Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Tomei a pílula do dia seguinte várias vezes… faz mal?

c9cbwbpk-1397091399.jpg

 

"Já tomei 3 vezes a pílula do dia seguinte porque o preservativo rebentou e o meu namorado ejaculou dentro de mim. Tenho medo de vir a ter problemas de saúde porque já ouvi dizer que é muito forte. Será que faz mal? O que devo fazer?"

Carla - Braga

 

Cara leitora,

A pílula do dia seguinte ou contraceção de emergência é muito semelhante às outras pílulas, pelo que não precisa de se preocupar com efeitos secundários de a ter tomado. A ação desta pílula, que pode ser tomada até 150 horas depois da relação desprotegida, passa por atrasar ou adiantar a ovulação, alterar o revestimento do útero, de modo a torná-lo incapaz de receber o ovo já fecundado, impedindo a sua fixação (implantação) e portanto a evolução de uma gravidez. Se a pílula tiver sido tomada antes de acontecer a ovulação, é natural que o período menstrual atrase. Se foi tomada depois de haver ovulação apenas vai impedir a nidação, o período pode aparecer na altura certa ou até antes. As estatísticas dizem que muitas mulheres têm o período mais ou menos na altura certa, em 20 a 30% antecipa e em 10 a 20% atrasa. Apesar da eficácia desta pílula, deve escolher um método contracetivo de uso sistemático e preventivo, que a deixe mais segura, como a contraceção hormonal (a pílula contracetiva, o anel vaginal, o adesivo, as injeções hormonais), o preservativo, que vos protege igualmente de infeções sexualmente transmissíveis, ou outros métodos recomendados pelo seu médico assistente. Vai ver que se sentirá mais segura e livre para aproveitar as relações sexuais e o prazer que pode ter com elas!

“Sou insaciável…”

 

“Tenho 30 anos e estou casada há seis meses com o homem que amo. Iniciei a minha vida sexual muito jovem e sempre gostei de sexo. A verdade é que não consigo deixar passar um dia sem fazer amor com o meu marido… será que isso pode fazer mal à saúde?”
 
Alexandra
 
Cara leitora,
Desde que ambos sejam saudáveis, e façam consultas médicas de rotina frequentemente para se certificarem de que está tudo bem, em princípio não tem com que se preocupar. Não existe nenhuma regra que determine qual a frequência com que um casal deve ter relações sexuais, e geralmente os casais mais jovens fazem amor com muita frequência. Desde que estejam de acordo no que diz respeito ao número de vezes que têm relações sexuais por semana, não existe nenhum problema em fazê-lo todos os dias!

“ Ela gosta mais do vibrador do que de mim!”

“No Natal ofereci um vibrador à minha mulher para ela se entreter enquanto eu vou em viagens de trabalho. Agora mesmo quando eu estou cá noto que ela gosta mais do vibrador do que de mim...”

 

 

Caro leitor:

Relembro ao leitor que um vibrador é um mero diapositivo eléctrico para estimular os órgãos sexuais. Concerteza a sua mulher gosta mais de si do que de um objecto. Talvez a nível sexual ela prefira o vibrador, por isso mude de táctica. Comece a excita-la mais, a dar-lhe mais carinho, e a procurar saber o que ela mais gosta a nível sexual. Partilhe com a sua esposa as suas inseguranças.

Ejaculo com muita rapidez

impotenza2.jpg

 

"Quando tenho relações sexuais ejaculo muito rapidamente e não tenho a mesma reação sexual que tinha dantes. Isto aconteceu de um momento para o outro, mas tenho apenas 28 anos, o que me deixa muito assustado."

