Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“Não sei porque razão não consigo atingir o clímax!”

“Há já algum tempo que eu não atinjo o orgasmo quando faço amor com o meu marido. Por esta razão ele afastou-se de mim, e já não me procura. Não o quero perder! Por favor ajude-me…”

 

Teresa, Espinho

Cara Leitora,

A situação em que se encontra e que tem vivido juntamente com o seu marido é bastante desagradável e tem deixado algumas marcas menos positivas na vossa vida conjugal. A primeira coisa que a aconselho a fazer é ter uma conversa directa e franca com o seu marido sobre o distanciamento que tem havido e as consequências que se têm repercutido na vossa vida sexual. Sejam o mais objectivos possível para que consigam abordar este assunto com a seriedade necessária de modo a não trocarem acusações. Neste momento é extremamente importante compreenderem o que se passa na vossa relação e procurarem ser honestos um com o outro para que possam delinear estratégias que tornem a vossa relação menos rotineira e apimentem, de novo, o vosso casamento para que possam encontrar o ambiente ideal que proporcione o prazer e o entendimento que tanto anseia.

Tentem desenvolver juntos jogos que favoreçam o reacender da vossa relação e para que o seu marido consiga compreender melhor os pontos do corpo que favorecem a sua excitação e, consequentemente, a obtenção do clímax. 

“Como sei se atingi o orgasmo?”

 

“Tenho 18 anos e iniciei agora a minha actividade sexual. Adoro fazer amor com o meu namorado e ele faz-me sentir mulher, mas não consigo perceber se já alguma vez atingi um orgasmo com ele!”
 
Ana Clara, Sines
 
 
Cara Leitora,
É normal que o objectivo de uma mulher quando faz amor seja atingir o orgasmo. A definição de orgasmo é muito vasta, porque cada mulher poderá atingi-lo de diferentes formas. No entanto, para que possa compreender melhor, de forma resumida, o orgasmo é um conjunto de contracções e sensações extremamente agradáveis e de curta duração e que transmitem uma sensação de prazer e satisfação. Porém, os orgasmos não são sempre iguais, uns são mais intensos que outros. A leitora poderá estar um pouco confusa devido ao facto de ter iniciado há pouco tempo a sua vida sexual, deste modo aconselho-a a que juntamente com o seu namorado explorem os vossos corpos e descubram o que vos excita mais. Procure não tornar um momento tão especial numa obsessão, isso poderá afectar a vossa relação. Mantenha-se descontraída e dê asas à imaginação. Ainda é jovem e tem uma vida toda pela frente para fazer descobertas surpreendentes sobre a forma de como receber e dar prazer. Aja com naturalidade e tudo correrá da melhor maneira.
 

“Tenho muita dificuldade em ficar lubrificada!”

“Tenho 50 anos e sou casada há 25. A minha vida sexual continua a ser activa, mas de há algum tempo para cá demoro muito tempo a lubrificar, parece que a minha vagina perdeu a elasticidade…”

 

Sandra, Porto

 

Cara Leitora,

 

Com o evoluir da idade ocorrem inúmeras alterações no nosso organismo, e também se dão alterações a nível físico no domínio da sexualidade, por isso não se preocupe porque se trata de uma questão perfeitamente normal. A partir dos 40 anos de idade ocorrem algumas alterações, lentas e progressivas, no corpo dos homens e das mulheres que podem afectar a sexualidade. A vagina diminui de tamanho, torna-se mais estreita e perde elasticidade, a lubrificação da vagina torna-se mais lenta e surge em menor quantidade, há uma diminuição da intensidade e da frequência das contracções da zona pélvica durante o acto sexual. Mas todas estas alterações não significam que não exista desejo, nem que não pode continuar a viver a sua sexualidade de uma forma perfeitamente normal. Pelo contrário, a dois poderão encontrar um ponto de equilíbrio e novas formas de obter prazer, como por exemplo a utilização de um gel lubrificante durante o acto sexual, o que vai tornar a penetração bastante mais confortável.

