Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Será boa ideia fazer um strip?”

Vi na televisão uma rapariga que por gosto começou a fazer striptease e adorou. Por isso, lembrei-me se não seria boa ideia fazer striptease para o meu marido, pra apimentar a nossa relação. O que acha?”

Maria, Amarante

Cara Leitora,

 Surpreender é sempre uma boa fórmula para revitalizar qualquer relação. Neste sentido essa sua vontade em aprender a fazer striptease pode ser um bom elixir para dar um outro ânimo à sua vida conjugal. Desta forma, o uso da sua sensualidade poderá surpreender pela positiva o seu companheiro. Através de um comportamento irreverente e criativo poderá levar o seu marido ao delírio. Imagine a alegria dele ao ver a sua esposa a oferecer-lhe um show repleto de sensualidade. Apesar das dificuldades iniciais não se acanhe. O melhor será preparar tudo pormenorizadamente e não dispensar os pequenos detalhes que farão a diferença. Abra os cordões à bolsa e compre uma lingerie sexy, com um ar atrevido e de preferência com ligas. Não se esqueça dos sapatos altos, mas confortáveis para dançar. É muito importante ter em atenção à música escolhida para criar o ambiente perfeito. Basta colocar a imaginação a funcionar para conseguir proporcionar uma noite inesquecível ao seu marido. Poderá recriar inúmeras cenas fantasiando o que quiser.  Porém, tenha em conta que tudo o que é demais enjoa. Por isso, delicie o seu marido de vez em quando com um espetáculo de strip, mas procure as novidades das sex shops para continuar a sua vida sexual e quebrar a rotina do dia-a-dia.

 

O orgasmo feminino

 

 

 

 

Gostava que me tirasse uma dúvida. Quando faço amor com a minha namorada sinto que ela tem muito prazer, e manifesta alguns “comportamentos/sentimentos” estranhos como por exemplo: perde os sentidos dos braços e pernas, e também parte da visão por um determinado período de tempo. Eu pergunto-lhe o que se está a passar com ela,  porque razão fica assim, pois estou a ficar assustado e receio que ela não se esteja a sentir bem, mas ela diz que está mais que bem. No entanto pergunto-lhe às vezes se ela sentiu alguma vez um orgasmo, só que ela tem vergonha e não gosta de tocar no assunto e  diz-me “Eu é que sei o que sinto”.
 A minha dúvida é, como é que eu sei ou quais são os sintomas que uma mulher manifesta quando tem um orgasmo? Não há mal nenhum quando ela reage/sente tudo aquilo que citei anteriormente?
 
Muito obrigado.
 
 
Caro leitor,
O orgasmo feminino, tal como o masculino, é uma experiência muito pessoal e que pode variar muito consoante o momento de vida da pessoa. Não é fácil falar sobre a nossa sexualidade e talvez por isso a sua parceira tenha dificuldades em lhe dizer o que está a sentir. Não tem de ser negativo, pela sua descrição parece que ela está mesmo a sentir prazer e satisfação. Tente encontrar maneiras imaginativas de lhe expressar as suas preocupações e de conhecer os seus sentimentos, sem que ela se sinta avaliada ou julgada.
 
 

“Quero fazer sexo anal!”

 

 “Sempre tive o desejo de experimentar fazer sexo anal, mas tenho algum medo de o dizer à minha namorada pois acho que ela não vai aceitar muito bem esta ideia. Como devo abordar o assunto?”

 

Ricardo, Vila Franca de Xira

 

Caro Leitor,

 O sexo anal é um tabu para a grande parte das mulheres. Deve falar sobre esse assunto de forma cuidadosa sem que a sua namorada se sinta obrigada a concordar. Exponha-lhe a sua fantasia dando sempre a entender que não ficará magoado se ela lho negar, mesmo que até fique um pouco desapontado. Assegure-lhe que não a forçará a nada e que se decidirem fazê-lo, parará se ela assim o pedir. Caso a sua namorada concorde com a prática, não se esqueça do lubrificante, que é fundamental nesta situação!

“Os preliminares são assim tão importantes?”

“Adoro a minha mulher, já temos uma relação estável há 5 anos. No entanto, ela está constantemente a pedir-me para demorar mais tempo nos preliminares e às vezes queixa-se que eu não lhe dou prazer suficiente. A verdade é que nem sempre tenho paciência para preliminares… fazem assim tanta falta?”

