Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Como é que as mulheres ejaculam?”

 

“Sou um homem de 37 anos sexualmente ativo e interessado em proporcionar o máximo de prazer às mulheres com quem me envolvo. Tenho ouvido falar em ejaculação feminina e gostava de saber exatamente em que consiste.”

 

Sérgio, Braga

Caro leitor,

A ejaculação feminina é um assunto que já provocou alguma controvérsia, porque o fluido em questão é expelido pela uretra após o orgasmo, o que fez com que se pensasse tratar de um descontrolo urinário. Hoje em dia com as pesquisas e estudos efetuados acredita-se que o fluido ejaculado é produzido pelas glândulas de Skene, localizadas perto da uretra da mulher e feitas de um tecido que é semelhante na sua composição à próstata do homem. Embora naturalmente não contenha sémen, o líquido ejaculatório feminino tem semelhanças na sua composição com aquele que é ejaculado pelo homem. As mulheres que experienciam a ejaculação feminina e os orgasmos intensos que geralmente a acompanham sentem um enorme prazer.

“Como é que se pode fazer o teste de infertilidade masculina?”

 

“Gostaria de saber o nome do teste de infertilidade masculina e como fazê-lo. É apenas por mera curiosidade, mas considero importante ter acesso a determinado tipo de informação.”

Óscar, Rio Maior

Caro Leitor,

A infertilidade masculina acontece quando o homem não ejacula ou não produz a quantidade necessária de espermatozóide ou estes não se movimentam da forma adequada para que se dê a penetração do óvulo.

O exame que é feito com maior regularidade para testar a infertilidade masculina é o chamado espermograma, onde o objetivo principal é analisar o sémen. Através deste exame é possível medir a quantidade, a mobilidade e o formato dos espermatozóides. Este é um dos mais solicitados à partida para realizar qualquer diagnóstico, contudo este pode e deve ser suportado por outros exames. Porém, o teste não deve ser feito apenas por um membro do casal, é importante que ambos façam os testes necessários de modo a averiguar de onde podem advir os problemas. Se de facto se constatar que o problema se reporta ao membro masculino para além do espermograma é importante que se façam exames complementares.

É importante que se tenha em conta que quanto maior for o estado de ansiedade maior será a tensão vivida durante o processo de fertilização. Neste caso, é necessário bastante equilíbrio, paciência e determinação. Note-se que os problemas que mais potencializam a infertilidade masculina são: problemas hormonais (redução de testosterona), acumulação de sangue nos testículos (varizes escrotais), consumo de álcool, drogas e anabolizantes, doenças genéticas, tratamentos de radioterapia e quimioterapia e obstrução dos canais que transportam os espermatozóides dos testículos à uretra.