Orgasmo difícil

Tenho uma vida sexual activa há mais de 5 anos, adoro fazer sexo, mas nunca gozei. Sinto um grande prazer quando sou tocada e quando estou fazendo sexo, mas sei que demoro para atingir o orgasmo tanto que nunca cheguei, porquê? Gostaria muito de saber o que eu posso fazer para chegar ao orgasmo? O problema deve estar comigo, tambem gostaria de saber que problema é esse.
Ana Maria
 
Cara Ana Maria,
 
Há muitas mulheres com dificuldades em atingir o orgasmo, principalmente na penetração vaginal. No entanto, pode tentar estimular-se no clítoris (pode ser a Ana ou o seu parceiro ou parceira a fazê-lo antes, durante ou depois da penetração), com sexo oral, com a masturbação utilizando os dedos ou um vibrador…
Há muitas alternativas que deve explorar para descobrir o que a excita mais, demorando-se o tempo que for necessário, sem pressas nem pressões! Não se preocupe em atingir o orgasmo e disfrute o prazer que diz ter no sexo – o orgasmo feminino tem de ser aprendido, leva o seu tempo, pode precisar de intimidade, confiança, amor… Deixe-se levar pelo prazer e pela curiosidade para saber qual é o seu rastilho!

“Tenho dificuldade em ter ereções…”

 

Tenho 27 anos, e há alguns anos que tenho vindo a ter dificuldades em ter ereções. Não sofri nenhum acidente e não tomo medicação, mas a situação deixa-me muito preocupado e constrangido.”

 

Luís, Almada

 

Caro leitor,

De facto a situação que descreve pode causar bastante constrangimento e ansiedade num homem, o que pode ser a causa do seu problema. Nos homens a ansiedade afeta bastante a capacidade física do sangue em chegar ao pénis e manter-se nele o tempo suficiente para ter uma ereção. Outros fatores que afetam a qualidade das ereções são o tabaco, o álcool, haxixe, alguns remédios para a queda do cabelo, diabetes, problemas de coração, pressão arterial alta, o excesso de peso, falta de exercício físico regular (pelo menos 30 minutos 3 ou 4 vezes por semana), alimentação rica em gorduras, açucares e carbohidratos. Dessa forma, avalie o seu estilo de vida e veja se existem algumas alterações que possa fazer para melhorar a sua vida sexual. 

“Descobri que sou lésbica, e agora o que devo fazer?”


 

Tenho 23 anos e depois de ter tido muitos namorados, descobri recentemente que sou lésbica. Iniciei um relacionamento com uma mulher, e embora tudo esteja a correr bem entre nós não sei como contar aos meus pais, pois acho que vão reagir mal.” 

 

Maria, Faro

 

Cara Leitora,

Apesar de existir hoje em dia na nossa sociedade uma maior abertura a nivel sexual, a questão da homossexualidade continua a ser um assunto tabu e rejeitado por muitas famílias principalmente em países conservadores, devido à influência da Igreja na conduta das pessoas. Neste sentido, é natural o seu receio em abordar esta questão com os seus pais. A expectativa dos pais é quase sempre que os filhos se casem e lhes dêem netos de modo a alargar a família. Por isso, muitas vezes, falar de relacionamentos entre pessoas do mesmo sexo revela-se bastante complicado.

Tente compreender a posição dos seus pais, procure mostrar-lhes, que a sua felicidade está junto da pessoa que ama, independentemente do seu sexo. Não desista de lutar pela sua felicidade! Mostre-lhes que compreende a posição deles, mas peça-lhes que compreendam e respeitem também os seus sentimentos. Certamente que, por gostarem de si, entenderão e respeitarão a sua decisão. 

Os antidepressivos acabam com o prazer?

seks.jpg

 

"Tenho 38 anos e embora a minha vida sexual sempre tenha sido boa noto algumas alterações ultimamente que me estão a deixar preocupada. Passei por uma depressão há pouco tempo e como ainda estou a tomar antidepressivos gostava de saber se são eles os responsáveis pela diminuição do prazer que sinto".

Cátia - Lisboa

 

Cara leitora,

Alguns antidepressivos, bem como medicamentos para a redução da ansiedade, têm como efeito secundário a diminuição do interesse sexual e dificuldade em atingir o orgasmo. Medicamentos como o Prozac ou Zoloft são notórios neste âmbito. O antidepressivo que está no mercado e que tem tido menos efeitos secundários a nível sexual e o Zoloft. É bem provável que pelo facto de estar a ser medicada com antidepressivos o seu desempenho sexual tenha sido afetado. Converse com o seu médico a respeito do que tem sentido, e se achar necessário peça que lhe receite outro antidepressivo que tenha menos efeitos secundários, ou que altere a dose da medicação que está a tomar.

