Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Ela está cada vez mais distante…”

Worried man in the office by Wavebreakmedia | VideoHive

 

“Tenho uma relação há um ano com uma colega da Faculdade. No entanto, devido à situação atual da pandemia não nos vemos há mais de três meses e ela está cada vez mais distante, raramente demonstra amor por mim, pouco fala sobre nós nas mensagens que trocamos, está sempre ocupada com os estudos e está a pensar em arranjar emprego para ajudar os pais. A minha namorada foi violada quando era mais jovem e tem dificuldade em confiar em alguém. O que devo fazer nesta situação? Amo-a e não a quero perder.”

 

Rui, Funchal

Caro leitor,

A comunicação é sempre o elemento-chave em qualquer relação e, quer um casal partilhe a mesma casa, quer viva a quilómetros de distância, só ela pode construir um presente estável e assegurar um futuro sólido. O facto de a sua namorada ter sofrido abusos sexuais pode, sem dúvida, condicionar a forma como ela lida com as relações, exigindo da sua parte uma dose maior de compreensão, sabendo respeitar o tempo dela. No entanto, este afastamento pode não ter nada a ver com o passado: ela pode estar preocupada com a situação que está a viver, ou pode sentir que as suas próprias necessidades não são satisfeitas na vossa relação. Por isso, aconselho a que se mostre disponível para ouvi-la, explicando-lhe que sente falta de maior proximidade, mesmo que à distância, e sabendo respeitar a sua resposta e o seu tempo.

“Serão saudades da minha ex-namorada?”

worried man - Corporate Bytes

 

“Acabei uma relação há cerca de um ano e tenho outra namorada, que é linda e desejável. No entanto, de há uns tempos para cá comecei a sentir falta da minha ex-namorada, tenho andando em baixo e aconteceu-me uma coisa que nunca tinha sucedido antes, não consigo segurar a ereção. Será que se trata de uma depressão? A verdade é que perdi o interesse na minha namorada atual… devo contactar a minha ex?”

 

Cláudio, Beja

 

Caro leitor,

Por aquilo que descreve parece já ter encontrado a explicação para o seu problema. A depressão e o stress interferem no desempenho sexual, mas à partida o facto de pensar constantemente na sua ex pode estar relacionado com a perda de interesse pela sua parceira atual (e não o contrário). Se estivesse satisfeito com a sua relação atual não pensaria numa relação que, se fosse satisfatória, não teria terminado. Assim o melhor será terminar com a sua atual namorada e, antes de entrar em contacto com a sua ex, avaliar o que se passa consigo. Deve consultar o seu médico, caso tenha outros sintomas depressivos. Se continuar com o desejo de retomar o contacto com a sua ex pode fazê-lo, estando, no entanto, preparado para uma possível rejeição que pode, ainda assim, ajudá-lo a aceitar definitivamente o fim. Deve ter também em consideração o estado de calamidade em que vivemos, evitando correr riscos. Lembre-se também que só quando estiver tudo bem claro na sua cabeça pode e deve iniciar outro relacionamento – é mais honesto consigo, e com a pessoa com quem está.

 

“Ele pede-me para lhe apertar o pescoço…”

Sore Throat - How to Get Rid of A Sore Throat | familydoctor.org

 

“Namoro há dois anos com o meu namorado e temos uma boa relação. No entanto, quando estamos a fazer amor ele pede-me que lhe aperte o pescoço com força antes dele ter um orgasmo. Eu tenho medo de o matar!”

 

Sandra, Aveiro

 

Cara leitora,

a asfixia induzida é uma prática usada por algumas pessoas para intensificar os orgasmos, sendo muito perigosa na medida em que pode facilmente provocar a morte ou danos irreversíveis para o cérebro. Há pessoas que apreciam esta prática porque o facto de o cérebro receber menos oxigénio faz com que o lóbulo frontal se “desligue” e, desse modo, a pessoa perca o autocontrolo, libertando-se mais a nível de fantasias e tendo mais intensidade de sensações, com a possibilidade de ter orgasmos mais intensos. No entanto, esta prática é muito perigosa, e como tal caso aceda em fazer-lhe a vontade é essencial que mantenham uma comunicação clara, e que avance com calma, parando ao mínimo sinal de desconforto dele. Devem estabelecer também um código de segurança, para que ele lhe possa pedir que páre. Nunca avance mais do que sente que é confortável para o seu marido e não prolongue essa atividade por mais que alguns segundos.

“Ela quer fazer sempre a mesma coisa!”

