Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Desvende a arte da masturbação

o-ORGASM-facebook.jpg

 


Existe um número infindável de técnicas que pode e deve usar enquanto se masturba. Acima de tudo, a regra básica é deixar-se levar pelas suas próprias sensações, com uma mente liberta de receios ou tabus.

 

Masturbação a dois

Praticar a masturbação a dois é uma das melhores formas de revitalizar a relação, aumentando a cumplicidade e estimulando a união. No entanto, pode ser difícil partilhar algo tão íntimo com outra pessoa. Libertar-se desse receio é também uma excitante forma de quebrar tabus e de se superar a si própria.

 

Para partilhar a masturbação com o seu par é importante entender o que lhe provoca o orgasmo. Muitas pessoas têm um estilo de masturbação desde a adolescência e mantêm-no. Não sendo necessariamente negativo, isso faz com que não descubram outras potencialidades. De um modo geral, a maior parte dos orgasmos são provocados através da pressão e da tensão provocadas na masturbação. No entanto, este tipo de orgasmos proporciona um nível de prazer consideravelmente baixo e também não é fácil de ser partilhado com o parceiro, porque se passa tudo a um nível muito interno, dependendo da tensão dos músculos e da pressão sobre a zona genital. Existem também orgasmos provocados pelo relaxamento ou uma variação combinada de todos os outros.

 

Masturbação por pressão

Muitas mulheres chegam ao orgasmo ao friccionarem o clítoris sobre qualquer objeto, seja o braço de um sofá, uma almofada, um boneco de peluche. Este tipo de masturbação dispensa o uso das mãos, sendo que algumas mulheres limitam-se a cruzar as pernas, fechando-as com força e massajando a região genital através da pressão por elas exercida. Colocar-se sobre uma almofada ou qualquer outro objeto que lhe ofereça esse tipo de pressão, sendo mais ou menos rígido, à frente do seu companheiro, mesmo vestida, pode ser extremamente provocador e excitante para ambos.

 

Masturbação por tensão

Ao conjugar a estimulação genital com alguma tensão muscular a libertação trazida pelo orgasmo é maior e este é mais intenso. Neste caso, os músculos das pernas e das nádegas contraem-se com força, apertando enquanto o resto do corpo se mantém rígido. Enquanto sustem a respiração, exerce maior pressão sobre o clítoris apertando os músculos, o que proporciona com relativa facilidade um orgasmo silencioso, que alivia a tensão numa rápida descarga. Este tipo de orgasmos pode acontecer mesmo enquanto se pratica ginástica, como por exemplo ao subir a uma corda, pois todo o corpo está em tensão. Embora estes orgasmos rápidos sejam dos mais comuns, devem ser vistos como a fast food – saciam a fome mas não alimentam plenamente.

 

Masturbação por relaxamento

Este tipo de masturbação é ideal para ser praticada a dois, até porque não é fácil relaxar completamente e estimular ao mesmo tempo a área genital. Assim, é essencial que se deixe pura e simplesmente descontrair, relaxando todos os músculos, como se fosse a Bela Adormecida, enquanto o seu par a masturba com a mão dele, deslizando suavemente os dedos pelos seus lábios vaginais, brincando com o seu clítoris. Deixe-se ir, simplesmente, sem pressas. Este tipo de contacto íntimo é extremamente erótico para ambos, estimulando a cumplicidade do casal.

 

Masturbação combinada

Usa os princípios subjacentes às três formas de obter prazer que foram anteriormente descritas. Assim, neste caso usa-se a tensão e o relaxamento em simultâneo com a estimulação direta do clítoris ou a penetração vaginal, usando os dedos ou um vibrador. Assim, deve contrair os músculos vaginais e libertá-los de seguida, repetindo algumas vezes. Use então um vibrador que deve introduzir devagar na vagina, enquanto continua a contrair e relaxar os músculos vaginais. Com os dedos estimule o clítoris (este tipo de masturbação pode e deve ser feita a dois), continuando a trabalhar os músculos vaginais, inspirando com força quando contrai e expirando profundamente quando liberta os músculos. Ao conjugar todos estes fatores obterá orgasmos mais intensos e mais profundos. Pode também fazer você a estimulação do clítoris enquanto o seu companheiro "se encarrega" da penetração vaginal, com os dedos ou um vibrador. Este tipo de masturbação cria o ambiente adequado para a relação sexual, pois proporciona à mulher orgasmos intensos e libertadores.