Cláudio, Mafra

Caro leitor,

Em primeiro lugar precisa de estabelecer uma maior intimidade com a sua companheira durante a relação. Procure saber aquilo que mais a satisfaz e não tenha preconceitos em satisfazê-la, pois se o fizer é garantido que você também irá tirar maior prazer. Lembre-se que a relação sexual é um prazer a dois. Para a mulher o acto sexual é algo muito íntimo carregado de valor sentimental, por isso muitas mulheres gostam que o seu parceiro demonstre carinho, que as abrace e que as excite antes da penetração. Neste sentido, as mulheres dão muita importância aos preliminares, pois são eles que lhe permitem atingir o grau de excitação necessário para atingirem mais facilmente o orgasmo.

Sexo contribui para uma vida mais saudável

Estudos indicam que o sexo contribui para uma vida mais saudável e até actua como
'medicamento' preventivo em certas situações. De que forma e em que aspectos
isto pode ser verificado?

 

A sexualidade é uma dimensão muito importante da vida dos humanos, ainda mais hoje em dia, em que a sociedade está muito "sexualizada".
Os estímulos sexuais chegam-nos de toda a parte e por qualquer coisa. Nunca se falou e mostrou tanto sexo na história. No entanto, tal não significa mais informação adequada e sempre correcta. Provavelmente há tantos mitos e tabus como antes.  

O que constitui uma vida saudável depende muito de cada pessoa, mas para a maior parte de nós certamente que a sexualidade (e o sexo é apenas uma parte dela!) é uma fatia relevante do
bolo. Os afectos entre as pessoas, as relações familiares e íntimas, os contactos físicos e de proximidade são necessidades e factores de boa saúde mental e qualidade de vida no geral, que fazem parte da nossa sexualidade enquanto seres humanos. Pode prevenir-se assim a depressão e a ansiedade, o isolamento social e a solidão, as somatizações que alguns de nós têm (sintomas
físicos - como dores de cabeça, de costas ou outros - que reflectem problemas inconscientes de foro psicológico) e mesmo doenças que surgem a longo prazo na vida e que uma satisfação e qualidade de vida podem retardar o seu aparecimento.

Ao nível do sexo propriamente dito, das relações sexuais, o provérbio popular responde bem:
"A função faz o órgão" – ter ao longo dos anos uma vida sexual saudável e satisfatória previne o
aparecimento de disfunções sexuais como a disfunção eréctil (a impotência como se dizia antes), a falta de desejo ou libido, as dificuldades de excitação e de atingir o orgasmo. Desde que seja sexo seguro, protegido pelo preservativo e seguido medicamente pelo menos uma vez por ano (para avaliar possíveis infecções sexualmente transmissíveis, células pré-cancerígenas, fazer o
acompanhamento da contracepção utilizada, etc.) é saudável e muito desejável para o corpo e a mente terem uma vida sexual activa e feliz.

 

Orgasmo SIM, por favor!

 

 

Em primeiro lugar desejo, depois excitação e por fim orgasmo.

Esta seria linha orientadora ideal para atingir aquilo que todas as mulheres desejam na cama: prazer.

Porém, 27% do sexo feminino português confessa que raramente atinge o clímax, contra 1% dos homens.

O que pode estar por detrás desta grande diferença entre os dois sexos?

A verdade é que sexo não é apenas penetração e, principalmente, para as mulheres é muito
mais do que isso. Ela precisa de estar lubrificada, para se sentir preparada para o coito.

A mulher deixou de fingir, nos dias que correm exige mais do seu parceiro e ele, em princípio, também fará tudo para estar à altura de satisfazê-la.

Infelizmente, a repressora educação que sempre foi passada ao sexo feminino, ainda domina algumas mentes e isso pode, muitas vezes, inibir ambos. O que contribuiu, sem dúvida, para um orgasmo insatisfatório, principalmente da parte das mulheres que necessitam pelo menos de oito minutos para atingi-lo, contra três minutos que os homens podem levar a consegui-lo.

Mas afinal é tudo uma questão de timing?

Pode ser, mas não só! Há que “acertar” ritmos, passar ao parceiro informação, pois os homens gostam de ser instruídos. Utilize alguma linguagem corporal, bem como frases provocantes que permitam ao seu companheiro entender aquilo que precisa. Mas antes disso, e para saber dar
instruções necessita de conhecer o seu corpo.

Para si, também os preliminares são importantes, pois quanto mais longa a excitação, maior o clímax.

Alugue filmes picantes, envie mensagens eróticas ao seu parceiro, durante o dia, faça algo
com ele que vos provoque muita adrenalina. Na cama, evite a rotina, experimentem novas posições, descubram-se e se necessário utilizem brinquedossexuais para se estimularem mutuamente.

Na verdade, a imaginação não tem limites! Entregue-se ao prazer!

“Fazer sexo oral é normal?”

“Tenho uma namorada que é mais experiente sexualmente do que eu e todas as vezes que estamos juntos ela pede-me para fazermos sexo oral antes do coito, mas isso não me agrada. Porque será que ela faz esse pedido?”