"O que é a Hipnose sexual?"

"Descobri em pesquisas feitas na Internet que existe uma prática chamada hipnose sexual, e que muitas pessoas a têm como uma espécie de fetiche. Pode explicar-me de que se trata? Como é que eu e o meu marido a podemos experimentar?"

 

Eduarda, Beja

Cara leitora,

A hipnose erótica utiliza as práticas da hipnose para fins sensuais ou sexuais. Ao contrário da hipnoterapia, que usa a hipnose num contexto terapêutico, para ajudar o paciente, a hipnose erótica visa estimular o prazer, sendo recreativa e não terapêutica. A hipnoterapia ou hipnose clínica pode, contudo, ser utilizada para tratar disfunções sexuais, por exemplo, com ótimos resultados. Esta técnica induz o paciente a uma espécie de estado de transe, relaxado, mais descontraído, mas no qual o livre arbítrio se mantém. Quando é levada a cabo por um terapeuta especializado é muito eficaz no tratamento, ajudando a eliminar hábitos nocivos e a vencer receios, entre outras coisas. A hipnose erótica, que nunca deve ser feita por alguém que não seja especializado e exige confiança total na pessoa com quem é feita, ajuda a libertar-se de inibições, sedo por isso apreciada por algumas pessoas. Através dela, a pessoa torna-se mais desinibida, aumenta a sua sensualidade e capacidade de sentir excitação, correspondendo ainda à fantasia de estar "submetido" à vontade do outro, num contexto de jogo de casal. Um terapeuta sexual pode acompanhar o vosso caso específico e avaliar se pode ou não fazê-lo com o seu marido. Em sites e fóruns de grupos associados a fetiches poderá, também, conhecer outros casais que pratiquem a hipnose erótica e que possam orientá-los. Lembre-se sempre que nunca nada deve ser feito contra a sua vontade.

“A menopausa mudou a minha vida!”

 

Desde que entrei na menopausa a minha vida alterou-se por completo. Sinto que já não sou a mesma pessoa, tanto física como psicologicamente. O meu marido não entende as minhas atitudes, o que tem gerado alguns conflitos na nossa relação, principalmente no que diz respeito à nossa vida sexual. O que se passa comigo?”

Guida, Mafra

Cara Leitora,

Antes de mais gostaria de salientar que nesta fase da vida da mulher existem dois estados: a menopausa e o climatério. A menopausa trata-se da última menstruação e o climatério é a fase em que a mulher passa do período fértil para o infértil, onde existe uma diminuição significativa da produção das hormonas sexuais. Nesta nova etapa da vida da mulher, os ovários deixam de funcionar, terminando, então, as menstruações. Esta redução a nível hormonal pode provocar algumas alterações físicas e psicológicas, por vezes condicionando a sua vida afetiva e social (que é o que está a passar-se consigo).

Esta fase tem um grande peso na vida das mulheres no que diz respeito à forma como se vive a sexualidade e na forma como evidenciam alguns comportamentos e atitudes. Neste sentido, deve ter uma conversa séria com o seu marido, lembrando-lhe que a leitora está a passar por uma fase de adaptação de um novo momento da sua vida e por esse motivo é importante que ele seja mais compreensivo de forma a evitarem conflitos desnecessários. 

O prazer dos afrodisíacos

Aphrodisiac-Foods-Cherries.jpg

 

Para assegurar a sobrevivência das nossas espécies, a questão do sexo e da comida são as necessidades básicas humanas. A procura da felicidade erótica, e a caça de substâncias que promovam isso, é uma área tão antiga como o aparecimento da civilização.

 

Mostrarei como identificar afrodisíacos que estão cientificamente provados e a conduzi-lo a criar deliciosas refeições afrodisíacas, rápidas, simples e fáceis, para que tenha muito tempo e energia para a sobremesa. Também incluímos comidas que são historicamente conceituados para melhorar o desempenho sexual, mas ainda não passaram pela rigorosa avaliação cientifica.