Annoyed guy eye roll and facepalm irritated | Free Picture on Freepik

“A minha esposa quer fazer amor sempre da mesma maneira porque acha que se assim temos prazer não há motivo para mudar. Já tentei pedir-lhe para fazermos outras posições mas ela não quer mudar, e confesso que isto me está a fazer perder o desejo por ela. O que hei-de fazer?”

Nuno, Sacavém

Caro leitor,

A questão principal tem a ver com a comunicação entre os parceiros. Nem sempre as duas pessoas apreciam o mesmo tipo de práticas, mas importa compreender quais são os motivos que levam a sua esposa a não querer mudar. Poderá haver receios que ela não manifesta ou pode não se sentir suficientemente à vontade com o seu corpo e com a sua sexualidade, preferindo manter uma postura dentro do que ela considera tradicional. Pode, também, haver algum tipo de experiência que a marcou de forma negativa, mesmo que não tenha acontecido especificamente com ela, e que ela associe a algo que é desagradável ou indesejável. Assim, lembre-se que se não conversar abertamente com ela, deixando sobretudo espaço para que ela se sinta confortável a explicar os motivos que a levam a agir dessa forma, estará a afastar-se cada vez mais, e será cada vez mais difícil preservar a união. Quando um casal se cala em relação a algo que está a incomodar um ou os dois, está apenas a deixar que aumente a distância entre ambos, chegando a pontos muitas vezes irreversíveis. Pode ser benéfico para ambos, também, fazer terapia de casal com um terapeuta especializado, mesmo que as consultas sejam feitas por videochamada.

“Sexo ao telefone… como fazer?”

You Should Try Phone Sex During the Coronavirus Quarantine - InsideHook

 

“Eu e o meu namorado vivemos em cidades distintas e, devido ao confinamento e às restrições de circulação entre conselhos, temos estado mais tempo afastados. Ele já deu a entender que gostava de fazer sexo pelo telefone mas eu sou tímida e não sei como posso fazer isso…”

 

Gabriela, Famalicão

 

Cara leitora,

Em primeiro lugar importa reforçar que nunca deve fazer algo com que não se sente confortável, quer seja porque se sente indiretamente pressionada, quer por imposição explícita de outra pessoa, quer seja porque acha que é aquilo que é esperado de si. em segundo lugar, o sexo ao telefone pode ser estimulante e uma boa forma de superar distâncias e apimentar uma relação, mas requer que haja confiança mútua. Por fim, quanto à sua questão, tudo depende da sua relação: evite ideias pré-concebidas, deixe que a conversa flua nesse sentido, de forma tranquila, como aconteceria se estivessem juntos fisicamente. Faça-o num lugar onde está à vontade e sabe que pode ter privacidade. Pode começar por expressar o que gostaria de fazer com ele se estivessem juntos, sendo o mais descritiva possível, mas sempre sem se obrigar a seguir “um guião”. O que mais importa é a proximidade, deixe que a conversa flua como se estivessem perto. Uma vez que não se vêem nem se tocam, as palavras importam, assim como os sons, a respiração… Tudo aquilo que faça com que se sintam mais próximos. Caso se sintam à vontade podem, inclusivamente, explorar os próprios corpos e ir partilhando aquilo que estão a sentir.

 

“Às vezes mais parece que estou a fazer amor sozinho…”

Free Photo | Worried man sitting on bed in the morning, serious thinking  something“Há algum tempo que a minha esposa participa muito pouco na vida sexual. Às vezes mais parece que estou a fazer amor sozinho. Estou a ficar intrigado. Será que ela tem outra pessoa?”

 Mário, Lousã

 

Caro leitor,

Antes de tomar qualquer decisão ou criar qualquer história na sua cabeça é importante que converse sem tabus e preconceitos com a sua esposa, pois a sua mudança de atitude poderá estar associada a algum problema que esteja a atravessar e não partilhou consigo. Neste tipo de situação, o diálogo é imprescindível porque, por vezes, a solução encontra-se ao nosso alcance, mas por falta de compreensão ou ausência de diálogo as situações vão-se agravando sem que as pessoas se apercebam. Assim sendo, seja objetivo e aborde de forma cautelosa a sua esposa, perguntando o que se passa com ela, mostrando interesse com o seu dia-a-dia e, muito importante, sendo bastante carinhoso. Estes gestos são importantes para que ela se sinta acompanhada e amada. Se mesmo depois da sua intervenção, ela se mostrar demasiadamente apática, o melhor será recorrer à ajuda de um médico.

“Não me consigo concentrar”

“Devido a muitas situações que aconteceram na minha vida, há muito tempo que não estava com uma mulher. Agora namoro e as coisas estão a correr bem, mas o problema é que tenho medo de falhar e não consigo estar concentrado.”

