Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

“ Há algum tempo que atingir o orgasmo é muito difícil para mim”

"Sempre tive uma vida sexual satisfatória, mas nos últimos tempos tenho tido alguma dificuldade em atingir o orgasmo, o que me incomoda bastante. A minha companheira acha que isso acontece porque eu não gosto dela. O que devo fazer?"

 

Márcia, Massamá

 

 

Cara leitora,

Existem vários factores que podem interferir com a capacidade da mulher em atingir o orgasmo. Pode dar-se o caso de a mulher estar a passar por um período de bastante stress, estar a entrar na menopausa, ou mesmo estar a receber algum tipo de tratamento médico que tenha repercussões a nível sexual. Veja se algum destes casos se aplica a si e converse com a sua companheira sobre o assunto, pois só assim em conjunto poderão tentar encontrar uma solução. Tenha a mente aberta e faça experiências. Existem mil formas de apimentar a vida sexual do casal fazendo com que cada dia seja uma aventura.

O sexo contribui para uma vida mais saudável

Estudos indicam que o sexo contribui para uma vida mais saudável e até actua como 'medicamento' preventivo em certas situações. De que forma e em que aspectos isto pode ser verificado?

 

A sexualidade é uma dimensão muito importante da vida dos humanos, ainda mais hoje em dia, em que a sociedade está muito "sexualizada". Os estímulos sexuais chegam-nos de toda a parte e por qualquer coisa. Nunca se falou e mostrou tanto sexo na história. No entanto, tal não significa mais informação adequada e sempre correcta. Provavelmente há tantos mitos e tabus como antes.  

O que constitui uma vida saudável depende muito de cada pessoa, mas para a maior parte de nós certamente que a sexualidade (e o sexo é apenas uma parte dela!) é uma fatia relevante do bolo. Os afectos entre as pessoas, as relações familiares e íntimas, os contactos físicos e de proximidade são necessidades e factores de boa saúde mental e qualidade de vida no geral, que fazem parte da nossa sexualidade enquanto seres humanos. Pode prevenir-se assim a depressão e a ansiedade, o isolamento social e a solidão, as somatizações que alguns de nós têm (sintomas físicos - como dores de cabeça, de costas ou outros - que reflectem problemas inconscientes de foro psicológico) e mesmo doenças que surgem a longo prazo na vida e que uma satisfação e qualidade de vida podem retardar o seu aparecimento.

Ao nível do sexo propriamente dito, das relações sexuais, o provérbio popular responde bem: "A função faz o órgão" – ter ao longo dos anos uma vida sexual saudável e satisfatória previne o aparecimento de disfunções sexuais como a disfunção eréctil (a impotência como se dizia antes), a falta de desejo ou libido, as dificuldades de excitação e de atingir o orgasmo. Desde que seja sexo seguro, protegido pelo preservativo e seguido medicamente pelo menos uma vez por ano (para avaliar possíveis infecções sexualmente transmissíveis, células pré-cancerígenas, fazer o acompanhamento da contracepção utilizada, etc.) é saudável e muito desejável para o corpo e a mente terem uma vida sexual activa e feliz.

 

Young_Couple_In_Love_1920X1200_Wallpaper_6640.jpg

 

Não sou feliz a nível sexual

vida sexual infeliz.jpg

“Tenho 45 anos, sou casada há 15, e ultimamente tenho-me sentido insatisfeita sexualmente. Como devo lidar com a situação?”

Carla, Sacavém

 

Cara Leitora,

Uma vez que já está com o seu marido há 15 anos pode fazer com que a vossa relação tenha caído na rotina. Reflicta um pouco para que possa averiguar o que gostaria de alterar no vosso relacionamento, e converse com o seu marido para que juntos possam delinear estratégias que devolvam alguma diversidade à vossa vida sexual. Tenha imaginação e tente descobrir, juntamente com o seu marido, novas formas de sentir prazer e de estimular a vossa imaginação, não deixe que a vossa relação caia na rotina.

