Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Tema de hoje: sexo oral

 

O sexo oral consiste na estimulação dos órgãos sexuais com a boca e pode ser feita por um homem a uma mulher, por uma mulher a um homem, por um homem a um homem ou por mulher a mulher.
Como o seu parceiro pode não saber que tem uma infecção, não ter consciência disso ou não sentir, você deve ser responsável pela sua própria saúde sexual e praticar sempre sexo seguro, com preservativo de todas as vezes, mesmo no sexo oral.
 
Fellatio
 
O sexo oral ao homem, ou fellatio, tem um risco médio de infecção pelo VIH/SIDA, pois o vírus pode entrar por pequenas lesões da mucosa da boca, como aquelas que fazemos ao escovar os dentes. Para aumentar a segurança deve USAR PRESERVATIVO e assim não terá de sentir o sabor do sémen. Se ainda assim decidir não o usar, não engula o sémen, para que este não seja absorvido no estômago.
 
Comece lentamente, toque no pénis, acariciando, agarre-o docemente na sua mão, lentamente mova-a para cima e para baixo ao longo do pénis, mais rapidamente à medida que o homem fica excitado. Ele pode produzir lubrificação nesta altura.
Depois beije, chupe e comece a lamber a glande – a cabeça do pénis - e depois para cima e para baixo ao longo do pénis. Pode também beijar, lamber e chupar os testículos, enquanto agarra o pénis. Agora, lentamente, ponha a cabeça do pénis na sua boca e deixe a saliva escorrer ao longo do pénis para lubrificar. Ao mesmo tempo, estimule o pénis com a mão. Vá primeiro lentamente e depois cada vez mais depressa, mas com suavidade, pois o pénis é muito sensível.
 
Existe um reflexo de vómito no fundo da garganta, por isso se puser todo o pénis dentro da boca irá tocar neste ponto do reflexo e ter vontade de vomitar. O segredo é pôr apenas a cabeça do pénis dentro da boca e coordenar os movimentos da mão e da cabeça num ritmo suave.
A respiração e o corpo dele vão mostrar quando ele estiver quase a ejacular. Peça-lhe que lhe mostre a pressão e rapidez que ele prefere. Se não quer que ele ejacule na sua boca (que é mais seguro em termos de infecções sexualmente transmissíveis) ele deve avisá-la quando vai atingir o orgasmo. A ejaculação não a vai magoar, pode habituar-se com a prática, mas nem toda a gente gosta de sentir o sabor característico do sémen dentro da boca.
Depois dele ejacular pare os movimentos. O pénis está super sensível nesta altura, por isso deixe-o descansar. Ele vai agradecer-lhe!
 
Cunnilingus
 
É muito importante no sexo oral feminino comunicar com a mulher e perceber o que ela gosta, o que lhe dá prazer, o que gosta ou não gosta, ouvir bem os seus ritmos de respiração e respostas corporais.
Tenha consciência que muitas mulheres acreditam que os seus genitais são feios e que não cheiram muito bem. Podem precisar de ser asseguradas que os seus genitais são lindos e excitantes para si. O sexo será muito melhor se ela estiver relaxada.
Ao contrário da opinião popular, a vagina não é o essencial. Anatomicamente, o clítoris é semelhante a um pénis, mas o clítoris tem duas vezes mais terminações nervosas que um pénis.
Comece lentamente, foque as sensações – abraçar, beijar, apertar, roçar-se, aconchegar, passar com os dedos são óptimas maneiras de iniciar a excitação. Muito suavemente, afaste os lábios vaginais e toque no clítoris docemente. Pode senti-lo a ficar erecto e lubrificado. Pode também tocar à volta da abertura vaginal e penetrar gentilmente a vagina com os seus dedos, certificando-se que isso lhe dá prazer.
Para fazer contactos orais lamber, chupar, beijar e soprar suavemente o clítoris pode dar muito prazer. Mas lembre-se - seja muito delicado. Não sopre na vagina. Ao mesmo tempo pode acariciar à volta da abertura vaginal ou da região anal. Fale com ela para ver o que ela prefere.
Muitas mulheres atingem o orgasmo com contactos genitais orais. O sexo oral seguro, na mulher, deve ser feito com uma folha de látex (Dental Dam) ou de poliuretano. Tal consiste num quadrado de látex ou poliuretano que protege os genitais e pode ser comprado em algumas sex-shops. Muitas pessoas substituem isto por um preservativo cortado de um dos lados, aberto com as mãos a proteger as zonas onde a boca entra em contacto com os genitais.
É a melhor protecção para prevenir herpes genital ou outras infecções bacterianas de infectarem os lábios e a boca. No presente, há um debate entre os cientistas sobre alguns condilomas se desenvolverem no estômago e as probabilidades (mínimas) de infecção pelo VIH/SIDA. Mais vale prevenir…
 