 

Alberto, Viana do Castelo

Caro Leitor,

 

Depois de tantos anos sem ter contacto direto com uma mulher, é normal que se sinta inseguro e isso se reflita no seu desempenho sexual. A ansiedade e nervosismo são fatores que em nada abonam a seu favor. Neste sentido, deixe-se levar pelos seus sentimentos eróticos e pelos estímulos que o seu corpo emite. Procure relaxar e vá com calma, pois o seu enorme medo de falhar poderá dificultar a ereção e deitar tudo a perder. Aposte nos preliminares e peça a colaboração e compreensão da sua namorada.

Nem sempre é fácil, mas tente manter-se descontraído para que tudo corra pelo melhor. Evite ser tão exigente consigo mesmo e vá à descoberta de novas sensações. Lembre-se que falhar é humano e que aos poucos irá melhorar o seu desempenho e desenvoltura. Acredite em si, pois isso refletir-se-á na sua performance e na sua autoestima.

"Não tenho prazer com ela!"

couple sad bed | Shana James Coaching

“Tenho um relacionamento com uma rapariga de quem gosto muito e com quem me identifico, mas ela não me consegue excitar e não tenho prazer nenhum quando temos relações sexuais. O que hei-de fazer para não a ferir?

César, Barcarena

 

Caro Leitor,

A comunicação verbal é muito importante em qualquer relação, se não houver diálogo, como é que ambos poderão saber o que se passa efetivamente com cada um, e encontrar a melhor forma de ultrapassar os diversos problemas que possam surgir, tal como aquele que descreve? Se o leitor não lhe disser o que lhe dá prazer, como poderá ela mudar? Tente ter uma conversa e abordar este assunto de uma forma subtil e, depois de iniciada a conversa, tente encaminhá-la no sentido que pretende. Quando ela fizer alguma coisa que o satisfaça sexualmente, demonstre-o através de gestos ou de carinhos para que ela possa perceber bem a mensagem que lhe está a transmitir, se ao contrário ela fizer algum gesto que não lhe agrade e que não o satisfaça sexualmente, comunique isso à sua namorada de forma carinhosa demonstrando como prefere que ela lhe toque.

 

"O meu marido engordou bastante e não me apetece fazer amor com ele"

When Your Husband Gets Fat

"Estou casada há 15 anos, e de há algum para cá o meu marido desleixou-se com o seu aspecto físico e tem engordado imenso. Não sei o que devo fazer, pois não me sinto atraída por ele quando ele tem tanto excesso de peso."

Maria, Guimarães

Cara leitora,

Principalmente depois de uma certa idade não é assim tão fácil mudar o corpo de uma pessoa de um momento para outro… mas também não se pode obrigar ninguém a sentir desejo sexual quando ele não existe. O metabolismo do homem e da mulher sofre alterações com a idade, o que faz com que as pessoas engordem se não reduzirem a quantidade de alimentos que ingerem e se não aumentarem a quantidade de exercício físico que fazem diariamente. Lembre-se que o seu marido está, certamente, tão aborrecido com essa situação como você. Tente conversar com ele de forma carinhosa, tentem "os dois" passar a caminhar juntos de manhã, ou fazer exercício no ginásio. Alterem a vossa alimentação, passando a consumir comida mais saudável, é importante que a leitora participe do processo, para que isso seja um projecto vosso e não uma imposição sua.

 

“Não lhe apetece fazer sexo!”

Couples fail bigtime at understanding partner's sad feelings: study |  Relationships News – India TV

“Amo muito a minha esposa e sempre nos demos muito bem a nível sexual, mas desde que ela teve o nosso filho, há 6 meses, já não tem vontade de fazer amor comigo…”

Luis, Lisboa

 

Caro leitor,

O nascimento de uma criança é sempre um período de adaptacao tanto a nível do relacionamento como a nivel sexual. Deixar de ter relações depois de ter um filho é bastante comum para vários casais. Alterações hormonais, depressão pós-parto ou cansaço são muitas vezes associados a diminuição de desejo, mas estas não são as únicas razões. É perfeitamente seguro ter relações após o nascimento do bebé, desde que a mulher se sinta psicologicamente e fisicamente preparada para tal. Aconselho-o a tentar aliviar algum do trabalho da sua esposa com o bebe, arramjem uma ama, ou alguem de familia que tome conta do bebe para que voces possam passar tempo juntos, criem novos cenários e fantasias, passe uns dias fora sozinhos, e isto irá ajudar o vosso relacionamento.