Vida de casal: não tenho vontade de fazer amor!

l-art-d-aimer-l-art-d-aimer-the-art-of-love-23-11-

 

A rotina é, sem dúvida, um dos maiores inimigos de qualquer relacionamento. Enquanto que nos primeiros tempos da  todo o tempo que passavam juntos parecia pouco e qualquer toque ou olhar desencadeava um incêndio que os levava para os braços um do outro, com o tempo e a habituação a excitação da novidade apaga-se. Se a isso juntarmos as exigências do dia a dia, as discussões a respeito de quem lava a louça ou vai buscar os filhos à escola e as pressões a que cada um dos dois é submetido no local de trabalho, é fácil de compreender porque é que a vida sexual se torna um problema silencioso para tantos casais.

 

Passamos mais tempo a trabalhar e a responder aos desafios e exigências profissionais do que a sós com quem amamos. Por outro lado, qualquer pessoa, por mais apaixonada que esteja, precisa de ter tempo para si e para sentir saudades do seu mais-que-tudo. Aquilo de que muitas vezes não nos damos conta, no entanto, é que ao afastarmo-nos no dia a dia isso cria um fosso também na nossa vida sexual, afastando-nos. 


Por outro lado, é fundamental ter presente que se perder o contato com a sua própria sexualidade isso irá necessariamente afastá-la do seu par. Limitar-se a cumprir as suas obrigações enquanto mãe e profissional, esquecendo-se que também é mulher, com desejos e vontades, faz com que essa parte do seu ser e da sua vida vá ficando entorpecida. A partir daí, muitas mulheres deixam de sentir prazer na relação sexual, porque não se permitem desfrutar dela com relaxamento e descontração, passando a evitar o seu parceiro.

 

A anorgasmia, uma disfunção de que já falámos, pode surgir então e impedir a mulher de ter orgasmos, ou dificultando-os. Como tal, isto faz com que a mulher ainda tenha maior tendência para evitar a relação sexual, pois sabe que não lhe será fácil chegar ao orgasmo, tornando o sexo algo penoso.

Vida de casal: não tenho vontade de fazer amor!

6783398-couple-wallpaper.jpg

 

A rotina é, sem dúvida, um dos maiores inimigos de qualquer relacionamento. Enquanto que nos primeiros tempos da paixão todo o tempo que passavam juntos parecia pouco e qualquer toque ou olhar desencadeava um incêndio que os levava para os braços um do outro, com o tempo e a habituação a excitação da novidade apaga-se. Se a isso juntarmos as exigências do dia a dia, as discussões a respeito de quem lava a louça ou vai buscar os filhos à escola e as pressões a que cada um dos dois é submetido no local de trabalho, é fácil de compreender porque é que a vida sexual se torna um problema silencioso para tantos casais.

 

Passamos mais tempo a trabalhar e a responder aos desafios e exigências profissionais do que a sós com quem amamos. Por outro lado, qualquer pessoa, por mais apaixonada que esteja, precisa de ter tempo para si e para sentir saudades do seu mais-que-tudo. Aquilo de que muitas vezes não nos damos conta, no entanto, é que ao afastarmo-nos no dia a dia isso cria um fosso também na nossa vida sexual, afastando-nos.

 

Por outro lado, é fundamental ter presente que se perder o contato com a sua própria sexualidade isso irá necessariamente afastá-la do seu par. Limitar-se a cumprir as suas obrigações enquanto mãe e profissional, esquecendo-se que também é mulher, com desejos e vontades, faz com que essa parte do seu ser e da sua vida vá ficando entorpecida. A partir daí, muitas mulheres deixam de sentir prazer na relação sexual, porque não se permitem desfrutar dela com relaxamento e descontração, passando a evitar o seu parceiro. A anorgasmia, uma disfunção de que já falámos, pode surgir então e impedir a mulher de ter orgasmos, ou dificultando-os. Como tal, isto faz com que a mulher ainda tenha maior tendência para evitar a relação sexual, pois sabe que não lhe será fácil chegar ao orgasmo, tornando o sexo algo penoso.

 

Mais vale prevenir…
A melhor forma de combater a falta de desejo no casal é aprender a evitá-la. Para tal, integre certos princípios na dinâmica da relação e faça deles hábitos saudáveis, para o bem da relação.

“Como se coloca um preservativo correctamente?”