 

Carlos, Castelo Banco

 

Caro leitor,

A grande maioria das mulheres atinge o orgasmo através da estimulação clitorial que pode ser feita através de estimulação oral ou manual. Uma vez que a sua namorada é mais experiente sexualmente do que o leitor, ela deve ter-se apercebido que essa é a única forma de ela atingir o orgasmo e por isso ela lhe pede para praticarem sexo oral antes do coito de forma a que ela atinja o orgasmo antes da penetração. Se essa prática não lhe agrada, aconselho-o a conversar com a sua namorada e a sugerir outras práticas sexuais que permitam que a sua namorada atinja o orgasmo, tais como a estimulação manual. No entanto a prática de sexo oral é algo perfeitamente normal e não acarreta quaisquer problemas de saúde, mas é importante que esta decorra de forma prazerosa para ambos. Agora cabe-lhe a si decidir se quer continuar a partilhar esse tipo de experiências com a sua companheira, mas deve levar em consideração que numa relação é importante que haja um diálogo aberto e franco para que tudo corra da melhor maneira.

“Sexo na banheira ou no chuveiro?”

“Adoro fazer amor no banho com o meu namorado, mas como tenho receio de engravidar gostava de saber se é mais seguro usar o chuveiro. É possível engravidar se o meu namorado ejacular na água da banheira, ou a água quente destrói o esperma?”

 

Catarina, Leiria

 

Cara leitora,

Fazer amor na banheira ou no chuveiro, por si só, não impede uma gravidez nem a transmissão de doenças. Embora estar numa banheira de água quente dificulte a produção de espermatozoides, devido à diferença de temperatura, tal não é o suficiente para garantir a eficácia enquanto método anticoncecional. Os homens com problemas de fertilidade devem evitar os banhos de imersão por esta razão, pois o processo de produção de espermatozoides é sensível à temperatura. Fazer amor no chuveiro aumenta mais ainda o risco de gravidez indesejada, pelo que deve usar um método anticoncecional e que a possa proteger contra doenças.

 

“Quero agradar mais ao meu namorado”

“Mantenho um relacionamento com um rapaz um pouco mais novo que eu e gostava de o agradar mais, pois receio que ele me considere demasiado velho e conservador. Falaram-me que também nos homens existe o Ponto G. É verdade?”

João, Coimbra



Caro leitor,

Devo dizer-lhe que é verdade. Também nos homens existe o Ponto G e está localizado na entrada do ânus, pois é uma das zonas mais sensíveis e sexualmente estimulantes do homem. Esta zona trata-se da Próstata, que quando estimulado, pode provocar sensações muito intensas. A maioria dos homens e também de mulheres não está familiarizada com esse facto e por isso não incluem a estimulação da Próstata como parte da sua atividade sexual. A Próstata pode ser estimulada através da introdução gentil de um dedo no ânus. Aconselho-o a experimentar sozinho, utilizando um lubrificante para ajudar a penetração. Se verificar que realmente essa prática lhe provoca prazer, converse com o seu parceiro e procurem experimentar esta prática durante o ato sexual.

Outro aspeto que não deve levar em consideração é o fator da idade. Se o seu companheiro está consigo é porque gosta de si, por isso coloque toda a sua insegurança de lado e viva mais livre e alegremente.

"Atingimos o orgasmo ao mesmo tempo!"


 

"Eu e a minha namorada temos uma relação fantástica e de há uns meses para cá acabamos por atingir o orgasmo ao mesmo tempo, ou com segundos de diferença, quase sempre que fazemos amor. Ambos estamos muito felizes um com o outro e com esta dinâmica, mas sabemos que é pouco comum. Seremos um casal fora do vulgar?"

 

Pedro, Lisboa

Caro leitor,

Partilhar um orgasmo, quer seja em simultâneo ou não, é uma das mais marcantes experiências da vida a dois. Embora alguns casais consigam estar de tal modo em sintonia, e atentos às necessidades e ao corpo do parceiro, que atingem o orgasmo em simultâneo, com outros tal não acontece, o que não significa que tenham menos prazer ou afinidade. Embora a ideia de atingir o clímax ao mesmo tempo que o parceiro seja romântica e excitante, não é necessário que tal aconteça pois tudo depende de inúmeros fatores e das próprias pessoas envolvidas. Desde que ambos desfrutem dessa sintonia e que, sobretudo, não acabem por sentir-se pressionados por ela ou dececionados quando ela não acontece, aproveitem em pleno essa fantástica cumplicidade e continuem a dedicar-se a explorar o prazer tanto convosco próprios como com o outro.