Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Insatisfação Sexual

 

Olá boa tarde. Espero estar a proceder bem ao tentar pedir uma explicação e quem sabe solução para o assunto que vou expor... Sou uma mulher nova (28anos) casada e feliz. No entanto, a nível sexual não posso queixar-me, pois tenho uma vida sexual regular, mas embora tenha essa regularidade acho que não está bem de todo... eu amo o meu marido e gosto muito de estar com ele, é meigo e atencioso para eu ter prazer nas relações mas quase nunca tenho... Sinto que o meu corpo responde aos estímulos mas não ao ponto de eu sentir o climax... não tenho problema de dores durante a relação e sou lubrificada daí não ter problemas nesse caso (embora ache que sou demasiado lubrificada). Eu excito-me facilmente e estou sempre receptiva para tal mas o que me magoa é não ter orgasmo... conseguir dar prazer ao meu marido e eu não conseguir… A maior parte das vezes sente-se que estou a ter, por ter todo os ' sintomas' de que estou quase lá, mas não consigo dizer que sei o que é um orgasmo... Com masturbação consigo ter prazer, mas a nível de penetração não sei... Tenho muita dificuldade de falar com alguém neste caso, daí eu estar a pedir neste mail um apoio... Tenho alturas em que penso que talvez assim seja por ser muito lubrificada... se será outro caso... não sei. Gostava imenso de ter uma ajuda para saber como obter a satisfação total... Parece que algo me bloqueia, não me deixa sentir... Será a preocupação de dar prazer ao meu marido ou por pensar que não estou a fazer bem?.... Se for possivel agradecia que me dessem uma solução. Obrigada

Susana

 

 

 

 

 

 

Cara Susana,

Segundo a sua explicação, a Susana consegue atingir o orgasmo através da masturbação mas não através do coito. De facto, grande maioria das mulheres atinge o orgasmo através da estimulação clitorial (sexo oral ou estimulação manual) e não através da penetração. Por isso, não se sinta pressionada a “ter obrigatoriamente” de atingir o orgasmo durante a penetração, porque a sua situação é perfeitamente normal e partilhada por milhões de mulheres. O que algumas mulheres tentam fazer é estimular o clítoris até ao ponto do orgasmo antes da penetração, desta forma quando se dá o coito a mulher não se sente tão pressionada a ter de atingir o orgasmo dessa forma, nem se sente tão frustrada por não ter tido um orgasmo durante a relação sexual. Outras mulheres preferem que a estimulação clitorial seja feita após a penetração e após o parceiro ter atingido o orgasmo. Pode também experimentar comprar um vibrador que seja anatomicamente adequado à estimulação do Ponto G (uma zona no interior da vagina que causa o orgasmo vaginal), dessa forma verá se sozinha consegue atingir o orgasmo através da penetração ou não, se for bem sucedida tente explicar ao seu marido qual o tipo de posições ou estimulação que permitem que isso suceda. Quanto ao caso de ser bastante lubrificada, isso pode diminuir alguma da sensação durante a penetração, por isso experimente fazer uma pausa durante o coito na qual possa limpar alguma dessa lubrificação excessiva que sente.

“Masturbação feminina… um tabu?”

“Já há algum tempo que tenho uma questão para a qual ainda não encontrei resposta. Há muitos homens que colocam dúvidas sobre masturbação em sites e consultórios sexuais, mas as mulheres parecem mais tímidas a fazê-lo. Será que não se masturbam, ou não têm dúvidas sobre isso? Considero-me uma mulher descomplexada, gostava de saber se é normal o meu comportamento, porque às vezes parece que sou mais liberal que a maioria das mulheres!”

 

Tânia, Vila Franca
de Xira

 

