Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Tenho muita dificuldade em ficar lubrificada!”

“Tenho 50 anos e sou casada há 25. A minha vida sexual continua a ser activa, mas de há algum tempo para cá demoro muito tempo a lubrificar, parece que a minha vagina perdeu a elasticidade…”

 

Sandra, Porto

 

Cara Leitora,

 

Com o evoluir da idade ocorrem inúmeras alterações no nosso organismo, e também se dão alterações a nível físico no domínio da sexualidade, por isso não se preocupe porque se trata de uma questão perfeitamente normal. A partir dos 40 anos de idade ocorrem algumas alterações, lentas e progressivas, no corpo dos homens e das mulheres que podem afectar a sexualidade. A vagina diminui de tamanho, torna-se mais estreita e perde elasticidade, a lubrificação da vagina torna-se mais lenta e surge em menor quantidade, há uma diminuição da intensidade e da frequência das contracções da zona pélvica durante o acto sexual. Mas todas estas alterações não significam que não exista desejo, nem que não pode continuar a viver a sua sexualidade de uma forma perfeitamente normal. Pelo contrário, a dois poderão encontrar um ponto de equilíbrio e novas formas de obter prazer, como por exemplo a utilização de um gel lubrificante durante o acto sexual, o que vai tornar a penetração bastante mais confortável.

"Quero fazer sexo anal, mas sou circunsidado."

Gostava de ter sexo anal com a minha namorada, mas não sei se é seguro fazê-lo devido a ser circuncidado”

Gilberto, Rio Maior

 

Caro leitor

Se quer fazer novas experiência vá em frente pois o facto de ser circuncidado não interfere de forma alguma com a prática de sexo anal. Tenha apenas alguns cuidados básicos como usar lubrificante para que a penetração não seja dolorosa e usar um preservativo par evitar que bactérias existentes nos intestinos se alojem no pénis ou na vagina. Não se preocupe, diversifique a sua vida sexual pois isso é fundamental na manutenção de qualquer relação.

“Quero fazer sexo anal!”

 

“Sempre tive o desejo de experimentar fazer sexo anal, mas tenho algum medo de o dizer à minha namorada pois acho que ela não vai aceitar muito bem esta ideia. Como devo abordar o assunto?”
 
Ricardo, Vila Franca de Xira
 
Caro Leitor,
O sexo anal é um tabu para a grande parte das mulheres. Deve falar sobre esse assunto de forma cuidadosa sem que a sua namorada se sinta obrigada a concordar. Exponha-lhe a sua fantasia dando sempre a entender que não ficará magoado se ela lho negar, mesmo que até fique um pouco desapontado. Assegure-lhe que não a forçará a nada e que se decidirem fazê-lo, parará se ela assim o pedir. Caso a sua namorada concorde com a prática, não se esqueça do lubrificante, que é fundamental nesta situação!
 
 

“Massagens à próstata”

“Eu e o meu companheiro gostamos muito de explorar os nossos corpos, e ele tem grande prazer na estimulação anal. Gostava de o surpreender com uma massagem à próstata pois penso que ele iria gostar bastante, mas não sei como fazer para que lhe dê prazer e não dor.”

