Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Sexo oral à la carte

lips-mouth-saliva-tongue-2525380-1920x1200.jpg

 

"Dar um linguado"… nos lábios vaginais. Peça ao seu mais-que-tudo que repita "em baixo" exatamente o mesmo que faz com a sua boca…

 

Dentadinhas de amor - com muito cuidado para não aleijar, umas dentadinhas aqui e ali – ao de leve – podem surtir resultados inesperados.

 

"Cornetto de amor" - peça-lhe que imagine que está a comer um cornetto e que a sua língua reproduza os mesmos movimentos de quando está a lamber o fundo do cone de bolacha…

 

Variações de ritmo - quer seja ao lamber, quer seja ao chupar, as diferenças de intensidade e de ritmo provocam espasmos de prazer.

 

Quente e frio - soprar ar quente, afastar-se da entrada da vagina e soprar ar frio.

 

Borboletas e esquimós - o leve roçar das pestanas dele e os famosos "beijos de esquimó" – em que o nariz esfrega levemente a pele – causam calafrios muito agradáveis. Com a língua, entra e sai da vagina ou da parte interior dos lábios, "penetrando-a".

“Quero fazer sexo anal!”

 

 “Sempre tive o desejo de experimentar fazer sexo anal, mas tenho algum medo de o dizer à minha namorada pois acho que ela não vai aceitar muito bem esta ideia. Como devo abordar o assunto?”

 

Ricardo, Vila Franca de Xira

 

Caro Leitor,

 O sexo anal é um tabu para a grande parte das mulheres. Deve falar sobre esse assunto de forma cuidadosa sem que a sua namorada se sinta obrigada a concordar. Exponha-lhe a sua fantasia dando sempre a entender que não ficará magoado se ela lho negar, mesmo que até fique um pouco desapontado. Assegure-lhe que não a forçará a nada e que se decidirem fazê-lo, parará se ela assim o pedir. Caso a sua namorada concorde com a prática, não se esqueça do lubrificante, que é fundamental nesta situação!

“Os preliminares são assim tão importantes?”

“Adoro a minha mulher, já temos uma relação estável há 5 anos. No entanto, ela está constantemente a pedir-me para demorar mais tempo nos preliminares e às vezes queixa-se que eu não lhe dou prazer suficiente. A verdade é que nem sempre tenho paciência para preliminares… fazem assim tanta falta?”

Cláudio, Mafra

Caro leitor,

Em primeiro lugar precisa de estabelecer uma maior intimidade com a sua companheira durante a relação. Procure saber aquilo que mais a satisfaz e não tenha preconceitos em satisfazê-la, pois se o fizer é garantido que você também irá tirar maior prazer. Lembre-se que a relação sexual é um prazer a dois. Para a mulher o acto sexual é algo muito íntimo carregado de valor sentimental, por isso muitas mulheres gostam que o seu parceiro demonstre carinho, que as abrace e que as excite antes da penetração. Neste sentido, as mulheres dão muita importância aos preliminares, pois são eles que lhe permitem atingir o grau de excitação necessário para atingirem mais facilmente o orgasmo.

Rapidinhas: surpreenda o seu par!

sexo2.jpg

 

Surpresa é uma palavra que só de a dizermos já imaginamos algo inesperado, criativo, e que dá um toque especial e diferente à nossa vida. Quem não gosta de ser surpreendido? Pequenas surpresas no dia-a-dia ajudam a quebrar a rotina da vida em casal e são deliciosas. Deixe o seu companheiro surpreendido e com água na boca. Use a sua criatividade para proporcionar momentos divertidos de prazer e extase.

 

Os dias são todos iguais, o seu companheiro chega a casa, jantam, vêm tv e vão para a cama? Surpreenda-o mal ele entre em casa. Apareça à sua frente apenas de robe de cetim, diga-lhe que tem uma dor na perna e peça-lhe para a acompanhar ao quarto. Ele ficará surpreendido pois o quarto estará envolvido num clima bem "caliente", com velas, incensos e pétalas de rosa em cima da cama. Dispa o robe e mostre-lhe a lingerie sexy que comprou e acaricie-o. Depois diga-lhe que o jantar está pronto e saia do quarto. Ele ficará louco e vai pensar em tudo menos no jantar.

 

Depois do jantar, ponha a tocar um CD com músicas sensuais e mostre-lhe um lenço de seda, depois vende o seu companheiro. Comece por lhe tirar a roupa bem devagar, ao ritmo da música, esfregando o corpo no seu e sussurrando o que lhe quer fazer. Quando ele estiver nu, brinque com o corpo dele até o deixar maluco e depois retire-lhe a venda – ele irá ver o que tem vestido, aposte numa lingerie bem sexy, com cinto de ligas e saltos altos, ele vai ficar surpreendido e vai ser uma noite inesquecível.

 

Que tal surpreender o seu par com um fetiche, vista-se de médica: avental branco curto, saltos altos, cabelo preso com um coque e um estetoscópio no pescoço! Trate-o como se fosse um paciente, diga-lhe para tirar a roupa toda para que o possa examinar. Apalpe cada parte do seu corpo, faça diagnósticos, e não saia da personagem nem por um segundo.

