Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

(In)submissão

focus2-xlarge.jpg

 

Quem não deseja ser a companheira perfeita, a amante inesquecível, a sedutora a que o companheiro não resiste? No mais íntimo de cada ser humano há a necessidade de ser desejado, apreciado, de despertar atração e luxúria. Por vezes caímos na ideia errada de que, se fizermos tudo o que o outro deseja, seremos amados. Ser submissa não é o mesmo que ser uma boa amante, bem pelo contrário! Contudo, há quem se encontre a si próprio no prazer de se submeter a outrem, num jogo de domínio e submissão.

 

As exigências do dia a dia fazem com que muitas vezes nos esqueçamos que, para além de mães, filhas, funcionárias, chefes, somos, acima de tudo, mulheres. É comum à nossa identidade a sensibilidade, a sutil delicadeza, a capacidade de entrega e devoção, a força para derrubar todos os obstáculos, a resistência e resiliência e, também, a capacidade inata de seduzir e derreter o coração mais empedernido. O poder de sedução faz parte da mais profunda natureza feminina.

 

Algumas mulheres, contudo, negligenciam essa aptidão por duvidarem dela, sendo incapazes de se verem a si próprias como sedutoras ou atraentes. Para ser uma boa amante, comece por se ver a si própria como tal. Esqueça os tabus que lhe incutiram, perca os receios de ser "desavergonhada" ou de adotar comportamentos pouco próprios para uma boa esposa.

 

Entre quatro paredes, tudo é permitido entre duas pessoas que se amam e se respeitam. Fazer todas as vontades e ceder a qualquer capricho de outrem não garante a conquista do seu coração: bem pelo contrário, os homens (e as mulheres) amam pessoas com personalidade forte, que se apreciam a si próprias.

 

Quando estamos no território do BDSM, contudo, as regras alteram-se. Se existem pessoas que sentem prazer em dominar, outras há que encontram a sua maior satisfação em serem dominadas, submetidas a outrem. Os submissos devotam uma total lealdade ao seu dominador ou dominadora, servindo-o/a em tudo o que lhes é pedido, dentro dos limites que foram previamente definidos pelo contrato assinado entre ambos, que faz parte do protocolo das relações BDSM.

 

Para além dos jogos íntimos, sexuais ou não, o dominador pode determinar como é que o submisso se deve vestir (muitos submissos usam uma coleira com uma argola de metal, que os identifica como sendo aqueles que se submetem) ou aquilo que deve comer, e estas regras lembram ao submisso que o seu papel é obedecer e agir da forma como o dominador entende que ele deve fazer. O prazer que estas práticas podem proporcionar radica nos meandros secretos do nosso cérebro.

 

Por exemplo, uma pessoa a quem no dia a dia é exigido que dite as regras e as ordens que outros têm de cumprir pode achar extremamente libertador o facto de, por sua vez, se encontrar à mercê das ordens de outrem. Pessoas inseguras que precisam de constante aprovação dos outros podem retirar um enorme prazer do facto de se empenharem para cumprirem as ordens que lhes são dadas, sendo depois elogiadas, incentivadas, apreciadas e recompensadas por isso. Existem pessoas, também, que simplesmente se divertem a explorar outros aspetos da sua sexualidade e do seu erotismo, descobrindo mais sobre si próprias neste complexo jogo de "o Dom manda".

Sexo em grupo: quando três não é demais

MAT-1_0017.jpg

 

Embora uma relação seja, em termos convencionais, vivida entre duas pessoas, muitos casais optam pela introdução de outras pessoas na sua vida sexual como forma de escapar à rotina e de fortalecer os laços de um relacionamento. Desde as ménages a trois, aos swings, ao poliamor e às orgias, conheça formas de relacionamento alternativas que podem salvar um relacionamento.

 

Por contraditório que possa parecer, por vezes a introdução de uma ou mais pessoas num relacionamento faz com que duas pessoas que se amam se mantenham juntas e ainda mais unidas. De acordo com a personalidade individual de cada um, há pessoas para quem a monogamia é castradora ou limitadora, tendo dificuldade em serem fiéis, ou precisando de estímulos novos para quebrar a rotina, arrefecendo quando estes deixam de existir. Assim, o envolvimento sexual com outra pessoa acaba por fazer com que valorize mais a cumplicidade única que tem com o companheiro, trazendo de volta a união do casal. Para evitar uma traição, e também para criar uma nova dinâmica de envolvimento sexual, muitos casais acordam aceitar outras pessoas na relação.

