Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Laqueação das Trompas

Tenho 44 anos tomo a pilula, nunca tive filhos, nem penso ter. Gostaria de saber onde posso fazer laqueação trompas e se é aconselhavel?
Matilde
 
Cara Matilde,
Uma operação definitiva como a laqueação das trompas tem de ser bem reflectida com o seu médico ou ginecologista. Marque uma consulta de planeamento familiar para perceber melhor as vantagens e desvantagens dos métodos contraceptivos que utiliza e que pensa vir a utilizar.
Não tenho informação sobre há quanto tempo faz contracepção hormonal, mas se não fuma e não tem histórias de problemas cardio-vasculares na sua família pode continuar a fazê-la sem contra-indicações. Talvez queira experimentar um novo tipo: o anel vaginal, o implante (que dura vários anos), o adesivo.
Mesmo com a sua idade, em que uma gravidez poderia colocar a sua vida em perigo, não é costume recorrer-se aos métodos irreversíveis, quando não se tem filhos. No entanto, se ainda assim for essa a sua decisão, depois de se esclarecer bem sobre as outras possibilidades de contracepção (há ainda o dispositivo intra-uterino, os preservativos feminino e masculino, etc.), um médico poderá fazer-lhe a operação.
Note ainda que a vasectomia (feita ao homem) é uma operação mais fácil de realizar medicamente e menos dolorosa, pelo que pode ainda optar se tiver uma relação estável por ser o seu parceiro a recorrer ao método irreversível.
Não se esqueça que o preservativo é o único método que a protege da gravidez indesejada e também das infecções sexualmente transmissíveis.

“Será que a vasectomia não vai prejudicar o meu desempenho sexual?”

“Tenho 50 anos e o meu médico sugeriu que eu fizesse uma vasectomia. A minha esposa e eu temos algum medo, pois a minha mulher tem 44 anos e uma possível gravidez, nesta fase, será de risco. Também não desejávamos que ela fosse sujeita a uma intervenção mais dolorosa. Será que depois de fazer uma vasectomia, não conseguirei ter erecção e satisfazer a minha esposa como actualmente?”

 

André, Figueira da Foz

 

Caro Leitor:

 

A vasectomia é uma cirurgia que não implica que vá ficar impotente. A vasectomia é, de facto, uma pequena cirurgia que demora cerca de 20 a 30 minutos e é feita com anestesia local, para que não haja dor. Nesse momento, executam-se dois pequenos cortes no escroto de forma a cortar o canal, conhecido como canal deferente, de cada um dos lados e ata-se as extremidades. Muitos indivíduos do sexo masculino optam por este tipo de cirurgia para que a sua esposa e/ou parceira não seja submetida a uma operação muito maior e muito mais séria, chamada esterilização feminina.

Isto significa que, embora os espermatozóides continuem a ser produzidos nos testículos, já não conseguem percorrer o caminho até ao pénis. No entanto, não se verifica nenhuma alteração no desempenho sexual, nem tão pouco a perda do desejo sexual. Qualquer indivíduo que seja submetido a uma vasectomia continua a ter ejaculação, tal como antes e inclusivamente, o sémen parece exactamente igual.

 

“A vasectomia vai prejudicar o meu desempenho sexual?”

 

“Tenho 45 anos e o meu médico aconselhou-me a fazer uma vasectomia. Eu e a minha esposa temos algum receio de que a pílula falhe e não evite uma gravidez, pois com esta idade seria uma gravidez de risco. Também não queremos que ela seja sujeita a uma intervenção cirúrgica mais dolorosa e penosa. Será que depois de fazer uma vasectomia não conseguirei ter o mesmo desempenho como actualmente?”

 

Ricardo, Bragança

 

 

 

Caro Leitor

 

 

A vasectomia é uma pequena cirurgia para a esterilidade planeada, não significa impotência. A vasectomia é, na realidade, uma pequena cirurgia, que demora cerca de 20 a 30 minutos e é feita com anestesia local, para que não haja dor. Na cirurgia executam-se dois pequenos cortes no escroto de forma a cortar o canal, conhecido como canal deferente, de cada um dos lados e atar as extremidades. Muitos indivíduos do sexo masculino optam por este tipo de cirurgia para que a parceira não seja submetida a uma cirurgia muito maior e muito mais séria, chamada esterilização feminina.

Isto significa que, embora os espermatozóides continuem a ser produzidos nos testículos, já não conseguem percorrer o caminho até ao pénis. No entanto, não se verifica nenhuma alteração no desempenho sexual, nem tão pouco a perda do desejo sexual.

Qualquer indivíduo que seja submetido a uma vasectomia continua a ter ejaculação, tal como antes e inclusivamente, o sémen parece exactamente igual.