 

De manhã (ou à noite) deixe-o ir tomar banho, quando ele já estiver molhado entre na banheira ou no duche e surpreenda-o, diga-lhe que o quer lavar. Pegue numa esponja, coloque o gel duche e com movimentos suaves e sensuais, pode ir também dando uns beijinhos suaves na pele, comece pelos ombros, desça pelas costas e pare. Depois comece de novo pelo peito, desça pela barriga e pare. Recomece nos pés, percorra as pernas e os glúteos, detenha-se na parte de dentro das coxas e faça movimentos mais suaves. Por fim, ele já deve estar bem excitado, lave-lhe as partes íntimas com a esponja e o chuveiro, pode aproveitar para lhe fazer sexo oral. No fim pode pedir-lhe para que a lave também.

 

 

Brincadeiras anais

o-COUPLE-SEX-facebook.jpg

 

Ao contrário dos homens, que fantasiam muito com o sexo anal, a maioria das mulheres tem um certo receio desta prática. O principal medo é de sentirem dor, o que é uma preocupação comum e justificável, já que o sexo anal pode causar algum desconforto. No entanto, seguindo algumas dicas é possível gostar, e muito, de sexo anal.

 

O ânus possui uma musculatura para expelir, e por isso com o medo e ansiedade os músculos vão contrair, o que por sua vez, pode causar a dor no sexo anal. Quando feita com cuidado e descontração dos músculos, a prática pode dar muito prazer a quem penetra, mas tambem para quem é penetrado. Existe uma rede bastante extensa de nervos que proporcionam bastante prazer e que podem ser estimulados internamente através da penetração anal, tanto no homem como na mulher.

 

A fantasia, o envolvimento e o toque simultâneo noutras áreas erógenas e no clitóris são capazes de dar ainda maior prazer e existem alguns truques que ajudam a diminuir o incómodo. Contudo, nem todas pessoas sentem prazer com o sexo anal e isso deve ser respeitado. Submeter-se porque é um fetiche do companheiro não é saudável para o casal.

 

A prática sexual só é boa se oferecer prazer aos dois. Assim, o mais importante é a mulher estar decidida a chegar a esse nível de envolvimento, livre de tensão, e, depois, contar com a ajuda do parceiro para ir com bastante calma e conseguir tirar o máximo prazer do sexo anal.

“Circuncidado, sim ou não?”

“Nunca tive um namorado que fosse circuncidado e essa característica é algo que me intriga bastante. Será que um homem circuncidado me pode proporcionar mais prazer? Existem diferenças para a mulher com quem ele tem relações sexuais? Sim, ou não?”

 

Carolina, Barcelos

 

Cara leitora,

Embora a diferença entre um pénis circuncidado e um que não o foi seja aparentemente pequena – o pénis circuncidado não tem a membrana envolvente, porque lhe foi removida – existem algumas diferenças no que diz respeito à forma como o pénis “se comporta” durante o ato sexual e nas sensações a ele relacionadas.  Num homem não circuncidado, quando o pénis tem uma ereção essa membrana de pele retrai-se, expondo a cabeça do pénis, ajudando a diminuir a fricção durante o ato sexual, criando também mais lubrificação na mulher. Como tal, um pénis em que essa membrana foi removida pode precisar de lubrificação adicional para ambos os parceiros para que sinta mais prazer. O odor libertado pode também ser diferente, e há que ter alguns cuidados pois os homens circuncidados são mais sensíveis a irritações da pele, embora sejam menos vulneráveis às infeções sexualmente transmissíveis.

Fantasias Sexuais

aaa_1.jpg

 

Há alguns anos atrás este assunto era um tabu na nossa sociedade. Não quer dizer que muitos homens e mulheres não tivessem inúmeras fantasias sexuais, mas na verdade, estes pensamentos libidinosos eram considerados pecado e, na maior parte das vezes, jamais eram revelados e poucas vezes concretizados.

 

Hoje em dia, a mente está mais aberta a estas situações e, a verdade é que, muitas vezes, a realização destas fantasias pode salvar casamentos, que desta forma conseguem fugir à rotina.

 

A fantasia sexual é descrita como um desejo que um determinado indivíduo tem, de fazer algo diferente do habitual a nível sexual, que só de imaginar lhe dá um enorme prazer.

 

É claro que existem algumas fantasias que são condenáveis, porém outras podem tornar a nossa intimidade cada vez mais saudável.

 

As fantasias sexuais mais comuns entre os homens revelam-se na vontade que estes têm de fazer amor com uma enfermeira, uma professora ou uma empregada doméstica.

 

No caso das mulheres, elas fantasiam com homens de farda e também com um professor, por exemplo. Os ambientes onde se possa ter uma relação sexual com alguém, são também muito fantasiados, sendo que locais perigosos, onde haja hipótese de se ser apanhado, são os mais usuais. Falamos, por exemplo, de elevadores, em piscinas ou dentro do carro.