Uma técnica especial é a borboleta de Vénus: faça sexo oral no clítoris e estimulação vaginal dentro da vagina, com uma mão e, com a outra, estimule à volta do recto, mesmo penetrando-o, se tal lhe der prazer e ela. Use muita lubrificação nesta técnica. Ela vai agradecer-lhe.

Sexo entre mulheres

G

Gostaria de saber se a prática de sexo entre mulheres é mais segura do que entre homens, ou homens e mulheres?

Joana, Porto

Cara leitora,

Realmente a percentagem de mulheres que tem relações sexuais exclusivamente com outras mulheres que contraíram o vírus da SIDA é mais reduzida do que qualquer outro grupo. No entanto as lésbicas podem contrair infecções sexualmente transmitidas da mesma forma que homens homossexuais ou indivíduos heterossexuais, devido à troca de fluidos e da utilização de vibradores e outros brinquedos sexuais. Por isso, a prática de sexo seguro é recomendada até entre mulheres pois só dessa forma uma pessoa se pode proteger.

“A SIDA é uma infecção sexualmente transmissível. Que outras infecções desse tipo existem?”

Tenho algumas dúvidas sobre as Infecções Sexualmente Transmissíveis, isto porque a que mais é divulgada é a SIDA. Quantas existem e quais são as que se manifestam com maior frequência?

 

Anabela, Barreiro

 

 

Cara leitora,

Efectivamente a SIDA é considerada a mais dominante de todas as IST (Infecções Sexualmente Transmissíveis) no momento, como antes tinha sido a Sífilis. Qualquer IST, quando diagnosticada e tratada em tempo útil, pode evitar o contágio a outras pessoas / parceiros, e consequentes problemas de saúde. Os sintomas das IST são, em alguns casos, difíceis de detectar e por esta razão deverá ser efectuado sempre o rastreio ao nível da saúde sexual, mesmo se não evidenciar qualquer sintoma. Se achar, por qualquer razão, que foi infectada, o melhor será dirigir-se ao médico, pois não deverá deixar uma infecção destas por tratar, correndo o risco de originar mais problemas e complicações. As IST que se verificam com maior frequência são: o HIV, que conduz à SIDA; as Verrugas Genitais, pequenos e duros inchaços que aparecem junto aos órgãos genitais; o Herpes Genital, semelhante ao cieiro habitual da boca e dos lábios; a Gonorreia que, tanto em homens como em mulheres, poderá ser evidenciada por sensação de ardor ao urinar, sendo unicamente tratada com penicilina; a Sífilis, a qual deverá ser detectada logo na fase inicial, pois poderá afectar a saúde de todo o organismo podendo até mesmo levar à morte; a Clamídia ou Uretite não específica, em que os sintomas são semelhantes aos da Gonorreia; a Tricomoníase, causada por um parasita e que provoca infecções do tracto urinário; a Pediculose Púbica que é causada por piolhos, os quais provocam uma comichão intensa na zona púbica; a Vaginite que, geralmente, é causada por uma bactéria devido à falta de higiene adequada da mulher. Como tal, deverá estar atenta a quaisquer sinais fora do normal, tanto em si como no seu parceiro, de modo a que sejam tratados na fase inicial. Claro está que a melhor técnica a adoptar será o sexo seguro, isto é, cada vez que tiver relações sexuais, o melhor caminho para a prevenção será o uso regular do preservativo.

