo aconselhável usar uma luva de látex, bem lubrificada, na mão que é introduzida. Além de o látex tornar a entrada mais suave, funciona como uma barreira de protecção que impede a transmissão de doenças. No caso de fisting vaginal, deve ser utilizado um lubrificante à base de água porque não irrita a pele, no caso de anal pode ser um lubrificante mais oleoso o à base de silicone, para que seja mais duradouro. Embora os lubrificantes oleosos danifiquem o látex as luvas são mais resistentes do que os preservativos. Antes de por esta técnica em prática é fundamental que ambos os parceiros estejam absolutamente descontraídos, e a pessoa que penetra a outra deve começar suavemente por introduzir os dedos, gradualmente e sem pressas. Quando os dedos estiverem introduzidos, devem enrolar suavemente até o punho fechar, enquanto a mão é introduzida também. Quando toda a mão estiver dentro da vagina ou do ânus, a pessoa que faz a penetração pode abri-la e fechá-la suavemente, como se estivesse a apertar uma bola antistress, para estimular a outra pessoa. Durante todo este processo é fundamental que haja uma boa comunicação entre os parceiros para evitar a dor, e tudo deve ser feito com calma e muita suavidade.

Estimulação anal para homens!


 

Estou casada há dois anos e gostaria de inovar a nossa vida sexual através de estimulação anal ao meu marido. Será que isso é muito atrevido, será que ele vai gostar?

 

Nicole, Madeira

 

Cara Leitora,

O que é considerado muito atrevido para alguns, é o pão-nosso de cada dia para outros. Existem muitos casais que praticam esse tipo de estimulação e existem de facto muitos homens que, independentemente da sua orientação sexual, deliram com essa prática, chegando mesmo a atingir o orgasmo sem necessitar de mais nenhum tipo de estimulação. Por isso não se preocupe com rótulos e seja inovadora na cama com o seu marido. A estimulação anal em homens deve ser feita sempre com a utilização de um lubrificante e de forma gradual e cuidadosa. Experimente e verá que o seu marido vai gostar.

 

“Sangrei depois do sexo anal”

Eu e o meu marido costumamos fazer sexo anal, mas da última vez notei que depois havia sangue no pénis dele, embora não tivéssemos detetado qualquer ferida. No entanto, no dia seguinte senti dores internas mas não consegui detetar o local exato onde estão. É normal isto acontecer com o sexo anal, ou devo ir ao médico?”

 

Cátia, Faro

Cara leitora,

Não é frequente haver danos sérios causados pelo sexo anal, mas se houve perda de sangue e se tem dores deve sem dúvida consultar o seu médico. O sangue que referiu pode ser resultante de uma hemorroida, que consiste numa veia inchada na região anal. As hemorroidas podem libertar sangue, mas não causam normalmente as dores internas que descreve. Pode, também, ter uma fissura anal, que pode ser bastante dolorosa e que demora a cicatrizar pois encontra-se numa região muito delicada. Um problema menos frequente mas mais grave consiste num buraco ou perfuração do cólon, que requer uma cirurgia para ser reparado. É indispensável que consulte o médico para que possa saber exatamente de que se trata e começar a ter o tratamento adequado. Não pratique sexo anal enquanto não estiver completamente restabelecida e, quando voltar a fazê-lo, assegure-se que tomas as medidas necessárias de precaução. O seu parceiro deve penetrá-la de forma lenta e com suavidade, sem forçar o ânus, e devem usar bastante lubrificante. Se ele introduzir dedos no seu ânus deve garantir que as unhas estão curtas e limpas. Devem parar sempre que sentir dor ou desconforto, deve respirar profundamente e então retomar. A respiração ajuda o esfíncter a relaxar, evitando a dor causada pela tensão. Se estiver deitada de barriga para baixo quando o seu marido a penetra será também mais fácil e menos doloroso, visto que existe menos pressão anal.

“Posso usar vaselina na vagina?”

“Tenho 22 anos e pouca lubrificação, pelo que comprei vaselina para utilizar como lubrificante. Contudo, reparei que na caia diz “apenas para uso externo”, o que me deixou com a dúvida se apenas posso usar na parte exterior da vagina, ou também no seu interior. Gostava que me esclarecesse a este respeito.”

 

Tatiana, Faro

Cara leitora,

O facto de ser indicado na caixa que a vaselina que comprou é apenas para uso externo indica que esta, assim como outros produtos lubrificantes à base de petróleo, se destinam a pele muito seca e aos lábios na boca, não sendo aconselhável para os lábios vaginais e para toda essa parte do seu corpo. Quando misturados com água, os produtos de beleza à base de petróleo tornam-se mais lassos, o que facilita a entrada de bactérias e fluidos corporais, aumentando o risco de infeções. Por outro lado, este tipo de lubrificantes pode danificar o látex dos preservativos, arruinando a sua eficácia. Existem muitos lubrificantes à base de água ou de silicone, e esses sim são adequados para utilizar dentro e fora da vagina, no clítoris, etc. para escolher o lubrificante certo para si, coloque um pouco no polegar e esfregue suavemente com a ponta do indicador. Se ficar pegajoso e seco depressa, não é adequado, enquanto que se continuar a escorregar na sua pele é o ideal para si.