 

Não se envergonhe de realizar as suas fantasias sexuais, desde que não se coloque em perigos reais e não prejudique ninguém.

Tenho 18 anos e perco a ereção!

erectile-dysfunction-treatment.jpg

Tenho 18 anos, e estou a tentar começar uma vida sexualmente ativa com a minha namorada. O problema é que perco completamente a ereção durante os preliminares, não conseguindo recuperá-la. Tentámos por duas vezes, e eu perdi sempre a erecção. O que posso fazer?

Francisco, Tomar

 

Caro leitor,

Dada a sua idade, acredito que a causa destas dificuldades tenham causas psicológicas – o leitor parece ter entrado num ciclo vicioso, depois de uma experiência que correu mal, começou a sentir ansiedade de antecipação e a ficar preocupado com isso, o que influencia muito as relações sexuais seguintes, de modo negativo. É muito normal que a primeira vez que tente fique preocupado se vai conseguir, se vai agradar à sua namorada, só o nervosismo de ser a primeira é suficiente para que surjam dificuldades. Mas não diga que não consegue recuperar a ereção, pois se a estimulação continuar e mantiver um espírito positivo, dizendo a si mesmo que é normal perder-se uma ereção, outras se seguirão certamente.

Provavelmente, quando chega a hora de tentar a penetração, o seu corpo e mente estão num modo que não é sexual mas ansiogénico, mergulhados em preocupações e a sentir muito menos o prazer. É muito importante que perceba este ciclo vicioso e o consiga cortar: Relaxe, não desista de ter relações sexuais só porque perdeu aquela ereção, pois se continuar a estimulação outras se seguirão certamente; ganhe confiança com a sua parceira sexual, para que ela seja paciente e o faça se sinta à vontade; treine a colocação e utilização do preservativo na masturbação; experimente comprar anéis penianos numa sex-shop, que o podem ajudar ligeiramente a aguentar o afluxo de sangue no pénis…

“Como posso recuperar a auto-estima e o prazer?”

 

O meu marido teve problemas financeiros e eu ajudei-o a pagar algumas dívidas, agora culpo-o pelas nossas dificuldades sem que ele saiba. Não sei se por causa disso, tenho um problema: não consigo ficar excitada, a minha razão quer mas a minha emoção não responde.

Tive problemas com fungos devido ao stress e contagiava o meu parceiro, isto acontecia com muita frequência, depois de um certo tempo fui-me sentindo culpada e automaticamente deixo de ficar lubrificada, só sinto sono e vontade de fugir. Como posso aumentar a minha auto estima e voltar a ser normal?”

 

Carmo, Loures

 

Cara leitora,

Como a sua relação tem algumas questões a serem resolvidas, a terapia de casal pode ajudar-vos e ter consequências positivas na vossa sexualidade. Procure terapeutas familiares ou de casal, decerto poderá encontrá-los na sua zona. As preocupações são contrárias ao prazer e à excitação (onde a lubrificação é um sinal físico), pelo que a vossa sexualidade está a sofrer de assuntos por resolver entre o casal.

O facto de referir as dívidas leva-me a pensar se não estará a encarar a sua vida conjugal como demasiado estereotipada: o marido dá o sustento e a mulher cuida dos filhos... liberte-se dessas ideias feitas e seja criativa, adapte-se à sua situação individual e em equipa, em casal. 

Ter uma vida sexual activa depois dos 60 é errado?

homem-meia-idade-homem-1345730781328_956x500.jpg

 

"Tenho 65 anos e sou viúvo. Há um ano e meio que namoro uma senhora de 59 anos de quem gosto e com quem tenciono casar. Damo-nos muito bem e temos uma vida sexual bastante boa, no entanto as pessoas criticam-nos dizendo que somos "velhos demais" para essas coisas e que devíamos ter juízo. Será que eles têm razão?"

Adelino - Carnaxide

 

Caro leitor,

Claro que não! Ao contrário do que algumas pessoas mais jovens possam pensar, muitos homens e mulheres entre os 50 e 80 anos de idade continuam a ter relações sexuais, havendo mesmo quem afirme que sentem mais prazer agora do que quando eram mais novos. Há indivíduos no entanto que reduzem a sua atividade sexual nessas idades, mas por vezes isso é devido à dificuldade em encontrar parceiro, ou deve-se a pressões sociais como as que o leitor está a ser alvo, tabus a nível pessoal acreditando que não é correto ser sexualmente ativo, ou mesmo preocupações de saúde achando que o sexo pode causar doenças. É difícil estimar a atividade sexual em indivíduos de idades mais avançadas, pois tal como os adolescentes, eles tendem a reprimir e esconder a sua vida íntima com medo de serem criticados. Não se preocupe com aquilo que os outros pensam pois provavelmente têm ciúmes da sua relação. Aproveite a boa disposição da sua companheira, divirtam-se e vivam a vossa relação da forma que vos trouxer mais felicidade. Façam aquilo com o qual se sintam confortáveis.