Cara leitora,

A masturbação feminina é muito mais comum do que possa pensar, mas de acordo com estudos efectuados os homens continuam a superar as mulheres a esse nível em termos numéricos. Através de entrevistas e questionários aplicados na América (The Janus Report on Sexual Behavior (Samuel S. Janus and Cynthia L. Janus; John Wiley & Sons, Inc., 1993) a homens e mulheres entre os 18 e os 59 anos, os investigadores concluíram que 41,7% das mulheres e 63,3% dos homens declararam masturbar-se, 10% das mulheres e 25% dos homens afirmaram masturbar-se
diariamente ou várias vezes por semana. 38 % das mulheres e 55 % dos homens declararam masturbar-se com regularidade mensal a semanal. No entanto, e aplicando os resultados também à sociedade europeia, as diferenças de educação que os pais dão às filhas e aos filhos contribui para que ainda muitas mulheres agora em idade adulta considerem que “não fica bem” a uma mulher falar sobre a sua sexualidade e assumir que procura ter prazer mesmo sozinha. Embora hoje em dia a educação esteja a mudar, ainda existe a ideia passada às mulheres pelas famílias que devem ser sexualmente passivas e dependentes, assexuadas, ou que s seus genitais são algo que deve ser mantido como um tesouro secreto. A
masturbação feminina foi, até há não muito tempo, um tabu, mas hoje em dia felizmente cada vez mais mulheres começam a assumir a sua sexualidade, assim como a leitora. Não se preocupe por ser liberal, pois estar informada e manter-se actualizada é também uma maneira essencial de viver uma sexualidade saudável.

Tema de hoje: masturbação

(Desenho de Rodin)

 

Gostaria que me desse uma informação que já há muito me atormenta. Tenho 23 anos e na maior parte das vezes que o meu parceiro sexual me estimula o clítoris, após alguns minutos sinto dor chegando mesmo a deixar de sentir prazer. Será que existe algum motivo? Será uma reacção normal?
Susana
 
Cara Susana,
 
Pela informação que me dá penso que pode estar a sentir uma reacção normal à estimulação que o seu namorado lhe faz. O clítoris é um órgão sensível e que é essencial no prazer feminino, mas não há uma maneira certa de o estimular, nem todas as mulheres gostam de lhe tocar da mesma maneira. A estimulação pode ser feita segundo certos movimentos (vertical, horizontal, circular), pode ser acompanhada ou não de penetração vaginal (com os dedos, a língua, o pénis, ou mesmo brinquedos eróticos), a um certo ritmo (mais ou menos lento, mais ou menos repetitivo) e as variações destes devem respeitar a sua vontade e excitação momentânea. Pode acontecer que perca a lubrificação natural a dada altura, o que pode levar a alguma dor. Pode ter lubrificante adicional para estas situações, de preferência à base de água para que seja compatível com o preservativo, caso o utilizem.
Encontre uma forma de exprimir ao seu namorado como gosta de ser estimulada: pode falar-lhe sobre isto ao ouvido, mostrando-lhe como gosta que ele faça e em que momentos lhe magoa, ou oriente-o com as suas mãos, corpo e sons de prazer. Todos os casais têm de aprender a dar e a receber prazer um do outro – e a comunicação é essencial para esta aprendizagem.
Se ainda assim continuar a sentir desconforto ou dor com a estimulação, procure ajuda sexológica especializada ou falar com o seu ginecologista.

“Nunca consegui ter um orgasmo…”

 

 “Já estou há três anos a morar com o meu o namorado e nunca consegui atingir o orgasmo. Será que tenho algum problema?”

 

Tânia, Faro

 

Cara leitora,

Atingir o orgasmo depende muito de mulher para mulher e das situações em que sente o prazer. A maioria das mulheres não atinge o orgasmo com a penetração, mas mais facilmente com masturbação, com sexo oral, com estimulação do clítoris… não valorize demasiado a questão de atingir ou não o orgasmo, pois a sua atenção irá desviar-se do prazer e não se entrega às sensações físicas, tirando menos satisfação daquilo que sente.

Como não sei se alguma vez terá sentido orgasmo é difícil responder-lhe, mas procure como gosta do prazer na masturbação sozinha, acaricie-se e à sua vagina – se a leitora souber do que gosta melhor poderá guiar o seu parceiro ou parceira nessa descoberta.

 

Ejaculação precoce

Bom dia,

Sou um homem casado há 2 anos e sempre tive problemas com ejaculação precoce, mas agora adquiri um manual para exercitar o pénis,e esta a ser muito bom, mas o problema e que sempre que
comeco a  masturbar-me não dura muito tempo.

O que posso fazer para que demore mais tempo?

Será que ando mais sensível e que por isso chego mais rápido ao orgasmo?

E é verdade que a masturbação ajuda na ejaculacao precoce?

O que posso fazer para melhorar?

 Muito obrigado pela ajuda.

