Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Estou grávida e tenho mais desejo”

“Desde que fiquei grávida que tenho mais vontade de ter relações sexuais. A vontade é tanta que me sinta estranha e até com vergonha… O que se passa comigo?”

 

Sara, Estremoz

Cara Leitora,

 

É comum no universo feminino algumas mulheres apresentarem um maior interesse pela vida sexual durante o segundo trimestre da gravidez. Assim sendo, viva esta nova fase com naturalidade e sem preocupações. Deixe as coisas fluírem e faça, a nível sexual o que desejar, pois a penetração apenas deverá ser cessada caso ocorram hemorragias uterinas, dores vaginais ou abdominais.

Procure estar relaxada e não deixe que o preconceito interfira na forma como deseja viver a sua vida sexual. Manter a sexualidade ativa é bastante saudável e recomenda-se. Transmita esta ideia ao seu marido, pois para muitos homens existe sempre o medo de magoar o bebé, o que não é verdade. Caso considere necessário converse abertamente com o médico que a está a acompanhar.

“Os preliminares são assim tão importantes?”

“Adoro a minha mulher, já temos uma relação estável há 5 anos. No entanto, ela está constantemente a pedir-me para demorar mais tempo nos preliminares e às vezes queixa-se que eu não lhe dou prazer suficiente. A verdade é que nem sempre tenho paciência para preliminares… fazem assim tanta falta?”

Cláudio, Mafra

Caro leitor,

Em primeiro lugar precisa de estabelecer uma maior intimidade com a sua companheira durante a relação. Procure saber aquilo que mais a satisfaz e não tenha preconceitos em satisfazê-la, pois se o fizer é garantido que você também irá tirar maior prazer. Lembre-se que a relação sexual é um prazer a dois. Para a mulher o acto sexual é algo muito íntimo carregado de valor sentimental, por isso muitas mulheres gostam que o seu parceiro demonstre carinho, que as abrace e que as excite antes da penetração. Neste sentido, as mulheres dão muita importância aos preliminares, pois são eles que lhe permitem atingir o grau de excitação necessário para atingirem mais facilmente o orgasmo.

“Posso estar dependente do sexo?”

“Tenho 34 anos e desde sempre gostei muito de obter prazer através do sexo, no entanto, parece que nunca fico satisfeito, quero sempre mais e mais. A minha namorada queixa-se do meu excesso de actividade sexual, e masturbo-me a ver pornografia, mesmo quando não estou com ela. Estou constantemente a pensar em sexo, temo que se esteja a tornar uma dependência, é possível?”

 

Carlos, Braga

 

Caro Leitor,

 

Podemos perceber a dependência do sexo quando a actividade sexual se torna muito frequente e mesmo assim jamais se obtém satisfação, como parece ser o seu caso, em que o desejo sexual toma a maior parte dos pensamentos de uma pessoa e a sua única motivação é o prazer. A dependência sexual é um distúrbio progressivo que pode provocar problemas a nível psicológico, dificuldade nos relacionamentos amorosos, prejuízo nos estudos, na vida profissional e económica, envolvimento noutros vícios. Por sua vez, esta prática sexual em excesso também pode levar a prática de comportamentos sexuais de risco que podem pôr em perigo a sua saúde física e psicológica. Face a toda esta sintomatologia e também às repercussões que esta situação poderá ter na vida é importante consultar um especialista, de modo a percepcionar qual o impacto e influência que esta situação tem na sua vida e de que forma a condiciona, para encontrar formas directas de a resolver.

Tive relações sexuais quando estava bêbada

2a50eb11cd92a7920d26a7d9f692e2b6.jpg

 

No meu aniversário apanhei uma bebedeira e acho que tive relações sexuais com um amigo meu nessa noite, mas não me lembro bem do sucedido. Estou envergonhada e não sei como perguntar.

Maria - Tomar

 

Cara leitora,

O álcool faz com que as pessoas acabem por fazer coisas que não fariam se não tivessem bebido, quer por se sentirem mais desinibidas, quer por não terem tanta capacidade para avaliar situações perigosas e acabarem por ser levadas na conversa por pessoas que se querem aproveitar da situação. Uma vez que a leitora não se lembra dos acontecimentos dessa noite, o mais seguro será perguntar a alguém que tenha estado consigo nessa noite se se lembra do que se passou, nomeadamente ao seu amigo, pois se acha que existe a possibilidade de ter tido relações sexuais com ele o melhor será perguntar-lhe, caso contrário vai ter sempre essa dúvida na sua mente. Uma vez que nem se lembra se teve relações sexuais nessa noite, se o fez existe a possibilidade de não ter utilizado proteção, por isso se começar a sentir alguns sintomas estranhos consulte um médico.

