Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Serão saudades da minha ex-namorada?”

“Acabei uma relação há cerca de um ano e tenho outra namorada, que é linda e desejável. No entanto, de há uns tempos para cá comecei a sentir falta da minha ex-namorada, tenho andando em baixo e aconteceu-me uma coisa que nunca tinha sucedido antes, não consigo segurar a ereção. Será que se trata de uma depressão? A verdade é que perdi o interesse na minha namorada atual… devo contactar a minha ex?”

 

Cláudio, Beja

 

Caro leitor,

Por aquilo que descreve parece já ter encontrado a explicação para o seu problema. A depressão e o stress interferem no desempenho sexual, mas à partida o facto de pensar constantemente na sua ex pode estar relacionado com a perda de interesse pela sua parceira atual (e não o contrário). Se estivesse satisfeito com a sua relação atual não pensaria numa relação que, se fosse satisfatória, não teria terminado. Assim o melhor será terminar com a sua atual namorada e, antes de entrar em contacto com a sua ex, avaliar o que se passa consigo. Deve consultar o seu médico, caso tenha outros sintomas depressivos. Se continuar com o desejo de retomar o contacto com a sua ex pode fazê-lo, estando, no entanto, preparado para uma possível rejeição que pode, ainda assim, ajudá-lo a aceitar definitivamente o fim. Deve ter também em consideração o estado de calamidade em que vivemos, evitando correr riscos. Lembre-se também que só quando estiver tudo bem claro na sua cabeça pode e deve iniciar outro relacionamento – é mais honesto consigo, e com a pessoa com quem está.

Ela quer fazer sempre a mesma coisa!”

Quarantines, Cabin Fever, And Baby Booms | Jack Fisher's Official  Publishing Blog“A minha esposa quer fazer amor sempre da mesma maneira porque acha que se assim temos prazer não há motivo para mudar. Já tentei pedir-lhe para fazermos outras posições mas ela não quer mudar, e confesso que isto me está a fazer perder o desejo por ela. O que hei-de fazer?”

Nuno, Sacavém

Caro leitor,

A questão principal tem a ver com a comunicação entre os parceiros. Nem sempre as duas pessoas apreciam o mesmo tipo de práticas, mas importa compreender quais são os motivos que levam a sua esposa a não querer mudar. Poderá haver receios que ela não manifesta ou pode não se sentir suficientemente à vontade com o seu corpo e com a sua sexualidade, preferindo manter uma postura dentro do que ela considera tradicional. Pode, também, haver algum tipo de experiência que a marcou de forma negativa, mesmo que não tenha acontecido especificamente com ela, e que ela associe a algo que é desagradável ou indesejável. Assim, lembre-se que se não conversar abertamente com ela, deixando sobretudo espaço para que ela se sinta confortável a explicar os motivos que a levam a agir dessa forma, estará a afastar-se cada vez mais, e será cada vez mais difícil preservar a união. Quando um casal se cala em relação a algo que está a incomodar um ou os dois, está apenas a deixar que aumente a distância entre ambos, chegando a pontos muitas vezes irreversíveis. Pode ser benéfico para ambos, também, fazer terapia de casal com um terapeuta especializado, mesmo que as consultas sejam feitas por videochamada.

“Ela quer fazer sempre a mesma coisa!”

Annoyed guy eye roll and facepalm irritated | Free Picture on Freepik

“A minha esposa quer fazer amor sempre da mesma maneira porque acha que se assim temos prazer não há motivo para mudar. Já tentei pedir-lhe para fazermos outras posições mas ela não quer mudar, e confesso que isto me está a fazer perder o desejo por ela. O que hei-de fazer?”