“O Swing é seguro?”

“Tenho 36 anos e estou casado há quatro. Sempre fui feliz com a minha companheira, ambos gostamos de experimentar, a nível sexual, tudo o que nos passa pela cabeça. Agora estou indeciso em aderir ao Swing, talvez por desconhecimento ou receio. Já ouvi falar nesse tipo de prática e estou muito curioso, mas preocupa-me o facto de não saber ser é seguro, não só a nível de saúde, como também para a relação. Será que não vai por em risco o relacionamento?”

 

Alexandre, Odivelas

 

Caro Leitor,

 

O swing ou troca de casais obedece a inúmeras regras estabelecidas desde o início da relação por todos os intervenientes. Existem bares e clubes exclusivamente para conhecimento de parceiros de swing, havendo no entanto os riscos inerentes a qualquer relação sexual com parceiros que não se conhecem bem. Assim, é importante fazer sexo seguro e procurar conhecer bem o casal com quem se vão relacionar. O swinger encara a sexualidade desprovida de preconceitos, havendo uma libertação de tabus, e as fantasias ganham vida com outros casais, aceitando que o parceiro tenha relações sexuais com outras pessoas. Há um envolvimento físico e nunca deve tornar-se sentimental. Os swingers encaram o casamento como um partilhar em pleno de uma vida a dois, valorizando a fidelidade emocional em detrimento da física. Por isso, o que tem de perceber e discutir com a sua parceira é o que pretendem enquanto casal. A introdução desta nova prática sexual na vida do casal pode provocar profundas mudanças na forma de viver a vossa relação de casal e a vossa sexualidade. Procure, em conjunto com a sua parceira, ponderar os prós e os contras na adesão a esta prática, equacionando o que será melhor e mais proveitoso para ambos.

“Sexo seguro entre mulheres”

“Tenho 21 aos e sou bissexual. Gostaria de saber se a prática de sexo entre mulheres é mais segura do que entre homens, ou homens e mulheres?”

Joana, Porto

Cara leitora,

Realmente a percentagem de mulheres que tem relações sexuais exclusivamente com outras mulheres que contraíram o vírus da SIDA é mais reduzida do que qualquer outro grupo. No entanto, as lésbicas podem contrair infecções sexualmente transmitidas da mesma forma que homens homossexuais ou indivíduos heterossexuais, devido à troca de fluidos e da utilização de vibradores e outros brinquedos sexuais. Por isso, a prática de sexo seguro é recomendada até entre mulheres pois só dessa forma uma pessoa se pode proteger.

 

“Quais são as DST?”

 

Iniciei a minha vida sexual há pouco tempo, e apesar de utilizar preservativo estou preocupado. Gostava de saber exactamente quais são as Doenças Sexualmente Transmissíveis mais comuns, para além da SIDA.
Mário, Montemor-o-Novo
 