 

Será prejudicial para o casamento não ter relações frequentemente?

s_2099865b.jpg

 

"Dei por mim a pensar se será prejudicial, para o meu casamento, não ter relações sexuais com frequência. A nossa vida mudou nos últimos anos, temos vindo a ter cada vez menos vezes relações sexuais, e tenho receio que isto possa ter repercussões negativas e acabe por ditar o fim do nosso casamento. É possível que assim seja?"

Mário, Santo Tirso

 

Caro Leitor,

As pessoas têm tendência a diminuir a frequência das relações sexuais com o avançar do tempo. No início de uma relação, existem maiores probabilidades de terem relações sexuais mais vezes do que com o passar dos anos. No entanto, desde que estabeleçam um padrão de frequência dessas mesmas relações e que ambos concordem, não existe preocupação para tal. Não se preocupe tanto com o aspeto sexual da vossa relação, pois apesar de ser importante, não é o principal fator determinante do sucesso de uma relação. A longevidade de uma relação depende de muitos fatores, nomeadamente da qualidade do relacionamento durante o dia a dia, dos interesses que possuem em comum, dos filhos, da intensidade com que cada um investe na relação, seja esta de que forma for e, evidentemente, se gostam um do outro. A frequência das relações sexuais depende de inúmeros fatores e os estudos efetuados neste sentido revelam que a passagem do tempo provoca um declínio natural no ritmo das relações. Existem ações que poderão, de certa forma, colmatar esta falta, como gestos de carinho e ternura, beijos e elogios que demonstrem o verdadeiro afeto que nutrem um pelo outro.

“Tenho medo do coming out…”

 

“Cheguei a ter namoradas mas nunca me senti plenamente realizado com elas. Cheguei à conclusão que sou gay e iniciei recentemente um relacionamento com um homem. Não tenho quaisquer dúvidas quanto à minha orientação sexual, mas não sei como contar à minha família e amigos, especialmente aos meus pais, pois acho que vão reagir mal.”

 

Marco

Caro Leitor,

Apesar de existir socialmente uma maior abertura de mentalidades, a questão da homossexualidade continua a ser assunto tabu rejeitado por muitas famílias. Neste sentido, é natural o seu receio em abordar esta questão com os seus pais. Existem algumas condicionantes que justificam a relutância, principalmente quando os implicados se tratam de filhos. As expectativas dos pais é quase sempre que os filhos se casem e lhes dêem netos de modo a alargar a família. Por isso, muitas vezes, falar de relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo revela-se bastante complicado. Tente compreender a posição dos seus pais, não é fácil aceitar e lidar com uma situação que em nada tem a ver com aquela que idealizaram. Daí, por vezes, a aceitação não seja tão positiva.

De forma cautelosa, procure mostrar aos seus pais que a sua felicidade está junto da pessoa que ama, independentemente do seu sexo. Mostre-lhes que compreende a posição deles, mas peça-lhes que compreendam também os seus sentimentos. Certamente, por gostarem de si, entenderão e respeitarão a sua decisão.

“Depois do orgasmo não consigo respirar!”

“Tenho 30 anos e recentemente comecei a ter um problema que nunca me tinha acontecido antes. No momento em que atinjo o orgasmo a minha garganta fecha-se e durante algum tempo não consigo respirar. Apanhei um grande susto porque da última vez estive meia hora com a garganta fechada, conseguia respirar de dois em dois minutos e depois voltava a fechar. Neste momento tenho medo de voltar a ter um orgasmo e do que pode acontecer a seguir! O que posso fazer?”