“Sou virgem, e gostava de ter sexo pela primeira vez. Se usar o preservativo estou protegida? Como devo colocar o preservativo para evitar engravidar?“

 

Liliana, Madeira

Cara leitora,

O preservativo tem a vantagem de a proteger de uma gravidez mas também de infecções sexualmente transmissíveis. Este deve ser colocado da seguinte forma:

1) Verifique antes do encontro o estado da embalagem, a data de validade e se tem certificado de qualidade de Comunidade Europeia, que garante que está em boas condições;

2) Quando o homem tiver uma erecção satisfatória e antes de qualquer contacto genital, abra a embalagem exterior do preservativo, sem utilizar os dentes, tesouras, unhas ou algo afiado (pode empurrar o preservativo para um dos lados da embalagem);

3) Com três dedos (polegar, indicador e médio) agarrem a ponta/recipiente do preservativo, para haver espaço para onde o esperma sair – pode ser feito pelo homem ou pela mulher;

4) Coloque o preservativo no pénis, enquanto este está erecto;

4) Logo depois de ejacular, retire o preservativo a partir da base do pénis, sem permitir que saia algum sémen para a zona genital vaginal, dê um nó, embrulhe em papel e deite num caixote do lixo. 

“Preciso de ajuda para ter orgasmos!”

“Tenho 22 anos e apesar de já ter iniciado a minha vida sexual, tenho dificuldades em conseguir atingir o orgasmo, pelo que gostava que me ajudasse nesse sentido. O que posso fazer para ter orgasmos mais facilmente enquanto estou a fazer amor com o meu namorado?”

 

Cátia, Caneças

 

Cara leitora,

O orgasmo é o ponto em que toda a tensão que o corpo vai acumulando é subitamente libertada sob a forma de uma série de contrações musculares involuntárias e que proporcionam prazer, e que se podem sentir na vagina, no útero e no reto. Pressionar e massajar o clítoris conduz a essa tensão e a inúmeras sensações de estremecimento e de preenchimento pélvico. Há muitas mulheres que têm dificuldade em alcançar o orgasmo, quer seja sozinhas quer com um parceiro. A vergonha em tocar o próprio corpo, a falta de conhecimento do mesmo e medos desconhecidos são apenas alguns dos fatores que dificultam esta libertação física, cuja componente psicológica é também muito importante. Os orgasmos podem ter intensidades diferentes, conforme a mulher, o momento, o tipo de estimulação, o parceiro, etc. Para conseguir ter um orgasmo mais facilmente, evite concentrar-se mais nos pensamentos do que nas sensações, pois é fácil distrair-se com ideias que a afastam do seu propósito, como por pensar se está a agir corretamente, pensar no que o parceiro pode estar a pensar ou se está impaciente, aborrecendo-se consigo mesma e desistindo dos estímulos que está a receber. Não deve também alimentar o receio de não conseguir ter um orgasmo ou de pedir mais do seu parceiro, pois dessa forma estará a criar uma pressão mental que tornará mais difícil a libertação. Os sentimentos de culpa a respeito do sexo, ou pensar que se devia concentrar mais no seu parceiro, são também prejudiciais, bem como querer acelerar o processo. Dê mais tempo a si própria e deixe-se apenas guiar pelas sensações e pelo seu próprio prazer, deixando-se ir, e verá como se tornará mais fácil. 

Não conseguir penetração

 

 

Tenho 31 anos, e nunca tive uma vida sexual muito activa. Mas a ultima relação sexual que tive foi com uma pessoa que amava muito, mas não consegui satisfazer o meu ex companheiro, não consegui ser penetrada, tenho bastantes dores, mas acho que é um problema psicológico meu porque não relaxo. Mas isso está-me a prejudicar bastante. É que agora estava  a começar um relacionamento e parece que tenho trauma de ter relações, envolvo-me bastante e tenho desejo de continuar mas de repente (parece que se passa algo) e paro e o meu companheiro não entende porque faço isso. Acho que é um problema que não consigo resolver.