Laura, Almada

Cara leitora,

Embora o sexo anal seja considerado uma espécie de tabu por pessoas mais conservadoras, é uma prática sexual da qual muitos homens e mulheres retiram grande prazer. No caso dos homens, este prazer deriva da estimulação da próstata, que se encontra dentro do seu canal anal. A função da próstata é ajudar à reprodução, segregando um fluido para dentro do sémen que facilita a mobilidade e a durabilidade dos espermatozoides mesmo quando o esperma é ejaculado para fora do pénis. Antes da estimulação anal o seu companheiro deve urinar e lavar-se muito bem. Você deve ter as unhas curtas e limpas, podendo usar uma luva de látex e bastante lubrificante à base de água. Ele deve estar bem relaxado, e nesse sentido tomar um bom banho quente, juntos, pode ajudar. Pode, também, fazer-lhe uma massagem relaxante em todo o corpo, com óleo lubrificante, dedicando especial atenção à parte interior das coxas e às nádegas. Usando os seus dedos médio e indicador, toque, esfregue, dê ligeiras pancadinhas e pressione suavemente o períneo, que é a área que se encontra entre os testículos e o ânus, explorando o corpo do seu parceiro com atenção às sensações que lhe provoca. Quando ele já estiver bastante excitado, insira gradualmente um ou dois dedos no ânus dele, usando lubrificante. Quando o seu parceiro se sentir confortável, mova o seu dedo para cima, ao longo da parede anal, e procure uma área bolbosa, arredondada, que é a próstata. Movimente os seus dedos então como se estivesse a dizer a alguém “anda cá”, usando a polpa dos seus dedos para pressionar levemente essa zona. Varie a intensidade da pressão, a velocidade e o tipo de movimentos, sempre consoante a reação do seu par.

“Clítoris inchado”

Tenho 17 anos e cada vez que eu e o meu namorado curtimos ele toca-me no clítoris, mas eu nunca atinjo o orgasmo, o problema é que passados alguns dias este ainda está inchado e dói-me. O que será que devo fazer?

 

Margarida, Alcácer
do Sal

 

Cara leitora,

Quando as mulheres estão sexualmente excitadas dá-se um aumento da circulação sanguínea na zona genital, e algumas mulheres atingem o orgasmo e outras não. No seu caso, a leitora fica excitada mas acaba por não atingir o orgasmo, o que se deve à sua pouca idade e inexperiência sexual. Por isso não se preocupe pois uma vez que conheça melhor o seu corpo, vai ver que se tornará mais fácil sentir prazer sexual. Quanto ao inchaço do seu clítoris este deve ser devido a um excesso de estimulação por parte do seu namorado, por isso fale com ele para que a estimule de forma mais gentil e durante menos tempo. Experimente também utilizar um gel lubrificante durante a masturbação mutua, ou experimente guiar a mão do seu namorado, para que ele saiba onde e de que forma a deve tocar sem causar desconforto.

 

“Tenho medo do sexo anal…”

“Tenho quase 23 anos de casamento e nunca tive relações anais, pois tenho medo. O meu marido gostaria de praticar, mas tenho receio que seja doloroso. O ânus não ficará, ao fim de algumas relações, demasiado largo, podendo trazer problemas irreversíveis?

Luísa, Loures

Cara leitora,

Passados tantos anos de casamento é normal que o seu marido queira inovar a nível sexual através da prática de sexo anal, e é também normal que a leitora se sinta nervosa a respeito desta prática. O sexo anal não causa dor se for feito de forma correta, a pessoa deve estar descontraída, e deve ser dada atenção aos preliminares. Se decidir experimentar sexo anal deve praticá-lo apenas quando sentir que está preparada e deve utilizar um gel lubrificante, o seu marido deve começar por introduzir apenas o dedo no seu ânus e nunca o pénis, e apenas após a leitora se sentir confortável com essa prática pode avançar para a penetração gradual do pénis. A penetração deve ser feita devagar e sempre com a utilização de gel lubrificante. Quanto à sua dúvida se a prática de sexo anal pode danificar os músculos do ânus, se essa prática for regrada e praticada corretamente, não haverá quaisquer problemas. As únicas situações nas quais pode haver lesão dos músculos, é se o recetor não estiver descontraído e houver uma penetração brusca, o que geralmente acontece em casos de sexo não consentido ou se foram introduzidos no ânus objetos extremamente grandes.

“Demoro muito a ejacular…”

 

Tenho 28 anos e demoro muito tempo a ejacular. Gostaria de saber se é normal, acontece apenas de vez em quando, mas é preocupante pois ainda sou muito novo para ter problemas de ejaculação! Sinto-me constrangido pois às vezes a minha namorada perde a lubrificação com a minha demora.”

