Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Tema de hoje: dores vaginais

 

Há algum tempo atrás magoei-me ao introduzir o tampão na vagina. Com o aplicador fiz um pequeno arranhão. Entretanto fui ao médico,  e fiz um tratamento com uma pomada que ele me receitou, mas nunca ficou bem cicatrizado. Estive cerca de 15 dias sem ter relações sexuais, a ver se cicatrizava de uma vez... E na primeira vez que tive relações após este período tudo correu bem, mas de seguida tive relações novamente, e tive dores... O meu marido esteve a ver e disse que tinha uma pequena fissura nas paredes da vagina. Como é que eu faço para curar isto de uma vez? Evitar ter relações é muito penoso para nós...

 

Cara Leitora,

A vagina é uma área bastante sensível e quando existe alguma fissura esta costuma levar semanas a sarar. Para sarar, as feridas necessitam de um ambiente seco e de ar e, como pode imaginar, a vagina não permite nenhum desses factores, pois está constantemente coberta e tem lubrificação. Desta forma aconselho que contacte o mesmo médico, ou um medico diferente e que seja novamente examinada. Depois vai ter de ter paciência e esperar algumas semanas até poder ter relações sexuais, pois apenas dessa forma irá sarar completamente. Experimentem praticar sexo oral em vez de vaginal, e dessa forma não será tão difícil esperar até que esteja completamente curada.

 

“A vagina alarga com a experiência sexual?”

 

“Tenho uma dúvida que me acompanha há algum tempo. A vagina da mulher quando é virgem é mais pequena da que a da mulher experiente?

 

Fábio, Évora

 

 

Caro Leitor,

A vagina é um canal que mede entre 7 a 12 centímetros e é formado por músculos, pele e tecido fibroso flexível. Por ser composta por músculos, a vagina torna-se maleável e adaptável para receber o pénis.

Quando os músculos são estimulados, estes acabam por relaxar deixando a vagina mais larga e comprida, permitindo desta forma a penetração. Quando isso não acontece, esse espaço é menor devido à contracção dos músculos.

Tendo em conta a sua dúvida, não existe relação directa entre a experiência sexual e a dimensão da vagina. Cada mulher é um caso diferente. Por isso, a tolerância à penetração também será diferente. Lembre-se que a vagina é tão elástica que permite a passagem de um bebe.

Adopte uma postura menos machista, pois não é através da flexibilidade da vagina que irá verificar se a mulher é ou não experiente. Acredite que cada mulher apresenta uma anatomia que define uma maior ou menor resistência à penetração.

Menopausa

menstrual-cycle-menopause.jpg

 

A menopausa marca o fim da fertilidade da mulher e ocorre, geralmente, entre os 45 e os 55 anos de idade. Durante a fase de preparação para a menopausa – perimenopausa, os níveis de estrogéneo oscilam e a ovulação torna-se inconstante. Nesta fase a mulher pode ter menstruação nalguns meses, seguindo-se de um período de ausência de vários meses. Devido às alterações hormonais que ocorrem durante a menopausa a mulher pode começar a experimentar variadíssimos sintomas, tais como afrontamentos e suores noturnos, ansiedade, irritabilidade, alterações de humor e tendência para a depressão, esquecimento, dificuldade de concentração, dores nas articulações, fadiga, secura da pele, cabelo, olhos e boca. A oscilação dos níveis das hormonas pode provocar também dificuldades físicas e emocionais durante as relações sexuais.

 

Alívio e tratamento

Alguns métodos de autoajuda, bem como os Tratamentos de Substituição Hormonal (TSH), podem ajudar a restabelecer os níveis de estrogéneo e aliviar os sintomas físicos.

O TSH alivia os sintomas da menopausa, previne a atrofia genital e as mudanças ao nível do corpo. Pensa-se que este tratamento pode ajudar a proteger de doenças como o cancro e a osteoporose, mas no entanto há médicos que acreditam que este tipo de tratamento pode acelerar o desenvolvimento de quistos. Os TSH podem ser prescritos em forma de comprimidos, adesivos e implantes. Os cremes de estrogéneos podem ser aplicados na vulva e na vagina. A hormona testosterona pode ser receitada para ajudar a recuperar a libido.

 

 Se a menopausa está a afetar a sua vida sexual, alguns dos métodos que se seguem podem ajudá-la:

 1 – Para ficar bem lubrificada, não ignore os preliminares e, caso seja necessário, use um bom lubrificante.

2- A uretra e a vagina podem ficar menos almofadadas após a menopausa e os movimentos durante o acto sexual podem provocar dor e irritação. Se tem tendência para sofrer infecções urinárias, esvazie a bexiga após o ato sexual.

3 – Pratique exercício, mantendo o seu corpo em forma. Coma alimentos que nutram a pele e o cabelo. Pode usar suplementos alimentares.

4 – A medicina alternativa, a homeopatia, a naturopatia e a medicina chinesa têm à disposição tratamentos para as mulheres na fase da menopausa.