 

Teresa, Viana do Castelo

 

Cara leitora,

Algumas pessoas sofrem ataques de asma durante ou depois de atividade física mais exaustiva, mas embora a situação que descreve se possa dever a asma, nesta situação é indispensável consultar o seu médico para poder detetar a causa da situação e resolvê-la. No caso de se tratar de asma, em princípio utilizar uma bomba inaladora antes de fazer amor poderá evitar que fique com falta de ar quando atinge o orgasmo ou quando a sua respiração acelera. A exposição a substâncias às quais é alérgica também pode estar na origem dessas dificuldades respiratórias que relata. Por exemplo, são relativamente frequentes os casos de alergia ao látex dos preservativos, sendo que nesse caso a alergia se agrava com a repetida exposição ao material que a provoca, devendo experimentar usar preservativos de poliuretano, por exemplo. Por outro lado, a falta de respiração que descreve também pode estar associada a um ataque de pânico, um fenómeno químico que muitas pessoas experienciam e que pode ser despoletado por inúmeras razões. Uma vez que existem inúmeras causas possíveis e que se refletem numa questão fisiológica de grande importância deve sem dúvida consultar o médico para fazer exames e chegar a um diagnóstico.

“Quais os efeitos dos afrodisíacos?

 

 

“As minhas amigas falam muito sobre afrodisíacos e os poderes que têm, mas gostaria de perceber melhor quais são os seus efeitos.”

Rita, Montemor-o-Novo

 

 

 

Cara leitora,

Os afrodisíacos são produtos que, quando ingeridos, têm como finalidade o estímulo e aumento de desejo sexual e têm de facto efeitos práticos. São agentes químicos ou naturais e podemos encontrá-los em vários alimentos. Por ser uma técnica utilizada há séculos e por variados povos, é utilizada uma grande selecção de condimentos, aromas e incensos para estimular o apetite sexual. Os alimentos e condimentos afrodisíacos mais comuns são a pimenta, o morango, a canela e as ostras. Com estes e outros ingredientes podemos preparar receitas que despertam os sentidos e aumentam o prazer e o desejo sexual. Também existem agentes químicos, prescritos por especialistas, que despertam a vida sexual, ajudando na obtenção da erecção. Porém, há que ter cuidado ao ingerir este tipo de produtos afrodisíacos pois alguns, quando em excesso, podem causar efeitos secundários muito perigosos. 

“ Quando atinjo o orgasmo tenho dores de cabeça muito fortes”

“Ultimamente tenho sentido dores de cabeça muito intensas durante e depois do orgasmo, gostaria de saber qual é o problema. Devido a isso tenho evitado ter relações, mas a minha esposa acha que estou a inventar desculpas para não fazer amor com ela…”

 

Caro leitor:

De acordo com a Nacional Headache Foundation nos Estados Unidos uma pessoa pode experimentar dois tipos de dor de cabeça durante a relação sexual.

A “Dor Coital” que ocorre durante a relação sexual e antes do orgasmo. Essa dor é devida à simultânea dilatação das veias do cérebro e à contracção dos músculos do pescoço e cabeça em preparação para o orgasmo. Geralmente essa dor não está associada a graves problemas médicos. Tente tomar um comprimido para as dores de cabeça antes de iniciar a relação sexual, e manter a cabeça quieta durante uns segundos. O outro tipo de dor é a “Dor Orgásmica” que ocorre imediatamente antes do orgasmo. Esta dor pode ser devido à pressão alta e geralmente afecta mais homens do que mulheres.

Em ambos os casos se as dores lhe ocorrem com frequência aí aconselho-o a consultar um médico pois podem ser sintomas de algo mais sério.

“Não quer fazer amor comigo…”

“Há mais ou menos três meses que a minha esposa se recusa a fazer amor comigo. A situação está a ficar saturante e acho que o meu casamento está por um fio.”

 

Rui, Alenquer

Caro Leitor,

Nem sempre as coisas correm da forma como mais desejamos, ainda mais numa vida partilhada a dois. É neste tipo de caso que o diálogo é extremamente fundamental para que os problemas não se arrastem por um tempo indeterminável ou que se agravem mais.

O comportamento que a sua esposa adotou é de alguma reserva e é importante que o motivo dessa apatia sexual seja averiguado. Procure perceber se a sua esposa está a atravessar um período difícil ou se existe algum mal-entendido entre vós que está a inibi-la sexualmente.

É fundamental que se lembrem que uma relação deve-se basear em atitudes de compreensão, diálogo, respeito e tolerância. Comportem-se com humildade e conversem sobre o estado em que se encontra o vosso casamento. Se se amam verdadeiramente não deixem que problemas como estes dominem a vossa vida.