Manuel - Faro

 

Caro leitor,

Os problemas sexuais podem surgir repentinamente, depois de uma experiência que correu mal e que ficou marcada na memória. A ansiedade de antecipar o que pode voltar a acontecer pode levar a que aconteça o mesmo, pois está preocupado e menos dedicado a sentir prazer. Por outro lado, outros fatores podem influenciar a sua capacidade de ter relações sexuais e a penetração: ter um problema, estar cansado, ter bebido muito álcool. Tente abstrair-se de problemas, relaxar, não partir logo para a penetração mas demorar nas carícias, sentir o corpo da outra pessoa e o prazer e satisfação que lhe pode oferecer, descobrir as suas zonas erógenas preferidas… Apesar destas sugestões úteis, penso que deveria consultar um especialista, que lhe esclareça esta questão e lhe dê um apoio presencial, pois pode prevenir que este problema continue e o faça sentir-se cada vez pior consigo próprio e nas suas relações sexuais. Não tenha vergonha, a ejaculação precoce ou prematura é muito frequente em homens de muitas idades e tem tratamento.

“O meu namorado não quer fazer sexo oral…”

 

 

 

“O meu namorado já me fez uma vez sexo oral, o que me deixou completamente excitada, e gostava que ele o repetisse, mas cada vez que lhe peço para o fazer diz-me que não. Porque será que ele tem tanta aversão ao sexo oral?”

Carla, Bragança

 

Cara Leitora,

Os homens são bastante diferentes entre si, tendo preferências sexuais também diferentes. Sexo oral é algo que requer bastante confiança e cumplicidade entre parceiros. O mais indicado a fazer na sua situação é perguntar ao seu namorado o que é que ele não gostou da vez que o fizeram, e tentar evitar que isso volte a acontecer. Não deverá obrigá-lo, mas deve dizer-lhe que poderá parar assim que o desejar.

 

“Não concordo com sexo antes do casamento!”

“Namoro há 3 anos com um rapaz com quem quero casar, mas apesar de eu já lhe ter dito que não quero ter relações antes do casamento, ele continua a insistir. Já não sei o que fazer.

Cristina, Valongo

Cara Leitora,

 

A leitora não é a única mulher que, por razões culturais ou religiosas, decide esperar pelo casamento para iniciar a actividade sexual. Casar virgem foi um modelo social padronizado durante muitos anos devido à não existência de uma forma contraceptiva eficaz, e apesar de existirem hoje em dia formas
eficazes de contracepção, esta tradição ainda se encontra instituída na mentalidade de algumas mulheres. Portanto, se casar virgem é algo importante
para si, não ceda aos pedidos do seu namorado, pois se ele a ama realmente, deve respeitar a sua vontade. 

“Falta de apetite sexual”

“Amo o meu marido mas não sou capaz de lhe dizer que não me apetece fazer amor, pois tenho medo que não me compreenda e me deixe. Fazer amor torna-se um sacrifício! O que hei-de fazer?”

 

Soraia, Setúbal

 

Cara Leitora,

A falta de desejo a nível sexual pode ser resultante de problemas emocionais entre o casal, um parto, a amamentação, a menopausa e disfunções sexuais. Esta situação também pode ser provocada por doenças orgânicas, medicação e abuso de substâncias. O stress vivido no dia-a-dia, a rotina do próprio casal, e o cansaço físico e mental agravam ainda mais esta situação. O desinteresse sexual não deve ser confundido com falta de amor, pois este é um sentimento verdadeiro e profundo. Para que não surjam mal entendidos no seu casamento converse com o seu marido e procurem juntos descobrir a causa do seu desinteresse sexual. E, se necessário, consulte um especialista em sexologia, para que este os possa ajudar a respeito do tratamento mais eficaz para si.

“Perco a erecção com facilidade…”

 

“A minha mulher não consegue engravidar e eu gostaria de saber se o motivo e que o depois de ejacular o meu pénis não fica erecto. “

 Vasco, Castelo Branco

 

Caro Leitor,

 Adopte uma postura mais tranquila, pois após a ejaculação é normalíssimo não continuar com o pénis erecto, uma vez que os homens têm uma fase após a ejaculação durante a qual não conseguem responder a estímulos sexuais. A esta fase dá-se o nome de período refractário. A duração deste período varia de homem para homem, porém será maior quanto mais idade o homem tiver.