5 – Não perca a auto-estima e cuide da sua imagem.

Qual a diferença entre um orgasmo vaginal e um orgasmo clitoriano?

mujer-orgasmo.jpg

 

"Sou um homem apaixonado pelas mulheres e procuro dar sempre o máximo de prazer às minhas companheiras. Ouvi dizer que as mulheres podem ter orgasmos vaginais e clitorianos, e gostava de saber qual é a diferença entre eles!"

Paulo - Coimbra

 

Caro leitor,

Essa sua preocupação em procurar compreender o corpo das suas companheiras para lhes proporcionar o máximo de prazer é bastante positiva e contribui para que qualquer relação seja melhor. Os orgasmos clitorianos distinguem-se dos vaginais em primeiro lugar pelo tipo de estimulação física que a eles conduz, e naturalmente também à parte do corpo que envolvem. O orgasmo vaginal surge pela estimulação da vagina através da penetração, quer seja feita com o pénis, com a mão ou com um brinquedo sexual, e acontece quando não há qualquer estimulação do clítoris. Contudo, a vagina contém poucas terminações nervosas, e como tal não produz um orgasmo sozinha. Assim, em vez de pensar no clítoris e na vagina como partes separadas, veja-os como parte de uma teia de músculos e terminações nervosas. De facto, o clítoris estende-se e rodeia a vagina, a uretra e o ânus. Em vez de pensar nos orgasmos como vaginais ou clitorianos faz mais sentido pensar nas sensações que o acompanham. Afinal de contas, um orgasmo é sempre um orgasmo!

“Sexo anal sem dor…”

“Eu e o meu namorado, por várias vezes, já fizemos sexo anal e devo confessar que até gosto da experiência. O único inconveniente é que sinto algumas dores. Como devo contornar esta situação?

 

Alexandra, Lisboa

Cara Leitora,

Existem inúmeras formas de obter uma relação sexual mais prazerosa e menos dolorosa. Deve ter sempre em conta que sexo deve ser sinónimo de prazer e não de dor. 

Para que possa ter uma relação menos dolorosa, deve evitar estar tensa, pois desta forma facilitará a contração da musculatura tornando este ato mais difícil.

A região do ânus por ser rica em terminações nervosas e sensível às carícias torna-se, por excelência, uma zona que permite a excitação e obtenção plena de prazer.

De forma a diminuir as dores durante o sexo anal, deve apostar nos preliminares para que possa ser estimulada até à excitação e usar lubrificantes, pois o ânus não produz uma lubrificação natural tal como a vagina.

 

Rapidinhas

Fotolia_67774782_Subscription_Monthly_M.jpg

 

Sexo oral para a mulher

Porque o amor é dar e receber, peça ao seu parceiro que ofereça um mimo especial. Uma dica: "esqueça-se" da revista aberta nesta página em cima da mesa e deixe que ele a veja quando estiver sozinho. Se não resultar, experimente sussurrar-lhe ao ouvido, com voz quente "quero sentir a tua língua em mim… agora!" ou, numa abordagem menos direta, diga-lhe que adora os beijos dele, e que gostava ainda mais de os sentir noutra parte do seu corpo. Oriente-o e partam à descoberta deste momento tão íntimo e que vos irá dar tanto prazer.

 

Para a levar ao sétimo céu…

* Faça-lhe cunnilingus, é a técnica utilizada nas mulheres. O homem deve começar por acariciar e beijar o corpo a partir da boca e no sentido descendente, ou estando deitado por baixo da mulher e começando por beijar, lamber e cheirar as suas pernas e interior das coxas, usando as mãos para acariciar o exterior das coxas.

* Movimente as mãos ao longo da virilha e acaricie gentilmente os pelos púbicos. As coxas começarão a abrir-se ainda mais com a excitação, revelando os lábios interiores e exteriores da vagina.

* Afaste os grandes lábios e descubra o clítoris, mova suavemente a língua para a frente e para trás, para dentro e à volta da área. Chupe a ponta do clítoris delicadamente.

* Insira um dedo dentro da vagina, depois lubrificando a área do clítoris com saliva, continue a lamber. Varie a velocidade.

 

Beijo à "francesa"

Peça ao seu mais-que-tudo que repita "em baixo" exatamente o mesmo que faz com a sua boca…

"Gelado do amor"

Peça-lhe que imagine que está a comer um cornetto e que a sua língua reproduza os mesmos movimentos de quando está a lamber o fundo do cone de bolacha…

Espasmos de prazer

Quer seja ao lamber, quer seja ao chupar, as diferenças de intensidade e de ritmo provocam espasmos de prazer.

Quente e frio

Soprar ar quente, afastar-se da entrada da vagina e soprar ar frio.

Intenso

Com a língua, entra e sai da vagina ou da parte interior dos lábios, "penetrando-a".

“A vagina dá mais prazer que o clítoris?”