 

Cláudio, Porto

 

Caro leitor,

O tempo da ejaculação depende de homem para homem e da pessoa com quem está a ter relações sexuais – o que é lento e demorado para uns pode ser curto e rápido para outros. Saiba que uma relação sexual, desde o momento da penetração até à ejaculação e sem contar com os preliminares, dura para a maioria dos casais de 3 a 13 minutos. Conversas públicas muitas vezes criam-nos expectativas irrealistas e podem deixar-nos insatisfeitos com situações perfeitamente normais.

Existe uma perturbação sexual chamada ejaculação retardada, em que o homem sente bastantes dificuldades em ejacular, mas tal deve ser diagnosticado em consultas presenciais e por especialistas em sexologia. Algumas causas desta perturbação podem ser medicamentos que esteja a tomar (como por exemplo alguns anti-depressivos), por isso se for esse o seu caso, consulte o seu médico e explorem a possibilidade de alterar a medicação ou a sua dose. Procurem experimentar novas formas de viver a relação sexual: juntar lubrificante (há de vários tipos, que aumentam a circulação sanguínea, líquidos, pomadas, com diferentes aromas…), ter o orgasmo com masturbação em vez da penetração vaginal, sexo oral, e mesmo a utilização de um vibrador para ajudar a estimular e atingir o orgasmo mais rapidamente - falem um com o outro sobre questões que vos preocupem e possam interferir com o prazer de estarem juntos.

Não tenho lubrificação suficiente para ter relações sexuais

102931_1311706294071_full.jpg

 

"Sou casada há 5 anos e a melhor coisa que tenho na vida é a relação que tenho com o meu marido. Ultimamente tenho tido problemas sérios no trabalho e acho que se estão a transbordar também para casa. Chego cansada, não me apetece conversar com ele e quando tentamos fazer amor não tenho lubrificação suficiente. O que se passa comigo? Não quero perder a melhor coisa que tenho e começo a ficar assustada".

Sara - Amadora

 

Cara leitora,

Como descreve que tem problemas sérios no trabalho é natural que estes se reflitam no seu estado de humor em casa igualmente e na sua maneira de viver as relações sexuais. Se forem passageiros, tente ter paciência e dar tempo ao tempo para que passem. Se previr que se manterão por muito tempo, então deve encontrar modos saudáveis para si de lidar com eles, de os aceitar e de conseguir abstrair-se deles (pelo menos em casa e noutros contextos), ou mesmo de considerar a procura e mudança de trabalho.

A lubrificação vaginal é um sinal de excitação, mas pode sofrer influências do modo como se sente, pelo que pode experimentar utilizar lubrificantes líquidos, em pomadas, comprados em sex-shops, farmácias ou mesmo supermercados. Não a ter ou perdê-la não significa que não esteja a gozar a relação sexual e deve comunicar com o parceiro se desejar uma fase mais longa de preliminares.

Comuniquem sobre as coisas que a preocupam, mas dedique-lhes um tempo limitado (por exemplo, meia hora diária depois de chegar do trabalho e não mais do que isso), para que consiga aproveitar o tempo e recuperar as suas forças no seu tempo livre.

Boa sorte!

“Posso por lubrificante no preservativo?”

“Tenho algumas dificuldades a por o preservativo, e já pensei em usar lubrificante para que se torne mais fácil. No entanto, gostava de saber se ao usar lubrificante por dentro do preservativo não corro o risco de este escorregar com maior facilidade, saindo do pénis. Obrigado pela ajuda que me possa dar.”

 

Paulo, Sintra

Caro leitor,

Com preservativos de látex ou poliuretano usar um pouco de lubrificante facilita a colocação do preservativo e pode até aumentar as sensações na glande do pénis, mas tenha em conta que basta umas poucas gotas de lubrificante, pois se usar demasiado isso fará com que o preservativo escorregue facilmente. No caso de usar preservativos de látex, deverá usar lubrificante à base de água, pois os lubrificantes oleosos danificam o látex. Poderá, também por o lubrificante diretamente no pénis, colocando de seguida o preservativo.

