Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Sexo na banheira ou no chuveiro?”

“Adoro fazer amor no banho com o meu namorado, mas como tenho receio de engravidar gostava de saber se é mais seguro usar o chuveiro. É possível engravidar se o meu namorado ejacular na água da banheira, ou a água quente destrói o esperma?”

 

Catarina, Leiria

 

Cara leitora,

Fazer amor na banheira ou no chuveiro, por si só, não impede uma gravidez nem a transmissão de doenças. Embora estar numa banheira de água quente dificulte a produção de espermatozoides, devido à diferença de temperatura, tal não é o suficiente para garantir a eficácia enquanto método anticoncecional. Os homens com problemas de fertilidade devem evitar os banhos de imersão por esta razão, pois o processo de produção de espermatozoides é sensível à temperatura. Fazer amor no chuveiro aumenta mais ainda o risco de gravidez indesejada, pelo que deve usar um método anticoncecional e que a possa proteger contra doenças.

 

“Quero agradar mais ao meu namorado”

“Mantenho um relacionamento com um rapaz um pouco mais novo que eu e gostava de o agradar mais, pois receio que ele me considere demasiado velho e conservador. Falaram-me que também nos homens existe o Ponto G. É verdade?”

João, Coimbra



Caro leitor,

Devo dizer-lhe que é verdade. Também nos homens existe o Ponto G e está localizado na entrada do ânus, pois é uma das zonas mais sensíveis e sexualmente estimulantes do homem. Esta zona trata-se da Próstata, que quando estimulado, pode provocar sensações muito intensas. A maioria dos homens e também de mulheres não está familiarizada com esse facto e por isso não incluem a estimulação da Próstata como parte da sua atividade sexual. A Próstata pode ser estimulada através da introdução gentil de um dedo no ânus. Aconselho-o a experimentar sozinho, utilizando um lubrificante para ajudar a penetração. Se verificar que realmente essa prática lhe provoca prazer, converse com o seu parceiro e procurem experimentar esta prática durante o ato sexual.

Outro aspeto que não deve levar em consideração é o fator da idade. Se o seu companheiro está consigo é porque gosta de si, por isso coloque toda a sua insegurança de lado e viva mais livre e alegremente.

"Atingimos o orgasmo ao mesmo tempo!"


 

"Eu e a minha namorada temos uma relação fantástica e de há uns meses para cá acabamos por atingir o orgasmo ao mesmo tempo, ou com segundos de diferença, quase sempre que fazemos amor. Ambos estamos muito felizes um com o outro e com esta dinâmica, mas sabemos que é pouco comum. Seremos um casal fora do vulgar?"

 

Pedro, Lisboa

Caro leitor,

Partilhar um orgasmo, quer seja em simultâneo ou não, é uma das mais marcantes experiências da vida a dois. Embora alguns casais consigam estar de tal modo em sintonia, e atentos às necessidades e ao corpo do parceiro, que atingem o orgasmo em simultâneo, com outros tal não acontece, o que não significa que tenham menos prazer ou afinidade. Embora a ideia de atingir o clímax ao mesmo tempo que o parceiro seja romântica e excitante, não é necessário que tal aconteça pois tudo depende de inúmeros fatores e das próprias pessoas envolvidas. Desde que ambos desfrutem dessa sintonia e que, sobretudo, não acabem por sentir-se pressionados por ela ou dececionados quando ela não acontece, aproveitem em pleno essa fantástica cumplicidade e continuem a dedicar-se a explorar o prazer tanto convosco próprios como com o outro. 

“Devo fazer terapia sexual?”

“Tenho 46 anos, sou casado há 17, mas de há uns três anos para cá eu e a minha esposa deixámos de nos dar bem a nível sexual. Embora tivéssemos recorrido ao apoio de um
Psicólogo, continuámos com o mesmo problema. Será que consultar um especialista
em sexualidade poderá ajudar?”