Nuno, Sacavém

Caro leitor,

A questão principal tem a ver com a comunicação entre os parceiros. Nem sempre as duas pessoas apreciam o mesmo tipo de práticas, mas importa compreender quais são os motivos que levam a sua esposa a não querer mudar. Poderá haver receios que ela não manifesta ou pode não se sentir suficientemente à vontade com o seu corpo e com a sua sexualidade, preferindo manter uma postura dentro do que ela considera tradicional. Pode, também, haver algum tipo de experiência que a marcou de forma negativa, mesmo que não tenha acontecido especificamente com ela, e que ela associe a algo que é desagradável ou indesejável. Assim, lembre-se que se não conversar abertamente com ela, deixando sobretudo espaço para que ela se sinta confortável a explicar os motivos que a levam a agir dessa forma, estará a afastar-se cada vez mais, e será cada vez mais difícil preservar a união. Quando um casal se cala em relação a algo que está a incomodar um ou os dois, está apenas a deixar que aumente a distância entre ambos, chegando a pontos muitas vezes irreversíveis. Pode ser benéfico para ambos, também, fazer terapia de casal com um terapeuta especializado, mesmo que as consultas sejam feitas por videochamada.

“Apaixonei-me por um rapaz mais novo”

4e6f4db2308435ef5f402ad400bc01a7.jpg

“Tenho 35 anos, sou divorciada e não tenho filhos, mas tenho receio de assumir a relação com um rapaz 10 anos mais novo do que eu, e não sei o que devo fazer, pois ele está a pressionar-me para o fazer.

 

Luísa, Carregado

Cara leitora,

É comum a insegurança que diz sentir nesta situação, pois trata-se de um cenário menos comum numa sociedade que infelizmente ainda faz muitos juízos de valor. No seu caso, faça uma avaliação dos seus sentimentos por esse rapaz, e do rumo que essa relação poderá ter, uma vez que tem sido uma relação camuflada e longe dos olhares das outras pessoas. Tenha uma conversa franca com o seu companheiro de modo a averiguar se ele está na disposição de assumir publicamente o vosso amor, bem como todas as consequências que disso podem advir. Se verificar que, de facto, essa relação reúne condições para seguir em frente, por mais que lhe custe, não a oculte da sua família e amigos. Conte-lhes a verdade pois de facto você não está a fazer nada de errado, e tem todo o direito de ser feliz.

“Ela quer fazer sempre a mesma coisa!”

“A minha esposa quer fazer amor sempre da mesma maneira porque acha que se assim temos prazer não há motivo para mudar. Já tentei pedir-lhe para fazermos outras posições mas ela não quer mudar, e confesso que isto me está a fazer perder o desejo por ela. O que hei-de fazer?”

Nuno, Sacavém

Caro leitor,

A questão principal tem a ver com a comunicação entre os parceiros. Nem sempre as duas pessoas apreciam o mesmo tipo de práticas, mas importa compreender quais são os motivos que levam a sua esposa a não querer mudar. Poderá haver receios que ela não manifesta ou pode não se sentir suficientemente à vontade com o seu corpo e com a sua sexualidade, preferindo manter uma postura dentro do que ela considera tradicional. Pode, também, haver algum tipo de experiência que a marcou de forma negativa, mesmo que não tenha acontecido especificamente com ela, e que ela associe a algo que é desagradável ou indesejável. Assim, lembre-se que se não conversar abertamente com ela, deixando sobretudo espaço para que ela se sinta confortável a explicar os motivos que a levam a agir dessa forma, estará a afastar-se cada vez mais, e será cada vez mais difícil preservar a união. Quando um casal se cala em relação a algo que está a incomodar um ou os dois, está apenas a deixar que aumente a distância entre ambos, chegando a pontos muitas vezes irreversíveis. Pode ser benéfico para ambos, também, fazer terapia de casal com um terapeuta especializado, mesmo que as consultas sejam feitas por videochamada.

“Não me consigo concentrar”

“Devido a muitas situações que aconteceram na minha vida, há muito tempo que não estava com uma mulher. Agora namoro e as coisas estão a correr bem, mas o problema é que tenho medo de falhar e não consigo estar concentrado.”