 
Caro Leitor,
Efectivamente a SIDA é a doença que mais é divulgada, no momento, como antes tinha sido a Sífilis. Quando diagnosticada e tratada em tempo útil, pode evitar-se o contágio de qualquer DST a outras pessoas, e consequentes problemas de saúde. Os sintomas de qualquer DST são, em alguns casos, difíceis de detectar, assim deverá ser efectuado sempre o rastreio ao nível da saúde sexual, mesmo se não evidenciar qualquer sintoma. Se por acaso pensar que foi infectado, o melhor será dirigir-se ao médico, pois não deverá deixar uma infecção destas por tratar, correndo o risco de originar mais problemas e complicações. As DST que se verificam com maior frequência são: o HIV, que conduz à SIDA; as Verrugas Genitais, pequenos e duros inchaços que aparecem junto aos órgãos genitais; o Herpes Genital, semelhante ao cieiro habitual da boca e dos lábios; a Gonorreia que, tanto em homens como em mulheres, poderá ser evidenciada por sensação de ardor ao urinar, só se trata com penicilina; a Sífilis a qual deverá ser detectada logo na fase inicial, pois poderá afectar a saúde de todo o organismo podendo mesmo levar à morte; a Clamídia ou Uretite não específica, na qual os sintomas são semelhantes aos da Gonorreia; a Tricomoníase que é causada por um parasita e que provoca infecções do tracto urinário; a Pediculose Púbica que é causada por piolhos, os quais provocam uma comichão intensa na zona púbica; a Vaginite que, geralmente, é causada por uma bactéria devido à falta de higiene adequada da mulher. Como tal, deverá estar atento a quaisquer sinais fora do normal, tanto em si como no seu parceiro, de modo a que sejam tratados na fase inicial. Claro está que a melhor técnica a adoptar será o sexo seguro, isto é, cada vez que tiver relações sexuais, o melhor caminho para a prevenção será o uso regular do preservativo.

“ A SIDA é uma doença sexualmente transmissível. Que outras doenças desse tipo existem?”

Tenho algumas dúvidas sobre as Doenças Sexualmente Transmissíveis, isto porque a que mais é divulgada é a SIDA. Quantas existem e quais são as que se manifestam com maior frequência?

 

Anabela, Barreiro

 

 

Cara leitora,

 

Efectivamente a SIDA é considerada a mais dominante de todas as DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis) no momento, como antes tinha
sido a Sífilis. Qualquer DST, quando diagnosticada e tratada em tempo útil, pode evitar o contágio a outras pessoas / parceiros, e consequentes problemasde saúde. Os sintomas das DST são, em alguns casos, difíceis de detectar e por esta razão deverá ser efectuado sempre o rastreio ao nível da saúde sexual, mesmo se não evidenciar qualquer sintoma. Se achar, por qualquer razão, que foi infectada, o melhor será dirigir-se ao médico, pois não deverá deixar uma infecção destas por tratar, correndo o risco de originar mais problemas e complicações. As DST que se verificam com maior frequência são: o HIV, que conduz à SIDA; as Verrugas Genitais, pequenos e duros inchaços que aparecem junto aos órgãos genitais; o Herpes Genital, semelhante ao cieiro habitual da boca e dos lábios; a Gonorreia que, tanto em homens como em mulheres, poderá ser evidenciada por sensação de ardor ao urinar, sendo unicamente tratada com penicilina; a Sífilis, a qual deverá ser detectada logo na fase inicial, pois poderá afectar a saúde de todo o organismo podendo até mesmo levar à morte; a Clamídia ou Uretite não específica, em que os sintomas são semelhantes aos da Gonorreia; a Tricomoníase, causada por um parasita e que provoca infecções do tracto urinário; a Pediculose Púbica que é causada por piolhos, os quais provocam uma comichão intensa na zona púbica; a Vaginite que, geralmente, é causada por uma bactéria devido à falta de higiene adequada da mulher. Como tal, deverá estar atenta a quaisquer sinais fora do normal, tanto em si como no seu parceiro, de modo a que sejam tratados na fase inicial. Claro está que a melhor técnica a adoptar será o sexo seguro, isto é, cada vez que tiver relações sexuais, o melhor caminho para a prevenção será o uso regular do preservativo.

“Quais as doenças que me podem ser transmitidas se não usar protecção?”

“Tenho 15 anos e pretendo iniciar a minha vida sexual. No entanto, tenho algumas duvidas que gostava que me fossem esclarecidas. Se eu não usar preservativo nas minhas relações sexuais quais são as doenças sexualmente transmitidas que posso vir a contrair?”