 

A ejaculação precoce é uma perturbação que se caracteriza pela ejaculação com uma estimulação sexual mínima, que surge antes, durante ou pouco depois da penetração e antes que a pessoa o deseje. Há factores a ter em conta que afectam a fase da excitação, como por exemplo, a
idade, a novidade ou a situação do parceiro/a sexual e a pouca frequência de actividade sexual. O facto de estar longe da sua esposa e nao ter relações sexuais com mais frequência podem de facto afectar o seu desempenho sexual. Experimente um produto retardante em pomada, que pode ser comprado numa sex-shop, para colocar na glande e fazê-lo perder um pouco a sensibilidade peniana (este produto deve ser utilizado em pequenas quantidades e o homem deve colocar um preservativo após a sua aplicação). Se estas sugestões não funcionarem, tente a técnica dos terapeutas sexuais – o “squeeze” – que consiste em parar a estimulação sexual e apertar a base ou freio do pénis
com três dedos (polegar, indicador e dedo médio) antes da ejaculação e por 3 a 4 segundos, o que parará a ejaculação e causara uma redução da erecção. Continue a estimulação e excitação
mútua para voltar a recuperar a erecção. Esta técnica deve ser repetida 3 vezes até permitir a ejaculação. É normal que nas primeiras vezes não seja bem sucedido em conseguir parar a estimulação antes de ejacular, mas deve continuar a tentar. Demora em média 3 semanas, fazendo o exercício 3 ou 4 vezes por dia até que se notem os resultados. Esta técnica pode parecer difícil de executar, pelo que a ajuda de um técnico especializado em sexologia pode ser útil. Não
deve ter medo de recuperar a erecção, como refere, pois esse medo em antecipação é que o deve estar a impedir de a recuperar. É ter tranquilidade e não ser observador da sua relação, mas estar presente a sentir todo o prazer possível. Pode ainda masturbar-se até atingir o orgasmo e a ejaculação umas horas antes da relação sexual (ou na própria relação sexual), para que na
próxima penetração o tempo desta seja mais duradouro.

Apesar destas sugestões úteis, penso que deveria consultar um especialista, que lhe
esclareça esta questão e lhe dê um apoio presencial, pois pode prevenir que
este problema continue e o faça sentir-se cada vez pior consigo próprio e nas
suas relações sexuais. Não tenha vergonha, a ejaculação precoce ou prematura é
muito frequente em homens de muitas idades e tem tratamento.

Masturbação

“Masturbo-me com a pressão da água…”

 

“(…) Sinto-me no céu quando estou no banho e aproveito a pressão da água do chuveiro para me masturbar. É normal sentir tanto prazer desse modo?”

Carlos, Estoril

 

 

Caro Leitor,

Existem diversas formas de alcançar o próprio prazer, uma delas é através da água que, em contacto directo com corpo, pode causar sensações indescritíveis. Para além disso, a água possui  um efeito relaxante, proporcionando a calma, diminuindo a ansiedade e ajudando na  libertação de energias.

A prática da masturbação no banho, seja ela individual ou conjunta, pode ser um estímulo para a renovação de energias e uma prática agradável, mesmo para preceder uma relação sexual.

Este momento é de puro relaxamento, tanto físico como psicológico, rompendo as barreiras do inconsciente, relativamente às fantasias sexuais. Não se martirize por ter este tipo de práticas, pois hoje em dia é perfeitamente normal, visto que permite um contacto mais íntimo e prazeroso.

Clítoris inchado

 

 

Tenho 17 anos e cada vez que eu e o meu namorado curtimos ele toca-me no clítoris, mas eu nunca atinjo o orgasmo, o problema é que passados alguns dias este ainda está inchado e dói-me. O que será que devo fazer?

 

Margarida, Alcácer do Sal

 

Cara leitora,

Quando as mulheres estão sexualmente excitadas dá-se um aumento da circulação sanguínea na zona genital, e algumas mulheres atingem o orgasmo e outras não. No seu caso, a leitora fica excitada mas acaba por não atingir o orgasmo, o que se deve à sua pouca idade e inexperiência sexual. Por isso não se preocupe pois uma vez que conheça melhor o seu corpo, vai ver que se tornará mais fácil sentir prazer sexual. Quanto ao inchaço do seu clítoris este deve ser devido a um excesso de estimulação por parte do seu namorado, por isso fale com ele para que a estimule de forma mais gentil e durante menos tempo. Experimente também utilizar um gel lubrificante durante a masturbação mutua, ou experimente guiar a mão do seu namorado, para que ele saiba onde e de que forma a deve tocar sem causar desconforto.