“Noutro dia eu e as minhas amigas estávamos a falar sobre a nossa vida sexual e uma delas disse que sente mais prazer quando o namorado lhe toca na vagina sente mais prazer do que com a estimulação do clítoris. É possível? Pensava que o prazer da mulher se concentrava no clítoris…”

 

Susana, Barcelos

 

Cara leitora,

Embora as sensações que produzem sejam diferentes, tanto o clítoris como a vagina propiciam prazer à mulher. Cada mulher é um ser humano único, e que vive o prazer de forma diferente e única também. O que dá muito prazer a uma mulher pode não provocar qualquer sensação a outra. Por essa razão, conhecer bem o próprio corpo é essencial para poder descobrir aquilo que lhe dá prazer a si e para que, dessa forma, o possa transmitir ao seu companheiro. Em primeiro lugar, há que compreender a diferença entre o prazer e a sensibilidade. Embora existam muitas áreas sensíveis ao longo do corpo, não quer dizer que todas elas proporcionem prazer. As zonas erógenas, que o provocam, estão associadas a terminações nervosas. O clítoris contém inúmeras terminações nervosas, provocando intensas sensações de prazer quando é estimulado. Embora seja menos comum, há muitas mulheres que também sentem muito prazer pela estimulação da vagina, pois também contém muitas terminações nervosas. A estimulação da vagina e do clítoris em simultâneo pode provocar inesperadas ondas de prazer!

“A vagina da minha namorada é pequena”

 

“Iniciei há pouco tempo a ter relações com a minha namorada e normalmente a penetração é dolorosa. Será que a vagina da minha namorada é muito pequena? O que deverei fazer? ”

Pedro, Aveiro

 

 

Caro Leitor:

Quando se inicia a actividade sexual é normal que isso aconteça. A sua namorada está nervosa o que pode provocar tensão dos músculos da vagina, e falta de lubrificação adequada. Aconselho-o a dedicar mais tempo e atenção aos preliminares e só tentar a penetração quando a sua namorada lhe disser que está preparada para isso. Experimente também utilizar um lubrificante para facilitar a penetração o que além de ser divertido fará com que a sua namorada se sinta menos tensa. Não pressione a sua namorada e adopte a posição na qual ela se sente mais confortável.

 

Há risco de gravidez sem penetração?

A-Ejaculação-Precoce-Não-pode-te-Atrapalhar.jpg

 

"Gostaria de saber quais as probabilidade de uma mulher engravidar apenas com o contato direto da vagina com o pénis, mesmo que não haja ejaculação nem penetração?"

Mariana - Vila Nova de Gaia

 

Cara leitora,

As probabilidades não são muito grandes de acontecer uma gravidez, apenas com o contato genital, mas pode acontecer, se o homem tiver já libertado líquido pré-ejaculatório (a lubrificação que sai antes da ejaculação) e se o contato entre os genitais for bastante direto, sem qualquer roupa nem proteção. Lembre-se que mesmo que a gravidez não aconteça as infeções sexualmente transmissíveis podem ser transmitidas numa situação como a que descreve, pelo que a proteção com o preservativo é desejável. 

 

"Será impossível penetrar-me?"

 

“Eu e o meu namorado iniciámos recentemente a nossa vida sexual. O pior é que a minha vagina se contrai tanto que não conseguimos consumar o acto. Será impossível o meu namorado penetrar-me? É normal isto acontecer?”

 

Ana, Alcobaça

 

Cara Leitora,

Se ainda é virgem esta situação pode ser causada pela resistência do hímen, e nesse caso será necessária ajuda do médico ginecologista. Por outro lado, aquilo que está a sentir pode estar ligado a um problema de disfunção sexual, chamada vaginismo. Esta disfunção sexual feminina pode afectar tanto as mulheres virgens como as mulheres com alguma experiência sexual. Existem várias causas para este problema, quer sejam físicas quer psicológicas. Geralmente, o que se verifica são espasmos musculares involuntários da vagina que tornam a penetração dolorosa e, por consequência, a dor aumenta a ansiedade e pode levar a uma situação muito penosa, em termos emocionais para a mulher, impedindo por completo a penetração. Este problema pode surgir devido a uma grande variedade de razões. No entanto, a situação que descreve pode estar ainda relacionada com outro tipo de disfunção sexual chamado Dispareunia, que consiste na existência de um excessivo número de nervos sensitivos na entrada da vagina fazendo com que sinta muito mais dor na entrada da vagina do que as outras mulheres. A única forma de resolver esse problema é através de cirurgia. Também pode dar-se o caso de ter uma irritação das paredes da vagina devido a alergia a determinados produtos como sabonetes e tampões. Deve consultar um ginecologista especializado, pois esta condição deve ser tratada através de medicação ou intervenção cirúrgica. Evidentemente que todo este processo pode levar algum tempo, pelo que a compreensão e o apoio do seu namorado serão de extrema importância para a resolução deste problema.