 

Alberto, Viana do Castelo

Caro Leitor,

 

Depois de tantos anos sem ter contacto direto com uma mulher, é normal que se sinta inseguro e isso se reflita no seu desempenho sexual. A ansiedade e nervosismo são fatores que em nada abonam a seu favor. Neste sentido, deixe-se levar pelos seus sentimentos eróticos e pelos estímulos que o seu corpo emite. Procure relaxar e vá com calma, pois o seu enorme medo de falhar poderá dificultar a ereção e deitar tudo a perder. Aposte nos preliminares e peça a colaboração e compreensão da sua namorada.

Nem sempre é fácil, mas tente manter-se descontraído para que tudo corra pelo melhor. Evite ser tão exigente consigo mesmo e vá à descoberta de novas sensações. Lembre-se que falhar é humano e que aos poucos irá melhorar o seu desempenho e desenvoltura. Acredite em si, pois isso refletir-se-á na sua performance e na sua autoestima.

“Ela está cada vez mais distante…”

Worried man in the office by Wavebreakmedia | VideoHive

 

“Tenho uma relação há um ano com uma colega da Faculdade. No entanto, devido à situação atual da pandemia não nos vemos há mais de três meses e ela está cada vez mais distante, raramente demonstra amor por mim, pouco fala sobre nós nas mensagens que trocamos, está sempre ocupada com os estudos e está a pensar em arranjar emprego para ajudar os pais. A minha namorada foi violada quando era mais jovem e tem dificuldade em confiar em alguém. O que devo fazer nesta situação? Amo-a e não a quero perder.”

 

Rui, Funchal

Caro leitor,

A comunicação é sempre o elemento-chave em qualquer relação e, quer um casal partilhe a mesma casa, quer viva a quilómetros de distância, só ela pode construir um presente estável e assegurar um futuro sólido. O facto de a sua namorada ter sofrido abusos sexuais pode, sem dúvida, condicionar a forma como ela lida com as relações, exigindo da sua parte uma dose maior de compreensão, sabendo respeitar o tempo dela. No entanto, este afastamento pode não ter nada a ver com o passado: ela pode estar preocupada com a situação que está a viver, ou pode sentir que as suas próprias necessidades não são satisfeitas na vossa relação. Por isso, aconselho a que se mostre disponível para ouvi-la, explicando-lhe que sente falta de maior proximidade, mesmo que à distância, e sabendo respeitar a sua resposta e o seu tempo.

“O meu marido nunca quer ter relações comigo.”

“Engordei bastante depois de ter tido o meu filho e sinto-me bastante mal por causa disso, pois era uma mulher atraente e normalmente chamava as atenções, cheguei a ganhar um concurso de modelos quando era mais jovem. Para piorar ainda mais a situação, noto que o meu marido perdeu o interesse sexual em mim, nunca me procura e quando eu quero fazer amor ele esquiva-se. O que devo fazer?”

 

Joana, Braga

 

Cara leitora,

Parece que o peso que ganhou a incomoda bastante, e imagino que apesar de dizer que o seu marido não tem interesse em si sexualmente, que você também não se deve sentir muito atraente ou sexy. Por isso, terá de decidir primeiro o que quer fazer para melhorar a sua auto-estima, pode tentar perder algum desse peso pois parece que isso a iria fazer mais feliz, e pode entretanto tentar vestir-se de forma que se sinta mais bonita e atraente, mesmo com o peso que tem, pois existem muitas mulheres que têm excesso de peso e nem por isso deixam de ser sexy e bonitas. Quanto ao seu marido, converse com ele acerca do que tem estado a sentir, pois pode ser que algo diferente se esteja a passar com ele e que faça com que ele tenha esta atitude em relação a si. Lembre-se que ter um bebé em casa muda muito a rotina e a vida do casal, e o seu marido pode estar também a sentir-se perdido em relação ao papel que tem na família e na sua relação consigo, ou apenas cansado com o acréscimo de tarefas que o cuidado de um bebé implica.