 

Ménage a trois ou sexo a três
Os chamados "ménage a trois" acontecem quando três pessoas estão envolvidas no ato sexual e tanto podem ser realizados por um casal que "convida" uma terceira pessoa a juntar-se, como por três pessoas que não têm qualquer relacionamento amoroso umas com as outras, desfrutando apenas do prazer do sexo a três.

 

Mas o que torna esta prática tão excitante? O facto de criar uma nova dinâmica, em que as três pessoas se proporcionam prazer umas às outras, ou duas de cada vez proporcionam prazer a uma terceira, ou uma pessoa dá prazer a duas ao mesmo tempo, abre as portas para um novo território de luxúria e prazer, amplificando as fantasias. Fazer sexo com duas mulheres ao mesmo tempo é uma das fantasias masculinas mais comuns, mas também há homens que gostam de ter relações em simultâneo com um homem e uma mulher, permitindo-se nesse jogo experiências homossexuais que não definem no entanto a sua orientação sexual, pois não exprimem uma preferência, mas sim uma aventura partilhada.

 

Por outro lado, ver o companheiro ou a companheira a ter relações com outra pessoa, a ser desejado e até de certa forma "disputado" por outra pessoa, pode ser extremamente erótico. Também há mulheres que fantasiam com o facto de serem penetradas por dois homens em simultâneo ou de terem relações sexuais com um homem e com outra mulher, obtendo assim os prazeres diferenciados que são proporcionados por um tipo de envolvimento e por outro. Nestas situações é muito importante definir os limites, para que não haja espaço para o ciúme, e estar disposto a partilhar o parceiro com outra pessoa, mesmo que seja por breves horas, a um nível sexual, sem envolvimento afetivo.

 

Swing ou troca de casais
Para alguns casais a experiência de fazer sexo a três não é por si só satisfatória ou atrativa, optando por uma outra dinâmica de grupo, na qual os dois membros do casal têm relações sexuais com outras pessoas, também elas membros de um outro casal. Podem estar os quatro juntos num mesmo espaço, ou não, mas neste caso é essencial que as quatro pessoas envolvidas sejam parte de um casal, havendo assim uma troca.

 

As pessoas que se dedicam a este tipo de pratica chamam-se "swingers", existindo bares e sites de encontros onde podem conhecer outros casais disponíveis para o fazer. Existe um conhecimento prévio, onde uma vez mais as fronteiras são definidas e as regras são acordadas. Também neste caso não deve haver um envolvimento emocional, embora esse risco exista sempre, e deve haver a disponibilidade psíquica e emocional para "partilhar" o corpo do parceiro com outra pessoa, sendo que neste caso também pode haver outro tipo de dinâmicas: para além de a mulher de cada casal ficar com o homem do outro casal, também podem ficar os dois homens a ver as mulheres envolverem-se uma com a outra, ou vice-versa, ou interagirem os quatro em simultâneo.

 

O poliamor
Para algumas pessoas a monogamia é impraticável, defendendo que é possível amar várias pessoas em simultâneo, ou ter relacionamentos sexuais com mais do que uma pessoa, retirando grande prazer dessa variedade. Porque temos maior afinidade em alguns aspetos com uma pessoa, gostamos mais de outro tipo de atividades com outra, e criamos uma dinâmica diferente com outra, as pessoas que praticam o poliamor vivem relações abertas, em que todos são livres para ter relações com outras pessoas e sabem que em nenhuma delas existe exclusividade. Como em todas estas dinâmicas, é essencial que haja respeito pelos limites previamente definidos, sabendo todos aquilo com que podem contar. As pessoas interessadas no poliamor podem conhecer outras que também o praticam através de sites na internet.

 

As orgias
Os cenários luxuriosos em que várias pessoas reunidas numa mesma sala ou espaço têm livremente relações sexuais.