Não conseguir penetração

 

 

Tenho 31 anos, e nunca tive uma vida sexual muito activa. Mas a ultima relação sexual que tive foi com uma pessoa que amava muito, mas não consegui satisfazer o meu ex companheiro, não consegui ser penetrada, tenho bastantes dores, mas acho que é um problema psicológico meu porque não relaxo. Mas isso está-me a prejudicar bastante. É que agora estava  a começar um relacionamento e parece que tenho trauma de ter relações, envolvo-me bastante e tenho desejo de continuar mas de repente (parece que se passa algo) e paro e o meu companheiro não entende porque faço isso. Acho que é um problema que não consigo resolver.

Gostava que me ajudassem a suportar este problema e perguntar se devo procurar ajuda clínica ou psicológica.
Patrícia

 

Cara Patrícia,

 

 

O seu caso pode ser de uma perturbação sexual feminina, mas tal diagnóstico só pode ser feito numa consulta presencial e com avaliação fisiológica médica e sexológica. Existem duas perturbações sexuais femininas da dor: o vaginismo e a dispareunia. Estes problemas acontecem a muitas mulheres e não deve deixar de tentar viver a sua sexualidade por isto lhe acontecer, nem sentir-se culpada. Deve procurar ajuda especializada para esclarecer se as suas dificuldades são psicológicas ou fisiológicas e reflectir sobre um tratamento adequado.

Por enquanto podem explorar outras formas de ter relações sexuais, não só através da penetração… Explorem as massagens, as carícias, a masturbação mútua (pode começar sozinha para descobrir como gosta de ser tocada e o que lhe dá mais prazer), o sexo oral, os brinquedos eróticos… Usem a vossa imaginação para reinventarem a vossa sexualidade sem limites!

 

 

 

 

 

 

 

“Eu não me masturbo… mas ela sim!”

“Tenho 24 anos e devo ser o único homem à face da Terra que nunca se masturbou, algo que para mim não representa qualquer problema, mas que incomoda a minha namorada. Ela não compreende nem acha normal, pois masturba-se pelo menos duas vezes por dia e muitas vezes insiste que eu veja. Ela acha que o meu comportamento não é normal porque diz que todos os homens se masturbam. É verdade?”

 

Tiago, Braga

 

 

Caro leitor,

Há sempre inúmeros mitos no que à sexualidade diz respeito. Um deles é o mito que diz que todos os homens se masturbam, e que as mulheres não o fazem. De forma simples e direta, deixe-me dizer-lhe que tanto o leitor como a sua namorada são ambos absolutamente normais. A decisão de proporcionar prazer a si próprio através da estimulação direta cabe-lhe a si, e embora muitos homens e mulheres o façam – ou digam que o façam – não há de ser a única pessoa à face da Terra que não o faz. O facto de a sua namorada querer que você a veja enquanto ela se masturba também não é estranho, pois alguns casais gostam de o fazer como forma de aumentarem a intimidade a dois. Deve questionar-se, isso sim, se esta questão da masturbação não denota outros problemas entre os dois, falta de comunicação no casal ou posturas diferentes no que ao sexo diz respeito. Aquilo que realmente importa neste caso é que tenham a capacidade de ter um diálogo honesto e frontal acerca da satisfação que ambos retiram da vossa vida sexual, para que esta possa ser melhor. Quem sabe não experimenta praticar a masturbação mútua com a sua namorada e até gosta? O respeito mútuo e a aceitação são alicerces fundamentais para qualquer relação.