 

Masturbação, uma prática saudável

female-masturbation.jpg

 

Uma mulher consegue levar-se ao orgasmo em menos de 5 minutos. Para além de melhorar a vida sexual a dois pelo autoconhecimento que proporciona, a masturbação relaxa e ajuda a adormecer, aliviando o stress e desviando a mente das preocupações. Também é benéfica para aliviar as dores de cabeça, porque como descontrai diminui a tensão nervosa e favorece o fluxo sanguíneo.

 

Algumas receitas de prazer:

Expresso – deitada de barriga para cima, consiste em estimular diretamente o clítoris, da forma como reconhecidamente sabe que atinge o orgasmo com maior facilidade. É ideal para quando não consegue adormecer ou precisa de uma descontração rápida.

 

Conquistador – Se já sabe como chegar ao orgasmo em poucos minutos, experimente explorar outras partes do seu corpo, tais como a parte interior das coxas, o estômago, o peito. Acaricie-se e massaje-se com as mãos ou experimente utilizar um vibrador ou outro brinquedo erótico. É um momento para se desejar a si própria, sem pressas nem restrições.

 

Secreto – Contraia os músculos vaginais várias vezes com mais ou menos força, mudando de ritmo e intensidade, até chegar ao orgasmo. É muito excitante porque pode fazê-lo em qualquer sítio, sem que as pessoas à sua volta saibam o que está a fazer. Pode, ainda, utilizar um vibrador discreto, com comando à distância. É muito eficaz para despertar a sua libido e ajudá-la a libertar-se e a dar largas à imaginação, pois a ideia de se excitar em público pode ser extremamente excitante.

 

Aquático – Enquanto toma duche faça com que o jato de água incida diretamente sobre os seus lábios vaginais e o clítoris, brincando com os dedos e a pressão da água (atenção à temperatura da mesma!), o manípulo do chuveiro, a esponja do duche…

 

Despertador – Para começar o dia com mais energia e boa-disposição, masturbe-se logo que acorda… experimente concentrar-se mais na vagina, percorra os lábios vaginais com os dedos e acabe por introduzi-los, massajando o ponto G. Se estiver sozinha será uma forma de começar bem o dia, se estiver acompanhada o seu companheiro certamente apreciará vê-la sentir prazer e não resistirá a querer juntar-se a si…

 

Íntimo – Comece por acariciar a vulva e toque nas zonas mais sensíveis, nomeadamente aquelas que normalmente não toca, como cada uma das partes que compõem o clítoris, a vagina e o períneo. Use um lubrificante à base de água para que os seus dedos deslizem mais facilmente. Sinta as sensações que cada toque lhe provoca, detenha-se mais naquelas que lhe proporcionam maior prazer…

 

Selvagem – Amontoe algumas almofadas e deite-se sobre elas com as pernas abertas. Liberte a sua imaginação e movimente as ancas para cima e para baixo, como se estivesse em cima de um touro de rodeo, fazendo com que a sua zona genital roce com pressão sobre as almofadas. Liberte-se e deixe-se levar pelas sensações enquanto a sua mente dá asas às suas mais loucas fantasias.

 

Completo – Masturbe-se com calma, sem pressas, acariciando o clítoris e os lábios vaginais e, quando se sentir quase a ter um orgasmo, introduza um ou dois dedos na vagina, mantendo o dedo polegar em contacto com o clítoris, continuando a acariciá-lo, enquanto os outros dedos se movimentam dentro da vagina. Pode ainda movimentar as ancas para dar maior ritmo e aumentar a excitação.

 

Com adereços – Experimente acariciar a sua zona genital com outros objetos, nomeadamente penas, uma roupa de seda, uma toalha, etc… Descubra a sensação provocada por diferentes texturas e tipos de toque. Use também brinquedos sexuais como vibradores ou bolas vaginais. Ao usar objetos é fundamental assegurar uma boa higiene para evitar doenças e infeções. Deve utilizar, também, um bom lubrificante, para facilitar o contacto com esta parte tão sensível do seu corpo.