 

Cozinhar e comer é como fazer amor. Os mesmos cheiros e sensações, vista, sabor, ouvir e tocar – têm um papel importante na cozinha e no jogo da paixão. Só por cozinhar uma boa refeição, está a entrar num ato erótico. E mais, afrodisíacos e sexo são realmente bons para si. Muitos estudos científicos mostraram que o aumento da vida sexual e boas relações promovem o bem estar.

 

Desde o inicio dos tempos até hoje

Os afrodisíacos têm feito parte da existência humana e do regime humano desde o início dos tempos. Os caçadores africanos devoraram órgãos crus de leão. Os romanos preferiam pénis de lobo selvagem e sémen de crocodilo, e os egípcios, serpentes venenosas. Parar assegurar a virilidade na noite de núpcias, os noivos prussianos comiam testículos de boi, javali ou urso. Hoje, pénis de tigre ou chifres de rinoceronte ainda são considerados afrodisíacos na China. Os melhores amantes e os escritores mais apaixonados enfatizaram o poder dos afrodisíacos.

 

Qualquer refeição é uma ocasião para celebrar a sensualidade e brindar ao amor, romance, família, e vida. Boa comida servida numa cama de romance conduz à felicidade, saúde, longitude, amor, vida sexual satisfatória.

 

Desde o bolo de carne até ao bolo de queijo

Comida e sexo estão intimamente ligados aos nossos corpos e mentes. Mesmo a nossa linguagem associa comida e sexo. Basta considerar termos usados no jogo da atividade sexual – carne, bolo de queijo, pastel doce.

Há muitas razões pelas quais os afrodisíacos tem o poder de inflamar os nossos sentidos, a nossa imaginação, e aumenta a nossa libido. Os afrodisíacos funcionam em muitos níveis, e vários factores influenciam: químico, sensorial, emocional, romântico, social e factores energéticos.

 

O fator químico

Existem dezenas de comidas, as quais têm se verificado que aumentam a atividade sexual e o nosso apetite sexual e capacidade. Ao contrário do Viagra, estes estimulantes naturais e reforços físicos não têm efeitos negativos como dores de cabeça, diarreia, infeções urinárias. Existem muitas comidas de que falaremos que funcionam como o Viagra, reforçam os níveis da molécula de óxido nítrico, que regulam as ereções.

 

O fator sensorial

Comer é uma atividade íntima, sensual e sensorial que pode estimular os nossos apetites sexuais se as comidas certas estão bem preparadas e consumidas. As comidas lembram-nos o sexo por causa do seu sabor, textura, ou aparência: marisco salgado, por exemplo, sabe e cheira como os fluidos sexuais. Já para não dizer que é rica em nutrientes que ajuda a aumentar os níveis hormonais e melhorar a função sexual.

 

O fator emocional

Preparar a comida para cada um, é um meio de dar e receber amor. Como quando se faz amor, quando alguém cozinha para si, você sente-se alimentada, e quando você cozinha para alguém, você alimenta e cuida dele. As emoções manifestadas por uma boa refeição e por um bom sexo são as mesmas. Sentimo-nos quentes, nutridos, bem cuidados, protegidos, valorizados, e emocionalmente seguros. Noutras palavras "amada"! "O caminho para o coração do homem, é através do estômago" pode ser um mito, mas é verdade.

Memorias, emoções, e os sentidos estão interligados. Em muitas alturas os factores emocionais e sensoriais interagem uns com os outros para provocarem reacções extraordinárias. O aroma sensorial da comida pode evocar poder emocional e aumentar as respostas sexuais.

 

O fator romântico

Tentações são a sua receita para aumentar a criatividade na sua vida, estimular o sexo, e induzir a terem tempo um para o outro. Explore o nosso livro e descobrirá que fazer uma refeição romântica, uma ou duas vezes por semana é a chama necessária para o melhor sexo e para aumentar a intimidade. Combinando um tempo e um encontro por semana com o seu parceiro, você assegurará um bom tempo juntos. É excitante, antecipar essa data e divertido pensar como e com quais afrodisíacos vocês se seduziram um ao outro.