“Serão saudades da minha ex-namorada?”

Stop Feeding the Beast: A Therapist's Approach to Treating Men with Severe  Depression | NewHarbinger.com

“Acabei uma relação há cerca de um ano e tenho outra namorada, que é linda e desejável. No entanto, de há uns tempos para cá comecei a sentir falta da minha ex-namorada, tenho andando em baixo e aconteceu-me uma coisa que nunca tinha sucedido antes, não consigo segurar a ereção. Será que se trata de uma depressão? A verdade é que perdi o interesse na minha namorada atual… devo contactar a minha ex?”

 Cláudio, Beja

 

Caro leitor,

Por aquilo que descreve parece já ter encontrado a explicação para o seu problema. A depressão e o stress interferem no desempenho sexual, mas à partida o facto de pensar constantemente na sua ex pode estar relacionado com a perda de interesse pela sua parceira atual (e não o contrário). Se estivesse satisfeito com a sua relação atual não pensaria numa relação que, se fosse satisfatória, não teria terminado. Assim o melhor será terminar com a sua atual namorada e, antes de entrar em contacto com a sua ex, avaliar o que se passa consigo. Deve consultar o seu médico, caso tenha outros sintomas depressivos. Se continuar com o desejo de retomar o contacto com a sua ex pode fazê-lo, estando, no entanto, preparado para uma possível rejeição que pode, ainda assim, ajudá-lo a aceitar definitivamente o fim. Deve ter também em consideração o estado de calamidade em que vivemos, evitando correr riscos. Lembre-se também que só quando estiver tudo bem claro na sua cabeça pode e deve iniciar outro relacionamento – é mais honesto consigo, e com a pessoa com quem está.

“Amor sem desejo”

Free Photo | Sad couple holding hands“Sou casada há um ano, após 5 anos de namoro. Amo o meu marido e não tenho dúvidas quanto a isso, mas perdi o desejo sexual. Quando ele chega basta aproximar-se de mim para ficar excitado, mas eu não sinto o mesmo, apesar de sentir amor. Gostaria de saber se existe remédio estimulante que me possa ajudar.”

 

Sandra, Felgueiras

 

Cara leitora,

O desejo sexual pode ser muito diferente entre homens e mulheres: os primeiros têm-no mais espontaneamente, por estímulos visuais (vê-la de certa maneira que considera sensual, por exemplo) e as mulheres mais em resposta a qualquer coisa que lhes agrada (um gesto romântico, um jantar à luz das velas, um elogio muito esperado…). Não tem de se sentir mal consigo própria por não conseguir ter o mesmo desejo do seu marido – não há um nível “normal”, mas sim o que serve bem cada casal e vocês têm de comunicar bem os dois para encontrarem um compromisso que sirva o desejo de ambos, provavelmente menos do que o seu marido desejaria e mais do que a leitora realmente deseja.

Lembrem-se que ter relações sexuais não é apenas fazer penetração vaginal, podem explorar outras formas de se darem prazer um ao outro, como a masturbação, as carícias e massagens, sexo oral… Estas e outras formas podem ser alternativas a ter as relações vaginais e podem excitar-vos e satisfazer-vos. Pense se precisa de fazer alterações na sua vida e na sua relação para a deixarem com mais tempo para a sua sexualidade. Com efeito, se andar muito cansada, com muitas tarefas em casa e no trabalho, sem tempo de relaxamento, é difícil apetecer-lhe fazer amor espontaneamente e deve expressar as suas necessidades ao seu marido e pedir a sua ajuda.

Há também a possibilidade de fazer terapia de substituição hormonal, mas não é muito recomendável na sua idade (apenas mulheres que não desejam mais ter filhos e que estejam na menopausa). Há alguns tipos de gel lubrificantes que estimulam a circulação sanguínea na zona genital e ajudam a mulher a atingir o orgasmo. A utilização destes pode ajudar a aumentar o desejo sexual pois quanto mais orgasmos se tem mais se quer ter.