 

Gonçalo, Santarém

 

Caro Leitor,

Para que consiga evitar contrair e contagiar outras pessoas, o mais seguro será o diagnóstico precoce das Infecções Sexualmente Transmitidas. Para tal, é necessário que consulte um médico assim que sentir algo fora do habitual no seu organismo. Se, por algum acaso, pensar que foi infectado, o melhor será dirigir-se ao seu médico o mais rapidamente possível, pois não deverá deixar uma infecção destas por tratar, correndo o risco de vir
a ter complicações mais sérias. As IST que se verificam com maior frequência são: o HIV, que conduz à SIDA; o Herpes Genital, semelhante ao cieiro habitual da boca e dos lábios; a Gonorreia, que tanto em homens como em mulheres poderá ser evidenciada por uma sensação de ardor ao urinar e que só se trata com penicilina; as Verrugas Genitais, inchaços pequenos e duros que aparecem junto aos órgãos genitais e que podem causar cancro no colo do útero; a Sífilis, a qual deverá ser detectada logo na fase inicial pois poderá afectar a saúde de todo o organismo, podendo mesmo levar à morte; a Clamídia, cujos sintomas são semelhantes aos da Gonorreia; a Tricomoníase, que é causada por um parasita e que provoca infecções do tracto urinário; a Pediculose Púbica, que é causada por piolhos, entre outras. Desta forma, deverá estar atento a quaisquer sinais fora do normal, tanto em si como na sua parceira, de modo a que sejam tratados na fase inicial. Claro está que a melhor técnica a adoptar será o sexo seguro, isto é, cada vez que tiver relações sexuais o melhor caminho para a prevenção será o uso regular do preservativo.

“Penetração anal e vaginal…”

“Tenho 26 anos e eu e o meu namorado temos uma relação sexual saudável e descontraída. Costumamos praticar a penetração anal com o pénis e com os dedos, mas da última vez que o fizemos fiquei preocupada pois ele pôs um dedo no meu ânus e, logo depois, pôs
o mesmo dedo na minha vagina. Tenho medo que isso me traga infecções e doenças… existe esse risco?”

Maria, Esposende

Cara leitora,

De facto a prática que refere pode acarretar riscos para a sua saúde, porque o dedo que explorou as profundidades da cavidade anal pode ter apanhado a bactéria E.coli. O facto de esta bactéria do cólon chegar de alguma forma à uretra é uma das causas mais frequentes de infecções urinárias, por isso ao colocar na vagina um dedo que esteve no ânus está a aumentar a probabilidade de transmissão desta bactéria. Para evitarem que isto aconteça o seu namorado pode usar uma mão para a penetração anal e outra para a penetração vaginal. As mãos devem ser bem lavadas após a penetração do ânus (o uso de sabão é fundamental) e ele pode também usar luvas de látex caso se sinta confortável ao fazê-lo. É essencial manterem as unhas curtas, porque as bactérias alojam-se mais facilmente nas pontas dos dedos em unhas compridas.

 

“É possível fazer sexo seguro na piscina?”

“Eu e a minha namorada adoramos água e gostávamos muito de experimentar fazer sexo na piscina, pois o pai dela trabalha num hotel e podemos estar a sós na piscina. No entanto, temos receio de praticar sexo sem preservativo, pois apesar de sermos o primeiro parceiro um do outro e à partida estarmos livres de doenças ainda temos ambos 17 anos e não queremos uma gravidez indesejada…”

 

João, Oeiras

Caro leitor,

A sua questão é pertinente e demonstra maturidade da sua parte. Na verdade, os preservativos não são habitualmente testados em piscinas ou banheiras de jacuzzi, por exemplo, nem com os produtos químicos que geralmente se encontram nestes ambientes. De qualquer dos modos, a prática de sexo na banheira não é segura pois a água não imobiliza nem extermina os espermatozoides, e os vírus podem ser transmitidos da mesma forma. Por outro lado, o espermicida é facilmente dissipável na água, perdendo o seu efeito, e a água pode deteriorar o látex. As bactérias e químicos existentes na água da piscina podem também provocar irritações e infeções vaginais. Embora seja preferível usar preservativo na água do que fazer sexo sem qualquer proteção, tenham em conta que o grau de proteção mesmo assim é muito reduzido.