 

O facto de a sua esposa não engravidar não está de forma alguma relacionado com a falta de erecção depois da ejaculação, pois uma vez que se dá a ejaculação, a erecção não é necessária para que a gravidez aconteça. Para que possam esclarecer qualquer dúvida, consultem um médico especializado, pois ele será a pessoa indicada para diagnosticar as causas dessa dificuldade em engravidar. Todavia, enquanto não consultam um médico, mantenham-se
descontraídos, porque a tensão em que ambos se encontram, causada pelo desejo de ser pais, pode ser uma das causas que dificultam a gravidez.  

“A minha mulher tem pouca lubrificação…”

 

“A minha mulher tem muitas dores durante o acto sexual devido a ter dificuldade em ficar lubrificada. A que se deve essa dificuldade?”

João, Castelo de Vide

Caro leitor,

Algumas mulheres necessitam de mais tempo para atingir uma lubrificação que permita  que o coito seja praticado de forma confortável. Para evitar que a sua mulher tenha dores durante a penetração é importante que ela esteja bem lubrificada antes de inserir o pénis, e isto pode ser conseguido através de preliminares mais demorados. Use e abuse da sua imaginação para que possa excitar a sua esposa, pois a excitação ajuda bastante no processo de lubrificação. Esta fase dos preliminares é importante para que se conheçam as zonas erógenas do parceiro de forma a promover uma relação satisfatória.
Experimentem outras posições sexuais, pois algumas posições são absolutamente desconfortáveis para as mulheres, minorando a lubrificação e dificultando a penetração. Pode também recorrer a utilização de um gel lubrificante que pode ser utilizado no sexo vaginal e anal antes da penetração. 

“Não sou capaz de chegar ao orgasmo…”

 

 “Tenho 21 anos e desde os 16 que iniciei a minha vida sexual. Já tive 3 parceiros e actualmente estou com o mesmo parceiro há mais de 5 anos.

O que acontece é que nunca consegui atingir o orgasmo, primeiro pensámos que era por ainda ser inexperiente, mas passado tanto tempo e de tentarmos tantas posições, contactos, e novas maneiras de prazer, confesso que estou muito preocupada, uma vez que quando estou quase a atingir o orgasmo, sinto uma dor que me dá vontade de parar, e essa situação acaba por me frustrar a mim e ao meu marido, já não sei o que fazer...”


Ana, Matosinhos

 

Cara leitora,

 

É importante saber se conseguiu atingir o orgasmo com outros parceiros antes do seu actual. E sozinha, na masturbação? Não tenha vergonha de descobrir como prefere a estimulação na sua intimidade pessoal – tal é essencial para a descobrir numa relação íntima posteriormente. Apenas neste sentido a experiência é importante: o orgasmo feminino é aprendido, encenado num contexto de erotismo e romantismo, muitas vezes diferente do masculino.

Não tenha vergonha de pedir ao seu parceiro para a ajudar nesta encenação: faça jantares à luz da vela, banhos de imersão com aromas de que goste, conversas apaixonadas sobre o vosso amor…qualquer coisa que a estimule a sentir-se à vontade, apaixonada e liberta de preconceitos com a sua sexualidade.

As experiências que fez (de posições, contactos, etc.) podem falhar o objectivo do orgasmo por estar a pensar demasiado nele. A atenção focada no que está a acontecer pode influenciar que a sua resposta sexual seja interrompida e desviada do prazer, para focar essa preocupação de não estar a sentir a satisfação do orgasmo. Isto é um ciclo vicioso que deve tentar contrariar através de pensamentos positivos, fantasias sexuais que lhe agradem, pensar no prazer do que está a sentir sem racionalizar demasiado. Este ciclo é ainda reforçado pela ansiedade de antecipação e pela frustração que vos afasta depois do sexo, em vez de se aproximarem.

Note bem que a maioria das mulheres atinge o orgasmo mais facilmente com outras estimulações sexuais, sem penetração vaginal. As carícias no clítoris, o sexo oral, a masturbação recíproca são modos que pode explorar na sua relação e que têm bons resultados.

A terapia sexual pode ser adequada para si e o seu parceiro, poderão explorar mais sugestões que vos agradem e evoluir juntos na descoberta da vossa sexualidade.