Tiago, Seixal

 

Caro leitor,

Sem dúvida que sim, um sexólogo credenciado tem a formação e o treino necessário para saber lidar com qualquer tipo de problema do foro sexual. Se tem tido dificuldades a nível sexual com a sua esposa, definitivamente aconselho-o a procurar um especialista. Além disso, é bastante
importante que ambos sejam sinceros durante a terapia tanto um com o outro como
com o vosso terapeuta, e que ambos participem activamente na terapia indo às
sessões, fazendo os exercícios recomendados em casa e demonstrando empenho e
vontade de melhorar, pois apenas com o empenho de ambos verão resultados.

Como atingir o orgasmo mais depressa?

De há alguns anos para cá tenho notado que levo cada vez mais tempo a atingir o orgasmo, havendo mesmo situações em ele não acontece. Acho isso estranho, pois nunca tive essa dificuldade antes. Será que vou perder a capacidade de ter orgasmos?”

Paulo, Vilamoura

Caro leitor,

essa situação acontece com mais frequência do que imagina. É normal que com o avançar da idade o homem comece a levar mais tempo a atingir o orgasmo, o que por vezes melhora a vida sexual do casal pois dá mais tempo à mulher para atingir o clímax. Essa situação é especialmente vantajosa para homens que sofram de ejaculação precoce, mas não tanto para homens que já naturalmente demorem algum tempo até atingir o orgasmo. Nesses casos o acréscimo de tempo natural da idade pode tornar-se um problema, o que parece ser o seu caso, fazendo com que em certas ocasiões o orgasmo chegue mesmo a não acontecer. Uma possível solução é aplicar um gel acelerador no pénis antes de iniciada a relação. Este gel vai aumentar o fluxo sanguíneo na área genital fazendo com que o homem fique mais sensível à estimulação, e atinja o orgasmo mais depressa. Em alguns casos a incapacidade em atingir o orgasmo, tanto no homem como na mulher, pode ser um efeito secundário de algum medicamento. Se achar que este pode ser o seu caso, consulte o seu médico e explore a possibilidade de ajustar a dose ou mudar de medicação.

 

“Não tenho lubrificação suficiente!”

 

"Não sei porquê, mas há uns tempos tenho tido dificuldade em ficar lubrificada. Será que esta mudança se deve ao facto de eu estar perto da menopausa?”
Susana, Ericeira
 
Cara Leitora,
Realmente o facto de estar a entrar na menopausa pode causar alterações dos níveis hormonais, nomeadamente níveis irregulares de estrogénio. Esta redução de estrogénio causa diminuição da lubrificação durante o acto sexual, o que pode resultar em dores durante a penetração. A redução de lubrificação pode também ser o sintoma de uma infecção vaginal. Existem alguns medicamentos que provocam como efeitos secundários a redução da lubrificação e do desejo sexual. Para poder esclarecer todas as suas dúvidas a este respeito aconselho que consulte o seu ginecologista, para que juntos encontrem a solução para o seu problema de forma a recuperar a satisfação e plenitude sexual.
 

“Quero fazer sexo anal!”

 

 “Sempre tive o desejo de experimentar fazer sexo anal, mas tenho algum medo de o dizer à minha namorada pois acho que ela não vai aceitar muito bem esta ideia. Como devo abordar o assunto?”

 

Ricardo, Vila Franca de Xira

 

Caro Leitor,

 O sexo anal é um tabu para a grande parte das mulheres. Deve falar sobre esse assunto de forma cuidadosa sem que a sua namorada se sinta obrigada a concordar. Exponha-lhe a sua fantasia dando sempre a entender que não ficará magoado se ela lho negar, mesmo que até fique um pouco desapontado. Assegure-lhe que não a forçará a nada e que se decidirem fazê-lo, parará se ela assim o pedir. Caso a sua namorada concorde com a prática, não se esqueça do lubrificante, que é fundamental nesta situação!

“Tenho medo do sexo anal…”

“Tenho quase 23 anos de casamento e nunca tive relações anais, pois tenho medo. O meu marido gostaria de praticar, mas tenho receio que seja doloroso. O ânus não ficará, ao fim de algumas relações, demasiado largo, podendo trazer problemas irreversíveis?