Gostava que me ajudassem a suportar este problema e perguntar se devo procurar ajuda clínica ou psicológica.
Patrícia

 

Cara Patrícia,

 

 

O seu caso pode ser de uma perturbação sexual feminina, mas tal diagnóstico só pode ser feito numa consulta presencial e com avaliação fisiológica médica e sexológica. Existem duas perturbações sexuais femininas da dor: o vaginismo e a dispareunia. Estes problemas acontecem a muitas mulheres e não deve deixar de tentar viver a sua sexualidade por isto lhe acontecer, nem sentir-se culpada. Deve procurar ajuda especializada para esclarecer se as suas dificuldades são psicológicas ou fisiológicas e reflectir sobre um tratamento adequado.

Por enquanto podem explorar outras formas de ter relações sexuais, não só através da penetração… Explorem as massagens, as carícias, a masturbação mútua (pode começar sozinha para descobrir como gosta de ser tocada e o que lhe dá mais prazer), o sexo oral, os brinquedos eróticos… Usem a vossa imaginação para reinventarem a vossa sexualidade sem limites!

 

 

 

 

 

 

 

“Tenho muita dificuldade em ficar lubrificada!”

“Tenho 50 anos e sou casada há 25. A minha vida sexual continua a ser activa, mas de há algum tempo para cá demoro muito tempo a lubrificar, parece que a minha vagina perdeu a elasticidade…”

 

Sandra, Porto

 

Cara Leitora,

 

Com o evoluir da idade ocorrem inúmeras alterações no nosso organismo, e também se dão alterações a nível físico no domínio da sexualidade, por isso não se preocupe porque se trata de uma questão perfeitamente normal. A partir dos 40 anos de idade ocorrem algumas alterações, lentas e progressivas, no corpo dos homens e das mulheres que podem afectar a sexualidade. A vagina diminui de tamanho, torna-se mais estreita e perde elasticidade, a lubrificação da vagina torna-se mais lenta e surge em menor quantidade, há uma diminuição da intensidade e da frequência das contracções da zona pélvica durante o acto sexual. Mas todas estas alterações não significam que não exista desejo, nem que não pode continuar a viver a sua sexualidade de uma forma perfeitamente normal. Pelo contrário, a dois poderão encontrar um ponto de equilíbrio e novas formas de obter prazer, como por exemplo a utilização de um gel lubrificante durante o acto sexual, o que vai tornar a penetração bastante mais confortável.

"O que é a Hipnose sexual?"

"Descobri em pesquisas feitas na Internet que existe uma prática chamada hipnose sexual, e que muitas pessoas a têm como uma espécie de fetiche. Pode explicar-me de que se trata? Como é que eu e o meu marido a podemos experimentar?"

 

Eduarda, Beja

Cara leitora,

A hipnose erótica utiliza as práticas da hipnose para fins sensuais ou sexuais. Ao contrário da hipnoterapia, que usa a hipnose num contexto terapêutico, para ajudar o paciente, a hipnose erótica visa estimular o prazer, sendo recreativa e não terapêutica. A hipnoterapia ou hipnose clínica pode, contudo, ser utilizada para tratar disfunções sexuais, por exemplo, com ótimos resultados. Esta técnica induz o paciente a uma espécie de estado de transe, relaxado, mais descontraído, mas no qual o livre arbítrio se mantém. Quando é levada a cabo por um terapeuta especializado é muito eficaz no tratamento, ajudando a eliminar hábitos nocivos e a vencer receios, entre outras coisas. A hipnose erótica, que nunca deve ser feita por alguém que não seja especializado e exige confiança total na pessoa com quem é feita, ajuda a libertar-se de inibições, sedo por isso apreciada por algumas pessoas. Através dela, a pessoa torna-se mais desinibida, aumenta a sua sensualidade e capacidade de sentir excitação, correspondendo ainda à fantasia de estar "submetido" à vontade do outro, num contexto de jogo de casal. Um terapeuta sexual pode acompanhar o vosso caso específico e avaliar se pode ou não fazê-lo com o seu marido. Em sites e fóruns de grupos associados a fetiches poderá, também, conhecer outros casais que pratiquem a hipnose erótica e que possam orientá-los. Lembre-se sempre que nunca nada deve ser feito contra a sua vontade.