Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Consultório de Sexologia

Profª Drª Helena Barroqueiro

Tema de hoje: Problemas Sexuais

Mapplethorpe

 

 

Estou a fazer um trabalho sobre doenças sexualmente transmissíveis, a minha
pergunta é:

Refira a relação entre as doenças sexualmente transmissíveis e as condições de vida de grupos sociais específicos (pobreza, desqualificações, estilos de vida, etc). Acha que me pode ajudar?

António Mendes
 
 
 
Caro António,
Não sei se o poderei ajudar muito pois de momento a minha área de investigação não envolve infecções sexualmente transmissíveis. Para obter informação mais recente e correcta aconselho que consulte a biblioteca da sua escola e tente fazer uma busca em sites profissionais tais como o PubMed, PsycInfo, etc... O que lhe posso dizer é que os resultados de estudos variam bastante dependendo do país onde foi realizado o estudo, etc.... De forma geral, as infecções sexualmente transmissíveis não afectam grupos sociais específicos, mas sim pessoas que têm comportamentos sexuais de risco, como ter sexo ou contactos genitais desprotegidos, sem preservativo. Tal pode acontecer a qualquer pessoa que tenha uma vida sexual activa e com isto não me refiro apenas a relações sexuais com penetração, mas também a carícias, contactos genitais, sexo oral ou anal, entre pessoas do sexo oposto ou do mesmo sexo.
O que me parece essencial na questão das infecções sexualmente transmissíveis é cada pessoa deve conhecer bem o seu próprio corpo e estar atenta a sinais de alterações como comichões, inchaço, dores, mudança de cor, de cheiro ou outras. Quando estes sinais aparecem, deve consultar-se um médico o mais rápido possível, sem vergonhas nem hesitações, de modo a iniciar tratamento se necessário e não ter relações sexuais desprotegidas até ser observada e tratada.
O preservativo é o método de barreira essencial para prevenir o contágio, se bem colocado e retirado na hora certa, e tem muitas vantagens: previne igualmente das gravidezes indesejadas, há em vários sabores, cores, texturas, materiais (látex é o mais utilizado, mas existem outros, como o poliuretano), prolonga a relação sexual…
 
A correcta colocação deste método é:
1) Verificar antes do encontro o estado da embalagem, a data de validade e se tem certificado de qualidade de Comunidade Europeia, que garante que está em boas condições;
2) Quando há uma erecção satisfatória e antes de qualquer contacto genital, abrir a embalagem exterior do preservativo, sem utilizar os dentes, tesouras, unhas ou algo afiado (pode empurrar-se o preservativo para um dos lados da embalagem);
3) Com três dedos (polegar, indicador e médio) agarrar a ponta/recipiente do preservativo, para haver espaço para onde o esperma sair.
4) Logo depois de ejacular, retirar o preservativo a partir da base do pénis, para que não deixe sair nenhum sémen para a zona genital vaginal, dar um nó, embrulhar em papel e deitar num caixote do lixo.
Se se seguir estas regras e apenas se utilizar lubrificante adicional à base de água e nunca à base de óleo, a eficácia na protecção dos riscos sexuais é de 95%.
Espero tê-lo ajudado – bom trabalho!