Luísa, Loures

Cara leitora,

Passados tantos anos de casamento é normal que o seu marido queira inovar a nível sexual através da prática de sexo anal, e é também normal que a leitora se sinta nervosa a respeito desta prática. O sexo anal não causa dor se for feito de forma correta, a pessoa deve estar descontraída, e deve ser dada atenção aos preliminares. Se decidir experimentar sexo anal deve praticá-lo apenas quando sentir que está preparada e deve utilizar um gel lubrificante, o seu marido deve começar por introduzir apenas o dedo no seu ânus e nunca o pénis, e apenas após a leitora se sentir confortável com essa prática pode avançar para a penetração gradual do pénis. A penetração deve ser feita devagar e sempre com a utilização de gel lubrificante. Quanto à sua dúvida se a prática de sexo anal pode danificar os músculos do ânus, se essa prática for regrada e praticada corretamente, não haverá quaisquer problemas. As únicas situações nas quais pode haver lesão dos músculos, é se o recetor não estiver descontraído e houver uma penetração brusca, o que geralmente acontece em casos de sexo não consentido ou se foram introduzidos no ânus objetos extremamente grandes.

“Sexo na banheira de Jacuzzi!”

sexo_no_jacuzzi_3431_orig

“Durante uma festa na casa de uns amigos, tentei ter relações com o meu namorado na banheira de Jacuzzi. No inicio ele estava interessado, mas de repente ele ficou muito nervoso e não quis continuar. Porque será que ele fez isso?”

Neusa, Vila Nova de Gaia

 

Cara leitora

Os motivos para o comportamento do seu namorado podem ser os mais variados. Pode dar-se o caso dele ter ficado nervoso e com medo que alguém os apanhasse uma vez que não estavam na vossa casa mas sim na casa de amigos. Pode também dar-se o caso dele ter ficado tão excitado com a situação e ter ejaculado rápido de mais e ter vergonha de lhe dizer e dai ter optado por não continuar. Outra explicação possível é ele não ter achado muito confortável ter relações dentro de água, pois a água faz com que a mulher fique menos lubrificada o que juntamente com o cloro da água pode tornar a penetração um pouco dolorosa. A melhor forma de saber é conversar com ele sobre o assunto e perguntar!!

 

“Ele gostava que eu falasse mas eu não sei o que dizer!”

“Comecei uma nova relação há um mês e sinto-me muito envolvida pelo meu namorado, mas ele é mais atrevido do que eu. Quando fazemos amor ele já me disse que se excita com palavras picantes, mas eu fico bloqueada e não sei o que dizer!”

Catarina, Seixal

Cara leitora,

Não há limites para o erotismo, pois o segredo para o sucesso de qualquer relação íntima consiste na partilha e na comunicação sincera, algo que parece estar a falhar no seu caso, pois como ainda não conhece muito bem o seu namorado tem vergonha de lhe dizer abertamente o que sente. Embora o facto de falar durante o sexo possa ser extremamente erótico para algumas pessoas, para outras não surte qualquer efeito ou tem precisamente o efeito de arrefecer o clima do momento. Assim, seja sincera com o seu par e diga-lhe que prefere estar em silêncio, ou então, quando estiverem a fazer amor, evite pensar no que vai dizer, deixando-se simplesmente levar pela intensidade, soltando gemidos, palavras ou sussurros, conforme sentir vontade. Aquilo que é dito depende também muito do casal, enquanto alguns casais preferem elogios lânguidos, sussurrados com voz suave, tais como “os teus olhos são tão profundos” ou “Fazes-me sentir tão bem”, outros são capazes de descrever cenários afrodisíacos ao parceiro e outros, ainda, preferem abordagens diretas, imperativas, tais como “quero-te!”. É importante, pois, conhecer aquilo que ambos gostam, o que vos excita, pois a linguagem verbal durante o sexo, tal como qualquer outra, deve aproximar-vos, e não o contrário. Experimente diversas abordagens e sinta o que a excita mais a si e ao seu par.