Os mistérios da masturbação feminina

 

 

Entre elas costuma ser um assunto proibido, mas a verdade é que as mulheres também se masturbam, simplesmente não confessam. Não é um assunto típico das suas conversas, tão natural entre quase todos os homens. A mulher masturba-se exactamente pelas mesmas razões que o
homem: obter prazer! Porém, enquanto o homem não se envergonha do acto e consegue até fazê-lo com “assistência”, a mulher não quer ajuda para masturbar-se e prefere fazê-lo sozinha, sem “público”. Elas não costumam excitar-se a olhar para fotos ou vídeos, a hora da masturbação, para o sexo feminino, é uma viagem solitária, em que atingir o prazer de olhos fechados é
uma das melhores técnicas.

É através da masturbação que pode descobrir as suas verdadeiras fontes de prazer e na hora do sexo com o parceiro tudo pode ser ainda melhor. Tocar-se ensina-lhe a perceber a força ou a suavidade
necessária que precisa para atingir um orgasmo.

A masturbação feminina ainda é vista por muitos homens como algo negativo e, muitas vezes, eles até se sentem inseguros com esta situação, pensando que as suas parceiras têm fantasias com outros.
Contudo, a verdade é que este exercício é muito positivo para as mulheres, e ajuda a melhorar a intimidade do casal. Se ela não souber encontrar prazer em si, mais dificilmente será retribui-lo ao outro. A masturbação permite à mulher prestar mais atenção a si mesma e não esperar sempre que seja o companheiro a fazer algo para atingir o clímax.

Existem várias técnicas de masturbação feminina, sendo que a mais clássica é a estimulação do clitóris e da vagina.
Para ajudá-la a obter prazer, use lubrificantes nesta hora, pois mais facilmente atingirá o orgasmo. Utilizar brinquedos sexuais, como por exemplo um vibrador, pode também tornar-se um dos métodos eficazes para obter prazer.

A masturbação feminina é também uma forma de procurar vencer a anorgasmia (dificuldade em atingir o orgasmo) e explorar o seu corpo é a melhor receita para conseguir ter com o seu marido ou namorado uma sexualidade plena.

“A asfixia pode ser erótica?”

“Tenho um amigo que gosta de práticas sado-masoquistas e ele já me disse que por vezes quando se masturba pratica a autoasfixia. Tive vergonha de lhe perguntar porque não queria que me achasse ignorante, mas fiquei sem compreender aquilo que ele me disse. A asfixia pode ser erótica?”

 

Vítor, Leiria

 

Caro leitor,

A autoasfixia erótica consiste em inibir a chegada de cérebro ao sangue através de métodos autoinduzidos de sufocamento, praticados em simultâneo com a masturbação. Ao limitar o fornecimento de sangue que chega ao cérebro, este procedimento provoca um défice de oxigénio no cérebro, que os praticantes deste tipo de estimulação acreditam que intensifica as sensações, trazendo uma leveza cerebral que potencia as sensações do orgasmo. O facto de representar um risco grave, pois pode induzir à morte, também funciona como um estímulo para algumas pessoas. O facto de esta prática também poder levar à morte, pois a pessoa perde facilmente o controlo e se o cérebro não recebe oxigénio acaba por asfixiar, faz com que seja muitas vezes secreta, até que se sabe de alguma morte ocasional. Mesmo que não induza à morte, dependendo do tempo em que o cérebro está privado de oxigénio a autoasfixia também pode causar danos cerebrais muito graves.

 

Fantasias Sexuais

 

Todas as pessoas têm fantasias sexuais, sejam elas de que tipo forem. Quando somos transportados para o mundo da fantasia, tudo é possível e não existe qualquer tipo de regras
ou responsabilidades, apenas satisfazemos todos os nossos desejos, sem que
ninguém nos acuse. As fantasias são situações idealizadas que temos liberdade
de inventar e que, na realidade, são quase sempre impraticáveis ou difíceis de
atingir. No entanto, os efeitos que elas provocam no nosso pensamento é estrondoso e a nossa vida sexual fica ao rubro. Existe uma ligação directa entre as fantasias sexuais e o aumento do desejo, ou seja, a Libido. Quantas mais fantasias sexuais tiver maior será o seu desejo de as ver realizadas. É, por assim dizer, um acessório sexual que, além de ser muito eficaz, não tem custos adicionais, os
pensamentos são seus e não existem regras. Deste modo, a maioria dos indivíduos tem uma fantasia sexual que lhes garante a satisfação sexual, isto é, o atingir do orgasmo, seja ele por relação sexual com o parceiro ou por masturbação. Por onde quer que os seus pensamentos voem, um dos seus destinos é, quase sempre, um lugar onde possa dar asas a um sexo escaldante.